Panacéia dos Amigos

VISITAÇÃO

quarta-feira

Disney confirma nova trilogia de "Star Wars" e planeja lançar filmes inéditos a cada 2 ou 3 anos





Uma década após George Lucas dizer que “Star Wars” não mais apareceria nos cinemas, uma nova trilogia chegará às telas depois que a Walt Disney anunciou nesta terça (30) que comprará a Lucasfilm por US$ 4 bilhões.O sétimo filme, com o título provisório de “Episódio 7”, tem previsão de lançamento para 2015 e episódios 8 e 9 seguirão. A trilogia continuará a história de Luke Skywalker, Han Solo e a Princesa Leia além de “O Retorno de Jedi”, o terceiro filme lançado e o sexto da saga. Depois disso, a Disney planeja um novo filme de “Star Wars” a cada dois ou três anos. Lucas trabalhará como consultor nos novos longas.

“Eu estou fazendo isso para que os filmes tenham uma vida mais longa”, disse Lucas, o criador da saga e dono da Lucasfilm, em uma entrevista postada no YouTube. “Eu posso ser um fã agora... algo que eu quero muito. É muito mais divertido, na verdade, do que ter que sair na lama e na neve”.O CEO da Disney Bob Iger disse que a Lucasfilm já desenvolveu uma narrativa detalhada para a nova trilogia, e que “Episódio 7” está em fase inicial de desenvolvimento. Ele disse que conversou há cerca de um ano e meio com Lucas sobre comprar a empresa, mas eles não fecharam um acordo até recentemente, conforme Lucas se aposenta.

“O último filme de ‘Star Wars’ foi ‘A Vingança dos Sith’, de 2005 – e acreditamos que há uma demanda substancial”, disse Iger.O acordo anunciado terça determina que a Disney pagará metade do valor em dinheiro e o restante em ações. A companhia espera ver aumento na renda em 2015 e apontou como amostra do valor da Lucasfilm que a empresa ganhou US$ 550 milhões no ano que “A Vingança dos Sith” foi lançado. Junto com o dinheiro, Lucas vai ser dono de 40 milhões de ações da Disney, que representa cerca de 2,2% das 1,83 bilhões de ações em circulação quando a transação for fechada. A Disney não informou quando isso acontecerá.


Outra novidade apresentada no comunicado foi a de que o "conteúdo de 'Star Wars' será integrado a rede de parques temáticos da Disney", na cidade de Orlando, na Flórida, além de Anaheim, Paris e Tóquio. No parque Hollywood Studios, já há uma atração relacionada aos filmes, o simulador Star Tours. A empresa espera com essas estratégias, "florescer o trabalho da Lucasfilms por mais 35 anos."

A Disney informa que a aquisição foi inspirada nas compras milionárias feitas pela empresa, da Pixar, em 2006, e da Marvel, em 2009. Junto com a franquia de "Star Wars", a Disney também adquire as tecnologias de filmagem e exibição criadas pela empresa. Mas explica que os funcionários que trabalham nos estúdios, atualmente localizados em San Francisco, na Califórnia, assim como a presidente e produtora executiva Kathleen Kennedy, serão mantidos em seus locais de trabalho.

Em agosto de 2012, a Lucasfilms já tinha anunciado o relançamento de duas franquias da saga em 3D. "Guerra nas Estrelas: Episódio II - O Ataque dos Clones" chegará aos cinemas dos Estados Unidos em 3D no dia 20 de setembro do ano que vem, e sua continuação, "Guerra nas Estrelas: Episódio III - A Vingança dos Sith", estreará semanas mais tarde, no dia 11 de outubro.

Na época, o estúdio da Fox seria o responsável pela distribuição dos filmes depois da boa recepção que teve neste ano o lançamento no formato estereoscópico do primeiro capítulo da famosa saga, "Guerra nas Estrelas: Episódio I - A Ameaça Fantasma".

Essa versão arrecadou US$ 43,5 milhões nos EUA e US$ 59,3 milhões no resto do mundo, um número notável levando em conta que se trata de um filme que estreou originalmente em 1999, naquela ocasião em 2D.

Fonte: http://cinema.uol.com.br

segunda-feira

"Yoko Ono não foi responsável pela separação dos Beatles", diz Paul McCartney

DA EFE, EM LONDRES 

O cantor Paul McCartney considera que Yoko Ono não foi responsável pela separação dos Beatles, segundo reconhece em entrevista a uma rede de televisão que foi antecipada, neste domingo, pelo jornal britânico "The Observer". 

"A Yoko Ono, certamente, não foi responsável pelo fim do grupo. Não acho que podemos culpá-la de nada", afirma o cantor, de 70 anos, que assegura que John Lennon iria deixar a banda de qualquer jeito. 

Em entrevista de uma hora realizada pelo veterano jornalista David Frost para o canal "Al Jazeera", que deve ir ao ar em novembro, Paul McCartney assegura que Lennon nunca teria escrito "Imagine" se não fosse pela influência de Yoko Ono. 

