Panacéia dos Amigos

VISITAÇÃO

quarta-feira

Alho – Mais informações sobre o poderoso aliado da vida saudável




O alho é um parente das cebolas e alho-porós, tem o poder de reduzir o colesterol e a pressão arterial, tem ação germicida combatendo infecções além de possuir antioxidantes e flavonóides que combatem o envelhecimento e muitas outras propriedades. Acredita-se que a maioria dessas propriedades se devem à riqueza de substâncias sulfurosas na sua composição. A ação mais saudável do alho é sua capacidade de melhorar as condições cardíacas, suas ações germicidas e anticancerígenas. Enfim, o alho é um dos alimentos acessíveis mais saudáveis.

Não é de hoje que o alho recebe o atributo de alimento bom para saúde. No célebre papiro de Ebbers, de 2.550 a.C., havia mais de 20 receitas à base de alho indicadas para combater infecções, dor de cabeça e faringites. Outros documentos datados de 3.000 anos A.C., elaborados pelos Babilônios, Chineses e Romanos também mostraram o uso do alho como medicamento. Mas, foi Hipócrates, pai da medicina, o primeiro a demonstrar com detalhes, o uso do alho como diurético e laxante. Plínio e Galeno, médicos romanos, também utilizaram o alho para o tratamento de infecções intestinais, problemas digestivos, pressão alta, senilidade e impotência. Nas anotações de Marco Polo há várias mostrando o uso do alho pelos chineses para desintoxicação.

Propriedades do Alho:

É lógico que a evidência clínica do valor efetivo do alho, tanto na prevenção quanto no tratamento de inúmeras afecções não se justifica apenas pelo seu conteúdo de minerais e vitaminas. Várias pesquisas têm atribuído seus efeitos terapêuticos pela presença de algumas substâncias. As mais importantes delas, quando o assunto é coração, são:

* Óxido dialildissulfeto, com capacidade de reduzir os níveis de lipídeos e do colesterol do sangue.
* Germânio: elemento condutor de oxigênio com ação revigorante e rejuvenescedora, graças à sua capacidade de conduzir oxigênio, agente hipotensores que ajudam a controlar a pressão arterial sem provocar efeitos secundários.
* Selênio: um mineral protetor do coração, pois ajuda a prevenir a formação de ateromas, de coágulos e ainda normaliza a pressão arterial.
Para completar o alho ainda tem alicina, a alina, ambas com efeitos antibactericida e antiinflamatório.

A gordura das artérias, aquela que deve ser eliminada quando em excesso, é chamada de Colesterol e o alho tem as seguintes propriedades:

· Previne doenças coronárias e circulatórias. Efeito hipotensor devido a vaso dilatação periférica, sobretudo nas pernas, olhos e cérebro. Recomendado para tratar a esclerose cerebral.
· Previne infartos
· Reduz a coagulação do sangue
· Reduz a pressão sangüínea
· Previne a agregação plaquetária; útil em tromboses e arterioscleroses.
· Combate infecções bacterianas, viróticas e fúngicas (para tratamento de fungos em dermatofitos que afetam a pele e leveduras, como Cândida Albicans).
· Diminui o risco de câncer do estômago, gástrico e outros.
· Reduz os níveis de açúcar e glicose, ajudando no tratamento da diabetes.
· Efeito hipo-colesterolemiante (tratamento do colesterol).
· Efeito anti helmíntico suave (Tratamento de parasitas intestinais).
· Efeito expectorante.
· Rubesfaciente e vesicante em uso externo.
Também se usa para combater problemas artríticos, inclusive em forma de tintura, ou em outras formas: para uso externo, e ainda em frieiras e verrugas. Em alguns lugares é usado, igualmente, como preventivo do cancro.

O Alho contém fructosanos (cadeias de moléculas de frutose) em abundância que lhe conferem una clara ação diurética. O seu óleo essencial contém dissulfuro de alilo proveniente da decomposição da alicina por ação duma enzima, a alizinase. Contém vitamina A, B1, B2, C, uma amina do ácido nicotínico, colina, hormonas, alicetoína I e II, ácido sulfociánico, iodo e vestígios de urânio. Esta complexa composição faz com que o alho tenha uma ação muito diversificada no organismo.

