Panacéia dos Amigos

VISITAÇÃO

terça-feira

A Consciência e seus veículos - Parte II

 


Outras funções do corpo mental são as de desenvolver os poderes da memória  e imaginação, servir oportunamente como  veículo  independente  da  consciência  no plano mental, servir à consciência como veículo do pensamento concreto  bem  como expressá-lo no corpo físico através do corpo astral, cérebro  etérico  e  sistema cérebro-espinal, coordenar movimentos do corpo físico para a ação, etc...         É  importante  compreender,  pelo  menos   parcialmente,   que,   segundo   a Tradição-Sabedoria, o corpo físico, o duplo etérico, o corpo  astral  e  o  corpo mental são todos mortais formando, em conjunto, o eu inferior ou personalidade  - palavra que provém da palavra grega "persona" (literalmente: fonte de onde vem  o som) que era o nome da máscara usada pelos atores nos teatros  da  Grécia  Antiga sendo indicativa do papel que representavam. Assim, o  eu  inferior,  quaternário inferior ou personalidade  seria  a  "camada"  mais  exterior  de  nosso  Ser,  a  "máscara" com que o Eu Superior, a Tríade Superior  ou  Ego  se  manifestaria  no teatro da vida.

         A última função do corpo mental inferior, ou simplesmente corpo  mental,  que  precisamos citar seria a de assimilar os resultados das experiências  vividas,  e passar a sua essência, antes de sua morte, para  o  Ego  Imortal,  o  Homem  Real vivendo em seu corpo mental superior, o Pensador,  como  analisaremos  melhor  em nossa próxima lição. Esses resultados de experiências vividas são  os  "tesouros" que Jesus aconselha ajuntar "no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem,  e onde os ladrões não minam nem roubam" (5).Porém esse "cofre espiritual" que é o corpo mental superior ou corpo  causal, como é mais freqüentemente chamado por acumular  as  "causas"  do  futuro,  sendo constituído da matéria sutilíssima dos 3 subplanos superiores do plano mental  só  pode acumular a essência das mais sublimes experiências de nossas vidas, sendo  a imensa maioria de nossas ações grosseiras demais para atingí-lo.

         O corpo causal é também o veículo do pensamento abstrato, em contrapartida ao corpo  mental  que  é  o  do  pensamento  concreto.  O  pensamento  é   meramente estabelecido de relações entre as imagens presentes em nossa  mente,  caso  essas imagens sejam nomes e formas por um lado, ou conceitos,  leis  e  princípios  por outro, teremos, respectivamente,  pensamentos  concretos  e  abstratos.  Logo,  é natural que o  corpo  causal,  chamado  'Vijnámayakosha'  pelos  vedantinos,  que acumula a essência das experiências, trabalhe no nível das leis e princípios  que se ocultam das formas mais concretas. Platão chama-o de alma inteligível.

         Os outros dois componentes da Tríade Superior  são  de  natureza  ainda  mais  sutil.

         O veículo  búdico  é  aquele  responsável  pela  compreensão  que  ilumina  o pensamento, dele provém a luz de 'buddhi' ou intuição que dissolve as  dúvidas  e desperta a compaixão por todos os seres, visto que no plano  búdico  já  se  pode sentir como absolutamente  real  a  unidade  de  tudo  que  vive.  Esse  veículo, comparado freqüentemente a uma estrela de luz cujos raios tudo  penetram  e  tudo abrangem, tem se identificado com o Cristo Interno, referido  diversas  vezes  na tradição Cristã. Talvez o apóstolo Paulo tenha legado a nós a  mais  bela  dessas referências: "Cristo em vós, a esperança de glória." (7) Por sua  vez,  entre  os vedantinos o veículo búdico era chamado de 'ãnandamayakosha', ou seja, veículo ou envoltura de bem-aventurança. Aquele que  consegue  focar  sua  consciência  nele atinge um êxtase elevadíssimo, somente inferior ao do veículo átmico.


