Panacéia dos Amigos

VISITAÇÃO

segunda-feira

Ladyhawke - O Feitiço de Áquila

Um dos maiores clássicos que pude assistir na década de 80. Identificação imediata. Devo ter assistido em alguma sessão da tarde. No vídeo, não foi, porque me lembro apenas de ter visto a versão dublada. Assisti por causa do Matthew Broderick porque havia visto “Curtindo a Vida Adoidado”, então na época gostava muito dele. E em Feitiço de Áquila, ele novamente fez uma interpretação de grande carisma.

Na época eu não me atentei ao fato de o filme era do diretor Richard Donner, de quem eu era fã sem saber por causa de “Superman” e o filme “Máquina Mortífera (Lethal Weapon)”. Quem assisitiu na época sabe o efeito que foi ver "O Feitiço de Áquila". Primeiramente, é uma produção esmerada, bem dirigida, naquela idade eu podia não compreender a técnica, mas sentimos quando uma história está bem contada, quando é empolgante, quando as cenas fluem. E tudo isto estava lá.

Os atores fizeram sua parte. Mas Matthew Broderick simplesmente roubou a cena com seu ladrão “O Rato”. A cenas de ação embaladas por uma empolgante trilha sonora aliados ao tema de fantasia medieval e ao drama da maldição marcaram a memória de todos, tornando o filme uma referência do gênero.

Ladyhawke foi filmado em 1985 dirigido por Richard Donner, estrelado por Matthew Broderick, Rutger Hauer e Michelle Pfeiffer.

A trama ocorre na Europa do século XII, quando um ladrãoPhilippe Gaston, "O Rato" (Matthew Broderick), condenado a execução consegue escapar das masmorras de Áquila, através dos esgotos, e foge para o campo. O Bispo de Áquila (John Wood) envia o seu Capitão da Guarda Marquet (Ken Hutchison) para caçar Phillipe; ele e seus soldados encontram Philippe, mas são frustrados por um misterioso cavaleiro negro que revela ser seu ex-capitão, Etienne de Navarre (Rutger Hauer), viajando com um falcão belo e dedicado. Marquet avisa ao Bispo sobre o retorno de Navarra, que entre outras coisas solicita a convocação de Cezar (Alfred Molina), o caçador de lobos.

Navarre diz a Philippe por que o salvou: ele precisa de um conhecimento que é único de Philippe, para levá-lo para dentro de Áquila e matar o Bispo. Enquanto viajam, Philippe se torna ciente de eventos misteriosos e assustadores que os rodeiam, incluindo o aparecimento a noite de um lobo negro e de uma mulher notavelmente linda (Michelle Pfeiffer), a qual não teme o lobo.

Em meio a combates contra os homens do Bispo, os aventureiros encontram o monge Imperius (Leo McKern), e através dele o rato e todos nós conhecemos a história: o falcão é uma mulher chamada Isabeau d'Anjou, que veio viver em Aquila depois que seu pai morreu em Antioquia.Todos os que a viam apaixonavam-se por ela, inclusive o poderoso e corrupto Bispo. Mas Isabel já amava o capitão da Guarda dele, Etienne de Navarre, com quem ela secretamente trocara votos. Confessaram este “pecado” ao monge Imperius que tolamente informou o Bispo sem saber que ele era secretamente apaixonado por Isabeau. Acidentalmente traídos por seu confessor, Imperius, eles fugiram. Em seu ciúme doentio, o Bispo fez um pacto demoníaco para garantir que eles estariam "Sempre juntos, eternamente separados": durante o dia Isabeau transforma-se num gavião, de noite Navarre se transforma em um lobo negro. Nenhum deles tem qualquer memória da sua meia-vida em forma de animal, somente no anoitecer e no amanhecer de cada dia eles podem ver um ao outro em forma humana por um momento fugaz, mas nunca podem tocar-se.

Desesperado com esta situação impossível Navarre planeja matar o Bispo, ou morrer na tentativa, tornando a maldição irrevogável. Mas Imperius descobriu uma maneira de quebrar a maldição: ele e Philippe têm que convencer os amantes a tentar. Navarre acredita que não passa de loucura do homem pois o ritual deve ser feito em “um dia sem noite e uma noite sem dia” ocasião em que os amantes devem estar juntos em forma humana diante do Bispo, para quebrar a maldição.

Ladyhawke foi filmado na Itália, o prado alpino de Campo Imperatore-Abruzzo serviu como locação exterior proeminente, enquanto a cena do monge foi filmada na Rocca Calábria, uma fortaleza arruinada no topo de uma montanha. Na região de Emilia-Romagna, a aldeia de Castell'Arquato em Piacenza e o Castelo de Torrechiara em Parma (o castelo do filme) também foram usados. Outras localidades italianas usadas incluem Soncino na região de Lombardia, Belluno, na região do Vêneto e da região de Lácio em torno de Viterbo.

A trilha sonora foi composta por Andrew Powell e produzida por Alan Parsons. Richard Donner afirmou que estava ouvindo The Alan Parsons Project (no qual Powell colaborou) enquanto procurava por locações, e ficou incapaz de separar suas idéias visuais da música. Powell combinou música orquestrada tradicional e cantos gregorianos com material de rock contemporâneo progressivo-infundido, para efeito controverso. Conheci a trilha toda em idos dos anos 90, foi um reencontro. Curiosidade foi a foto de Isabeau e Navarre juntos o que não vimos no filme (foto abaixo).

O papel de Navarre estava destinado ao ator Kurt Russell, que desistiu um pouco antes do começo das filmagens, tendo sido escolhido, então, o ator holandês Rutger Hauer.

O primeiro filme que vi de Rutger foi “A morte pede carona”, vê-lo como o herói “grosseiro” de Feitiço de Áquila, foi diferente. De qualquer forma não desmerecendo Russel, não dá para imaginar outro no papel. Todos inclusive foram excepcionalmente selecionados ou uma conjunção de astros especialmente benéfica ajudou o diretor. Certamente, os bons papéis dentro de um filme não típico empolgaram a todos e o resultado pode ser sentido na tela. Enfim: clássico absoluto..

Um comentário:

  1. Um filme maravilhoso! Por isso Cult! A trilha sonora encantadora! UAU!

    ResponderExcluir