Alho com Azeite de Oliva Extra Virgem
Resultados conhecidos:

· Desaparecem as dores de articulações;
· Limpeza das artérias devido à presença dos ácidos graxos insaturados do azeite;
· Dissolve sangue pisado em derrame ocular, trombos.
· Protege contra gripes e infecções;
· Melhorar poder das cordas vocais;
· Limpa pulmões.

Como preparar:

· Um dente de alho para cada 20 quilos de peso.
· Esmagar os dentes alho cru, e colocá-los dentro do azeite de Oliva extra-virgem (um ou duas colheres da sopa) por um prazo mínimo de 30 minutos.
· Pode-se colocar a mistura no alimento habitual, ou em caldos quentes.

Como usar:

· O tratamento é feito à noite, pois sobrevém uma sonolência e depois sono profundo e reparador.
· Esse tratamento deve ser feito durante 4 meses seguidos.
· Depois desse período descansa uma semana por cada mês.
· Outros a serem complementados por aqueles que fizerem esse tratamento com fé.
· Deve ser combinado com outros tipos de alimentos saudáveis.
Relato de Alberto Barbosa Pinto Dias
“Prezados Amigos,

Em abril de 2005 fui acometido por uma cegueira total no olho esquerdo, causada por derrame de sangue. Verificada a pressão sanguínea estava a 19/ 11.

Um cardiologista do Einstein (Doutor Roderick) recomendou na emergência a tomar diurético e Adalat em dose dupla para fazer baixar a pressão de imediato. O oculista disse que não havia nada a fazer senão esperar, possivelmente por 6 meses, para depois verificar o que fazer. Consultado o cardiologista do Sabin (Climed-Atibaia), foi feito o eletrocardiograma, exames de sangue e chapa do tórax.

Verificados os resultados, alem da pressão alta, havia para serem considerados: a artéria aorta sinuosa as taxas elevadas de colesterol, triglicérides e ácido úrico. Passei a tomar Betalor (vasodilatador) e Hidrion (diurético). Com o olho direito ainda bom, li um artigo no jornal divulgado na Internet, Ambiente Brasil, um artigo a respeito das propriedades antiinflamatórias do azeite de oliveira. Lendo a respeito de azeite, associei com a idéia de alho. Procurei dados a respeito das propriedades do alho e verifiquei a existência da Alicina que, favorece a circulação impedindo trombos e a existência de outras substâncias, algumas contendo enxofre na molécula e mais outras que apresentariam ação antivirótica e antibacteriana alem de agir sobre determinados tipos de câncer.

Como não há dados a respeito de dosagem, resolvi experimentar e verificar qual a dosagem por dentes de alho cru que mostraria algum efeito fisiológico evidente. Ultrapassando a dose de um dente de alho cru por 20 quilos de peso corpóreo, verifiquei uma sensação de afogueamento e calor evidenciando vaso dilatação juntamente com uma sensação estranha. Reduzida a dose para um dente de alho para cada 20 quilos de peso, torna-se bem suportável, principalmente se o alho, sendo esmagado e cru, for deixado no azeite extravirgem de primeira espremedura a frio (uma a duas colheres de sopa) por um prazo mínimo de 30 minutos.

Pode-se colocar a mistura no alimento habitual, sendo que passei a apreciar, vertendo uns caldos quentes, ferventes, mas não fervendo, sobre a mistura a ser tomada como sopa com pão integral. O tratamento é feito à noite, pois sobrevém uma sonolência e depois sono profundo e reparador de noite inteira. Esse tratamento foi feito direto por 4 meses, pois alem de desaparecerem as dores de articulações, eu esperava que se limpassem as artérias devido à presença dos ácidos graxos insaturados do azeite. Depois descanso uma semana ou menos cada mês.

Resultados: O alívio de dores articulares foi progressivo, sendo evidente em 30 dias. O sangue pisado foi clareando e em dois meses já enxergava sem nitidez, mas em três meses havia nitidez e em quatro meses transparência cristalina. Animado com os resultados continuei firme. Completados dez meses, voltei ao cardiologista do Sabin. Novamente os exames e : Radiografia de Tórax- Tudo limpo e normal. Aorta normal. Exame de sangue: ácido úrico baixou, colesterol baixou, triglicérides baixou. Eletrocardiógrafo: tudo normal com ligeiro bloqueio no ramo direito do Feixe de Hiss que me acompanha desde moço. Continuo com Betalor e Hidrion. Note-se: As berrugas caíram. Não tenho gripes nem resfriados nem infecções desde que iniciei esse hábito alimentar.