         O veículo átmico, centro da vontade espiritual que nos conduz inexoravelmente pela eternidade através de todas as limitações,  constituindo-se  da  ainda  mais sutil matéria  do  plano  nirvânico.  Foi  comparado  com  "um  círculo  com  sua circunferência em nenhum lugar e seu centro em toda a parte". Como facilmente se nota esses conceitos são demasiados abstratos para que  as palavras possam expressá-los de fato. Tentaremos fazê-lo através de uma alegoria. Como já vimos, a mente do indivíduo poderia ser comparada a uma película de filme constantemente a projetar imagens mentais-emocionais sobre  os  átomos  do  mundo físico. Se  levássemos  essa  alegoria  sobre  os  átomos  do  mundo  físico.  Se levássemos essa alegoria mais adiante, teríamos a luz de buddhi,  proveniente  do veículo búdico, representada pela luz que anima o filme projetando-o na tela,  ou seja, a luz que anima as imagens mentais. A lâmpada que projeta essa luz seria  o veículo átmico. Seguindo o conceito básico  da  Tradição-Sabedoria  que  é  o  da unidade  da  vida,  diríamos  que  embora  existam  diversas  mentes   projetando diferentes películas existe uma lâmpada que projeta a luz  que  as  anima.  Logo, aquele que penetrasse no  centro  de  sua  consciência  "sintonizaria-se"  com  a energia que está condensada em toda a matéria do Universo e, conseqüentemnte,  se sentiria "dentro" de todos os seres. Amaria aos outros como a si mesmo, de fato!

         A energia elétrica que anima a lâmpada  seria  a  Mônada  (proveniente  do  grego  "monos": um), da qual Pitágoras tratou, centro último de nossa consciência que  é também conhecido como a "centelha divina". A Mônada é o centro  eterno  de  nosso Ser, mas ela não é humana porque é  pré-existente  a  tal  condição.  Sobre  essa "alma" foi dito. "A alma do homem é imortal, e o seu futuro  é  o  de  algo  cujo crescimento e esplendor não tem limites" (8).  Ou,  se  preferirmos  o  profético símile da tradição Cristã, nas palavras de Paulo, sobre o futuro do  ser  humano: "Até que todos nós cheguemos à unidade da fé, e do conhecimento do Filho de Deus, o homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo" (9).

       Talvez agora nós possamos compreender  melhor  a  profundidade  existente  na inscrição do pórtico de Delfos que, como dissemos no início  da  lição,  Sócrates tomou por divisa. Gostaríamos  de  encerrar  essa  lição  com  a  própria  versão socrática daquela inscrição que merece nossa reflexão e que é a seguinte: "Homem: conhece-te a ti mesmo. Assim conhecerás o Universo e os deuses."

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

(1) BLAVATSKY, H.P, A Doutrina Secreta. São Paulo, Pensamento, 1980. v. 2  p. 191.

(2) THE HOLY Bible. King James  Version,  1611.  New  York,  American  Bible Society, 1980. Luke 17:21. (Lucas 17:21)

(3) TAIMNI, I.K. Autocultura; À  luz  do Ocultismo. Rio de Janeiro, Grupo Annie Besant, 1980, p. 98.

(4) BLAVATSKY, H.P. A voz do Silêncio. São Paulo, Pensamento. p. 45 aforismo 4.

(5) THE HOLY, op.  cit, acima nota (2), (Mateus 6:20)

(6) Ibidem, (Colossenses 1:27)

(7)  BLAVATSKY,  op. cit. acima nota (4), p. 61 aforismo 116.

(8) COLLINS, Mabel. O  Idílio  do  Lótus Branco. São Paulo, Pensamento. p. 83.

(9) THE HOLY,  op.  cit.  acima  nota  (2), ,(Efésios 4:13)


Loja Teosófica Virtual – 1996-1998

Nenhum comentário:

Postar um comentário