"Quando Yoko apareceu, parte de seu atrativo foi seu lado mais vanguardista, sua visão das coisas. Ela mostrou a John uma forma diferente de ser, que ele achava muito atrativa. Por isso, era o momento de John seguir sua vida", assinala o cantor. 

Durante a entrevista, McCartney fala também da morte de sua mãe quando tinha apenas 14 anos e da morte de sua primeira mulher, Linda, além de sua experiência como pai e avô, o que qualificou como a parte mais "legal". 

O quarteto de Liverpool, considerado uma das melhores bandas da história e que gravou o primeiro single há 50 anos, se separou em 1970 e seus integrantes seguiram carreiras solo bem-sucedidas. 

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada

segunda-feira

FullMetal Alchemist (O Alquimista de Aço)



Assisti recentemente os 51 episódios da primeira versão do anime Fullmetal Alchemist. Não posso negar que o anime me interessou em algumas coisas, mas também me desagradou em outras tantas. No fim, noves fora, eu digo que gostei afinal. Mas, vamos por partes e compreender tudo at all.

Fullmetal Alchemist (O Alquimista de Aço) é uma série de mangá criada por Hiromu Arakawa e serializada na revista mensal Shonen Gangan desde Agosto de 2001. Recebeu uma adaptação para anime com 51 episódios pelo estúdio Bones, exibidos entre Outubro de 2003 e Outubro de 2004, e o longa-metragem Fullmetal Alchemist o Filme: O Conquistador de Shambala em Julho de 2005.

A história começa em uma pequena cidade do interior, chamada Resenbool, onde vivem os irmãos Edward e Alphonse Elric, filhos de Van Hohenheim (no mangá; Hohenheim da Luz no anime) e de Trisha Elric. Quando eram pequenos, o pai misteriosamente abandona a família. Algum tempo depois, Trisha acaba morrendo devido a uma doença antiga que nunca tratou. Desde então, Edward, o mais velho dos irmãos, passou a culpar o próprio pai pela morte da mãe. Arrasados com a morte de quem tanto amavam, tentam ressuscitá-la, utilizando uma técnica proibida da qual tomaram conhecimento lendo um dos livros que Hohenheim havia deixado em casa, sobre Alquimia. Diz a Alquimia que pode-se conseguir qualquer coisa, desde que se pague o que se deseja tanto com um valor equivalente. 


É a lei máxima da Alquimia, a "Troca Equivalente". Transmuta-se um objeto reorganizando e recombinando as substâncias químicas que compõem o objeto. Como um corpo humano é composto por diversos elementos químicos, em teoria, pode-se criá-lo misturando os elementos certos e em suas devidas proporções. Pondo esta teoria na prática, os irmãos utilizam a receita do livro para trazer a mãe de volta a vida, e, como último ingrediente, acrescentam uma gota seu de sangue, que carrega as lembranças genéticas da mãe. Assim, é quebrado o maior tabu da Alquimia: a Transmutação Humana. Entretanto, os irmãos conseguem reviver apenas o corpo da mãe, sem alma. E por terem praticado a transmutação humana, são levados até a Porta da Alquimia (o Portal), onde o preço do corpo da mãe é cobrado: Edward perde sua perna esquerda, enquanto seu irmão Alphonse perde todo o seu corpo. Edward então sacrificou o seu braço direito em troca da alma do seu irmão, que ele selou (utilizando um selo de sangue) em uma antiga armadura.

Edward usa Automails (próteses mecânicas) implantadas no lugar dos membros perdidos, então os irmãos Elric partem em busca da lendária Pedra Filosofal, a qual, reza a lenda, amplia os poderes de um alquimista e através dela, fazendo com que possam ignorar a lei da troca equivalente, de modo que eles poderiam de alguma forma, recuperar seus corpos. 


Porém, eles não são os únicos interessados no artefato, os Homunculus (seres humanos artificiais), também estão atrás da pedra (apenas neste primeiro anime). Para facilitar a sua busca, Edward entra para o exército, tornando-se um Alquimista Federal (por muitos denominados "cães do exército") com apenas 12 anos e passa a ser conhecido pela alcunha de Alquimista de Aço. Eles ainda cruzam o caminho de Scar, um sujeito de poderes misteriosos que busca se vingar de todos os Alquimistas Federais que encontra pela frente. Em sua jornada, os irmãos Elric descobrirão conspirações e ligações entre o exército e os homunculus.

No Brasil, a primeira série foi exibida no Animax desde 2005, e em 2006 no bloco TV Kids da RedeTV! dividindo o bloco com Hunter x Hunter e Super Campeões, em uma versão com censuras. Os DVDs são distribuídos pela Focus Films, enquanto o mangá é publicado pela Editora JBC.

Em Abril de 2009 começou a exibição de uma segunda adaptação de Fullmetal Alchemist que foi feita pelo mesmo estúdio que concebeu a versão anterior e se chama Fullmetal Alchemist Brotherhood. Foi encerrado em 4 de julho de 2010 contando com 64 episódios.