Alberto Barbosa Pinto Dias
Professor Catedrático de Fisiologia Humana,Biologia e Bioquímica

10 Formas Naturais de Prevenir a Doença de Alzheimer



Embora possa existir uma predisposição genética para a Doença de Alzheimer, esta é uma doença para a qual pode existir prevenção. Uma alimentação pouco saudável que possua altos níveis de açúcares e gorduras, falta de exercício físico e mental, e um estilo de vido stressante são factores que normalmente estão na raiz do problema.
10 formas simples de prevenir a Doença de Alzheimer:

01 – Tenha uma alimentação rica em frutas e legumes. Foi demonstrado cientificamente que os alimentos que combatem Alzheimer são mirtilos, vegetais de folha verde, como bróculos ou espinafres e maçãs.

02 – Insira na sua alimentação óleos vegetais ricos em Ómega 3, incluindo sementes de canhâmo e de linho. Pode também ingerir óleo de peixe, mas certifique-se quanto à fonte e nutrientes, já que muitos peixes possuem toxicidade de mercúrio, que pode causar Alzheimer.

03 – Certifique-se que está a incluir na sua alimentação uma quantidade suficiente de antioxidantes. Como foi já mencionado, comer frutas e legumes é uma das melhores maneiras de combater os radicais livres. O chocolate, chá verde, vitamina E e vitamina C são outros antioxidantes que podem desempenhar um importante papel contra a doença de Alzheimer.

04 – Um novo estudo de uma equipa de investigadores do Instituto para a Estudo Biológico de Salk demonstrou que um tipo específico de antioxidantes presente nos morangos pode auxiliar a memória e proteger o cérebro do desenvolvimento de Alzheimer.

05 – Um novo estudo do Instituto Karolinska de Estocolmo provou que as diabetes aumentam gradualmente o risco do desenvolvimento de Alzheimer. As diabetes estão associadas a altos níveis de açúcar no sangue.

06 – Um novo estudo demonstrou que uma pessoa com colesterol alto, alta pressão sanguínea e obesidade tem muito mais possibilidades (+ 600%) de perder funções cerebrais e ser-lhe diagnosticado Alzheimer do que pessoas que mantenha um peso equilibrado e que mantenha uma alimentação saudável.

07 – O pigmento na curcuma que atribui ao caril a sua cor amarela pode também ajudar a quebrar as “placas” que marcam o cérebro de doentes com Alzheimer, sugererm as últimas pesquisas.

08 – Evite o mercúrio. Como foi já mencionado, muito peixes estão contaminados com mercúrio, por isso pesquise quais os peixes que são seguros e livres de mercúrio. Por vezes, as vacinas são outra causa da toxicidade por mercúrio.
09 – Desafie a sua mente todos os dias. As pesquisas sugerem que a estimulação mental, falar duas línguas, viajar, puzzles, e aprender a tocar um instrumento são boas formas de combater a senilidade precoce e Alzheimer. Aprenda algo novo todos os dias, mesmo que seja um número de telefone ou uma palavra.

10 – Regule o stress. Está provado que o stress corroi a mente e o corpo, produzindo uma hormona que prejudica o cérebro. A meditação, yoga, arte ou jardinagem são apenas algumas das formas de gerir o stress. 

Sete passos para evitar Alzheimer


1.Praticar mais atividade física


2.Não fumar


3.Ter uma dieta saudável


4.Controlar a pressão arterial


5.Evitar o diabetes


6.Combater a depressão


7.Aumentar o nível de educação




ÔMEGA 3


As fontes principais de Omega-3 são os peixes de águas profundas e frias (salmão, atum, bacalhau, arenque, cavalinha, sardinha, truta) e os óleos de peixe. Para quem não gosta ou não inclui os peixes ou os óleos de peixe no cardápio, as sementes de linhaça e o óleo de linhaça, as sementes de sálvia são as melhores alternativas como fonte de Omega-3. Fontes vegetais de elevado teor em Omega-3: 



Algas (Algal Oil) (e não de uma planta terrestre)


Linhaça


Nozes Inglêsas


Sementes de girassol


Óleo de Canola


Óleo de cártamo


Soja


Gérmen de trigo


Folhas verdes escuras como Kale, espinafre, salsa, etc…


Óleo de milho..

terça-feira

Watching The Wheels - John Lennon


Clique no título para ver o vídeo

People say I'm crazy doing what I'm doing
Well they give me all kinds of warnings to save me from ruin
When I say that I'm o.k. well they look at me kind of strange
Surely you're not happy now you no longer play the game

People say I'm lazy dreaming my life away
Well they give me all kinds of advice designed to enlighten me
When I tell them that I'm doing fine watching shadows on the wall
Don't you miss the big time boy you're no longer on the ball

I'm just sitting here watching the wheels go round and round
I really love to watch them roll
No longer riding on the merry-go-round
I just had to let it go

Ah, people asks me questions lost in confusion
Well I tell them there's no problem, only solutions
Well they shake their heads and they look at me as if I've lost my mind
I tell them there's no hurry
I'm just sitting here doing time

I'm just sitting here watching the wheels go round and round
I really love to watch them roll
No longer riding on the merry-go-round
I just had to let it go
I just had to let it go
I just had to let it go..

Britpop - A terceira invasão


Britpop amado e odiado. Além das questões que permeiam os motivos de uns e outros o que posso afirmar quanto a mim é que foi o único movimento (curto, por sinal) que melhor acompanhei e curti até aqui e portanto tem lá um lugar especial em minhas memórias.


Especialmente quando bandas daquele movimento são reinscensadas de tempos em tempos e ficamos como aqueles “velhos” dos anos 60, pensando “eu vivi o frescor de tudo isso”, pois é, papo de velho. Quem é velho?



 Bob Cuspe - AnGelinial

Revisitando o que pude ver, o que aconteceu foi que eu não entendi claramente o punk, porque era garoto e máxima referência da época foi ler meu punk favorito Bob Cuspe de Angeli. 

 


Não entendi New Romantics e a New Wave, porque era garoto e quem não era, não entendeu também, era para entender, por acaso?



Guns, Bon Jovi, Poison e all this kind of trash, e sei lá mais o quê, desta época eu passei longe porque estava ouvindo os anos 50, 60 e 70, muito melhores por sinal.


Passei ao largo do famigerado Grunge também, que admito, foi bom para chacoalhar a poeira tanto quanto o punk, mas é isso, um chacoalho tão fundamental quanto simples em sua essência. Na época eu estava ouvindo sons mais estranhos. Rock Progressivo, Folk Irlândes, Trilhas Sonoras, Música Clássica, World Music...eu realmente não estava atrás do impacto do grunge. Era outro momento. E na verdade, não gostei na época e gosto menos ainda hoje em dia.



O fosso entre a morte do grunge e o surgimento do Britpop, eu nem pude notar além de nada de interessante pela frente já que o U2 estava cada vez mais...estranho e os Cranberries eram bacanas até se ouvir 4 músicas seguidas...não havia muito por onde ir, nessa fase me afundei no maravilhoso mundo da MPB e Bossa Nova, e diga-se estou lá até hoje. Mas, no meio de tudo aquilo, eu sentia falta de um movimento que me agradasse, não precisava ser perfeito, mas eu queria encontrar um pouco da emoção de curtir uma banda, aguardar o próximo disco e quem sabe ( o que parecia impossível) assistir um show. E aí que veio o Britpop.



Em uma explicação didática o Britpop é um movimento surgido na década de 1990, que toca músicas de rock com arranjos tipicamente radiofônicos. O termo é uma abreviação de "British Pop", ou seja, música popular britânica (a definição inclui grupos surgidos no Reino Unido e na Irlanda). Assim, rigorosamente, seria considerado "britpop" todo tipo de música pop produzida por artistas do Reino Unido e Irlanda, como Robbie Williams, Dido e as Spice Girls. Entretanto, o termo é aplicado especificamente a bandas de rock'n'roll e suas músicas e, embora identificado por um nome único, o termo "BritPop" inclui grupos de estilos e ritmos extremamente variados.
Músicos de BritPop, em geral, têm muita influência dos Beatles, Pink Floyd,,The Rolling Stones The Who, The Kinks, The Small Faces e Stone Roses.

 

Os dois maiores grupos eram Blur e Oasis. Os líderes destas duas bandas — respectivamente Damon Albarn e os Irmãos Gallagher — tornaram-se notórios por protagonizarem uma rivalidade de estética e de liderança. 


 

Oasis
Então, era tudo muito interessante para mim porque eram bandas formadas por músicos que amavam as mesmas bandas antigas que eu mesmo gostava. Até a rivalidade The Beatles X Stones foi divertidamente levantada por pouco tempo com Oasis e Blur. Era um simulacro, mas era divertido. No mais, a minha identificação era que se eu fosse britânico e soubesse tocar alguma coisa certamente teria criado uma banda como o Oasis. Eu me sentia como se observasse amigos músicos se divertindo, as influências eram comuns e as músicas que eles faziam era as que eu gostaria de fazer e certamente estava gostando de ouvir.

Blur X Oasis

E além disso, eram várias bandas, várias. Tinha muita música para se descobrir, muita coisa legal para ouvir, muitos bons discos. Foi um movimento bastante rico e com material bem interessante. O Radiohead e o The Verve traziam uma espécie de culto depressivo e poética pessimista; e a parte feminina representada pelo Elastica, com forte influência do new wave dos anos 70. Por outro lado, o estilo de vida cosmopolita, sintético e "metrossexual" era simbolizado por bandas como Suede, Pulp e Placebo, numa reedição da estética rave de Manchester na década anterior. E ainda havia bandas como Gene, The Charlatans, Kula Shaker e Supergrass. Outras bandas BritPop tiveram início como "bandas de garagem", influenciadas pelo punk dos anos 70, como Muse, Ash e Idlewild, e depois suavizaram seus acordes e batidas para atingir um público mais amplo..

Suede

Pulp

Kula Shaker
The Charlatans

Em 97 acompanhei a chegada entusiasmante de “Ok, Computer”, o “Sargeant Pepper´s” do movimento dando marco zero o que alguns chamaram de “Space Rock”, e ficávamos lá “que som é este?” “O que eles fizeram?”. Também foi lançado "Coming Up",do Suede , "In It For Money" do Supergrass e o “Be Here Now” do Oasis. Hoje, este cd não é apreciado nem pelo Noel Gallagher, mas na época, acompanhei cada passo da gestação e em 98 quando vieram ao Brasil pela primeira vez, eu estava lá! Foi muito marcante. Ao final do show, o primeiro em que vi músicos britânicos tocando o novo e velho bom rock inglês, eles tocaram “I am the Walrus” dos Beatles, o que se pode dizer? Eu vi pai emocionado com a camiseta dos Beatles abraçado com filho com a camiseta do Oasis, para mim, essa era a essência do Britpop, um movimento que bebia do melhor e se divertia fazendo música com essa influência.. 


 
 Be Here Now

A partir de 1998, surgem novas bandas que de certa forma repetem a rivalidade entre Blur e Oasis, principalmente a dupla Travis e Coldplay, abusando de pianos e cordas e por vezes dispensando guitarra elétrica. Nesta linha "romântica" e altamente radiofônica, também seguem os grupos Keane e Snow Patrol, entre outros. Foi aonde parei porque o Britpop como eu achava bacana começou a morrer e era rechaçado pelos próprios protagonistas. Nenhuma dessas bandas pós – 98 me agradou especialmente por um disco inteiro.

Nos anos de 2004 e 2005, o gênero recebe novo fôlego com o aparecimento de releituras do punk (como feito pelos Libertines, Arctic Monkeys, Kaiser Chiefs), do glam (Franz Ferdinand, Klaxons) e de bandas inspiradas pelo sucesso do New Order nos anos 80, como Bloc Party, Maxïmo Park, The Rapture e Editors. Além destas, destaca-se The Killers que, apesar de ser da cidade norte-americana de Las Vegas, não esconde a fortíssima influência das bandas BritPop.

Porém, o que me interessava no Britpop era a releitura dos anos 60 e 70, este novo Britpop que navega além disso deixa de ser, para mim o movimento que me interessou. Eu nem consigo ouvir estas bandas. Mas, ficam as boas lembranças de ter um curtido um movimento em seu auge e ter algumas histórias para contar..

Os discos mais importantes do movimento

Diferente de outras cenas, uma característica marcante do britpop foi o fato de que seus principais expoentes não eram assim tão parecidos uns com os outros. Mas, embora cada uma dessas bandas tenha seus méritos, nenhuma chegou tão alto ou foi tão influente quanto as cinco ali embaixo. Afinal, podemos dizer que foram essas que, em 1994, detonaram o movimento que roubou dos Estados Unidos – de novo – o posto de cenário mais relevante e inovador para o rock.

Parklife (Blur) – Se o britpop tivesse que comemorar oficialmente seu aniversário, a data seria 25 de abril. Foi nesse dia que o Blur, uma banda até então mediana e já com dois discos no currículo, lançou Parklife. E, no pacote, um novo jeito de se vestir, dançar e até falar. Muita gente torceu o nariz para o filhinho de papai Damon Albarn posando de representante da classe trabalhadora e forçando um sotaque cockney, mas das músicas ninguém reclamou. Pelo contrário. Girls & Boys, Country House e Parklife ajudaram o disco a estrear direto em primeiro lugar e a permanecer por 90 semanas nas paradas inglesas.

Definitely Maybe (Oasis) – A grande pedra no sapato do Blur chegou em 30 de agosto. Tudo bem que as provocações na imprensa, as declarações polêmicas e a tosquice do vocalista Liam Gallagher ajudaram no marketing, mas o disco de estréia do Oasis é mesmo genial. Obcecados pelos Beatles, os irmãos Gallagher conseguiram unir melodias e guitarras aceleradas com perfeição. Se o Blur representava o lado mais pop e ensolarado da nova cena, o Oasis assumiu a porção bebum com o maior orgulho. E deu certo: no ano seguinte veio (What’s the Story) Morning Glory?, o quarto disco mais vendido na história no Reino Unido, com absurdos 14 discos de platina. Só pra situar: Thriller, de Michael Jackson, é apenas o sétimo dessa lista.

His’n’Hers (Pulp) – A guinada pop de Jarvis Cocker, um esforçado sujeito que tentava emplacar desde 1983, foi a melhor coisa que ele fez na vida. Autor de algumas das letras mais cinicamente inteligentes de todos os tempos, foi no disco de 1994 que ele encontrou o equilíbrio: largou seus resquícios mais obscuros e entrou de cabeça no (bom) pop. O resultado foram dois clássicos instantâneos: Babies e Do You Remember the First Time?, que explodiram nas pistas e prepararam terreno para a consagração definitiva. Em 1995, veio o ainda melhor Different Class, com hits como Disco 2000 e o grande hino oficial do britpop, Common People.

Dog Man Star (Suede) – Se já existiam os representantes pop, da boemia e do cinismo, faltava ao britpop um toque de sofisticação. E o papel coube ao Suede, que já tinha sido chamado pela Melody Maker de “a melhor nova banda na Inglaterra” antes mesmo de ter qualquer single lançado, e que, um ano antes, tinha apresentado um elogiado disco de estreia. Mas 1994 foi um ano complicado. Em meio a um conflito interno que culminou com a saída do guitarrista Bernard Butler, a banda gravou e lançou um disco muito menos pop, com músicas longas e elaboradas, com direito até a uma participação de 72 membros da Orquestra Sinfônica de Londres. O resultado surpreendeu e até hoje faz com que alguns hesitem em incluir a banda na lista do britpop. Seja como for, todo mundo tem que admitir que não é qualquer um que consegue uma sequência como We Are the Pigs, Heroine e Wild Ones.

Elastica (Elastica) – Justine Frischmann fazia parte da formação original do Suede. Mas, quando começou a trair o namorado Brett Anderson com Damon Albarn, do Blur, achou de bom tom deixar o grupo. E foi melhor para todo mundo, inclusive para os fãs do britpop, já que ela acabou criando sua própria banda. Em 1994, o Elastica se consagrou com o single Connection, da introdução descaradamente chupinhada de uma música do Wire (Three Girl Rumba, para quem ficou curioso).O primeiro disco da banda foi lançado em 1995, com uma capa claramente inspirada nos Ramones, outra das influências assumidas, ao lado de Blondie e Stranglers. Na época, a imprensa inglesa tentou colar um rótulo novo, o tal new wave of the new wave, mas não pegou. Ironicamente, o lado mais “macho” do britpop foi representado por uma banda com três mulheres em sua formação.

Fonte: Sites da Internet, eu mesmo e site "Virgula".

quarta-feira

Agonia e Extâse - (The Agony And The Ecstasy)




Pude assistir este filme recentemente. Adoro os filmes que tentam trazer algo da biografia dos grandes nomes da humanidade. Tanto melhor quando isto é feito com qualidade e interesse. O filme foi indicado ao OSCAR de Melhor Fotografia e também citado como um dos melhores filmes do ano pelo National Board of Review.

Vemos duas punjantes interpretações de duas das personalidades mais marcantes da Renascença neste drama histórico baseado no best-seller de Irving Stone ambientado no início do Século XVI, com texto adaptado de Phillip Dunne e direção de Carol Reed. O clássico Agonia e Êxtase vislumbra o renascimento italiano a partir da tensa relação de amor e ódio entre o pintor Michelangelo (Charlton Heston, de O Planeta dos Macacos) e o papa Júlio II (Rex Harrison, de My Fair Lady).

Sendo um artista renascentista, Michelângelo é obstinado por sua liberdade para desenvolver seu projeto o que contrasta com os desejos do Papa que tenta controlar e doutrinar o indomável artista. Michelângelo como artista desafiar um dos homens mais poderosos do mundo, e seu desejo de ordem, disciplina e prazos. Uma curiosa alegoria com a alma criativa dos homens e sua necessidade de viver em mundo repleto de regras. Mas, veremos no decorrer da história que os pontos de vista não são, nem devem ser tão preto e branco.

A história se centra no conflito entre os protagonistas quando o Papa Júlio II (Harrison) encomenda a Michelangelo (Heston) a pintura do teto da Capela Sistina, o artista recusa a princípio, pois como alega “sou um escultor”. Com habilidade e teimosia o Papa consegue força o artista a fazer o trabalho. Mas, inconformado como o que lhe parece um trabalho medíocre e absurdo ele acaba por destruir a obra feita até aquele momento e foge de Roma. 

Obstinado o Papa manda perseguir o artista fugitivo por todos os lugares. Em um determinado momento de sua fuga, afinal, Michelângelo tem uma visão inspiradora  na cena clássica em que o artista recebe a inspiração para criar a pintura "O Nascimento do Homem" (uma das mais famosas de todos os tempos).


Esta visão o faz se decidir por realizar a obra encomendada. Quando recomeça a pintura, o projeto se torna uma batalha de vontades alimentada pelas diferenças artísticas e de temperamento que são o ponto central deste filme.  A pintura da Capela Sistina foi um dos trabalhos mais longos. O artista ficou de 1508 a 1512 para narrar nove episódios do Gênese - o primeiro livro do Pentateuco, descrito por Moisés, no qual são narradas as criações do homem e do mundo por Deus. 

Um dos momentos cômicos do filme era a repetitiva pergunta do Papa a Michelângelo: “Quando ficará pronto?” ao que, irritado, o artista replicava: “Quando eu tiver terminado!”.

Com o correr do filme passamos a compreender que as pessoas e suas motivações são mais complexas do que pode parecer. A teimosia e irritabilidade do Papa escondia um grande amor pela obra de Michelângelo, demonstrada sutilmente pela paciência com que ele sempre estava disposto a tolerar os intempestivos acessos de fúria do artista e continuar a financiá-lo. 

Minha cena favorita é a aquela em que o Papa, mesmo muito doente, se arrasta pelos andaimes até o teto para vislumbrar a pintura “O nascimento do Homem”. Michelângelo o encontra lá, extasiado. O Papa se volta para ele e pergunta: “É assim que você o imagina, filho?” Esta questão encerra toda a admiração do Papa. Ele queria ver “Deus” através dos olhos do seu artista favorito. O Papa amava a arte de Michelângelo, pois, a considerava um dom divino. Michelângelo não acreditava em dom divino, mas não podia negar a utilidade de toda aquela doutrina do Papa que acabou, por fim, auxiliando-o na criação de sua obra – prima. 


Assim , vemos em agonia e êxtase essas duas figuras que descobriram a complementaridade na diferença e o quanto suas disputas por controle acabaram por criar uma sinergia que permitiu a força necessária para tal obra magnífica. O filme é tocante, agradável e reflexivo sobre o quanto não percebemos que, por vezes, os que menos parecem nos tolerar estão entre os que mais nos admiram.