Alguns dos personagens principais: 


Edward Elric: Junto com seu irmão Alphonse são os protagonistas. Edward torna-se um Alquimista Federal com apenas 12 anos e fica conhecido por todo o país sob a alcunha de o Alquimista de Aço (Fullmetal Alchemist) – nome recebido devido ás proteses mecânicas (automails) que usa por ter perdido seu braço direito e sua perna esquerda. Além disso, Edward usa a alquimia sem precisar fazer círculos de transmutação. Ele também pratica artes marciais sempre que pode, mas costumeiramente perde na briga para seu irmão caçula. Tem como objetivo recuperar o corpo humano de Alphonse e seu braço e sua perna. Para isso, busca com todas as suas forças a Pedra Filosofal. Se irrita facilmente, principalmente quando o chamam de baixinho. Apesar da pouca estatura e do grande senso de humor (as vezes sarcástico), ele é muito persistente e honra sua palavra e seus valores.E sempre protege seu irmão.
Alphonse Elric: Irmão mais novo de Edward. Teve sua alma fixada em uma armadura e por isso é sempre confundido com o Alquimista de Aço. Também por ter sua alma fixada em uma armadura, Alphonse tem uma imensa força física e nunca se cansa. Com um coração muito generoso, é a pessoa que melhor entende o que se passa na cabeça de Edward.
Winry Rockbell: A protética de Edward, conhece os irmãos Elric desde criança. Ela ama mecânica e por isso mesmo se empenha em fazer próteses cada vez melhores, já é conhecida em sua cidade como a mais jovem e bela protética de todos os tempos. Winry perdeu o pai e a mãe em um guerra quando ainda era muito criança e desde então foi criada por sua avó Pinako Rockbell.
Lust (Luxúria): É um homúnculo que tem o poder de alongar suas unhas e usá-los como armas poderosas. Misteriosa e sedutora, ela também está em busca de seu objetivo e elimina friamente qualquer obstáculo que possa atrapalhá-la.Foi morta por Roy Mustang.
Gluttony (Gula): Apesar de ter uma mente infantil, é um homúnculo muito forte que tem como prioridade saciar o seu apetite. Todas as suas ações estão conectadas com a sua vontade de comer. Gluttony está sempre ao lado de Lust e é totalmente leal a ela. No mangá, foi absorvido por Pride.
Envy (Inveja): É um homúnculo frio, sarcástico, impaciente e piadista. Possui a habilidade de se transformar em diferentes animais e pessoas. No mangá, cometeu suicídio após ter sido derrotado por Roy Mustang.
Wrath (Ira): No mangá, Wrath é King Bradley, o líder do exército e da ditadura.Morreu após ser derrotado por Scar.
Greed (Ganância): Muito cobiçoso, não gosta de seguir as ordens de ninguém, preferindo trabalhar por conta própria. Seu objetivo é simplesmente ter tudo: mulheres, dinheiro, poder, servos, etc. Seu poder é o escudo máximo, uma pele de carbono. Após a morte. Um novo Greed é criado no corpo de Ling Yao.Este se sacrifica para destruir o Pai dos Homunculus.
Sloth (Preguiça): Como Wrath, Sloth são duas pessoas diferentes. No mangá, Sloth é o mais forte (fisicamente) e também o mais rápido homunculus, a ponto de não conseguir controlar a sua própria velocidade. Foi encarregado de construir o círculo de transmutação em torno de Amestris.Foi derrotado por Izumi Curtis,Olivier Armstrong,Alex Armstrong e Sig Curtis
Pride (Orgulho): No mangá, Pride é Selim Bradley, filho adotivo de King Bradley. Pride na verdade é um homunculus não-humanóide, e Selim Bradley é apenas o seu recipiente. Sua forma verdadeira pode andar apenas pela Central e pelo túnel construído por Sloth, e sua aparência é idêntica à forma original do Pai dos Homunculus. É o mais poderoso e o mais velho de todos.

Roy Mustang: O Alquimista das Chamas (Flame Alchemist) é o coronel encarregado do Quartel-General do Leste. Seu grande objetivo é subir na hierarquia do exército e, para isso, conta com a ajuda de seu amigo Maes Hughes e de seus subordinados. Também trata com frieza Edward, apesar de gostar muito do rapaz, ele se esforça para testar o pequeno Elric, para ajudar o garoto a melhorar suas habilidades.
Riza Hawkeye: É o braço direito de Mustang, daria sua vida em troca de sua proteção, é uma exímia atiradora. Sua meta é proteger o Alquimista das Chamas haja o que houver pois jura lealdade a ele.Sempre anda com três armas.
Alex Louis Armstrong: É o Alquimista de Braços Poderosos. Apesar de seu tamanho e força, é muito sentimental. Ele sempre se vangloria de seus músculos e traços de suas gerações passadas.
Maes Hughes: É o tenente-coronel encarregado do Departamento de Investigações. Sua família é a coisa mais importante de sua vida e, por isso, vive se gabando de sua linda filhinha Elisia. É grande amigo de Roy Mustang. Um dos episódios considerados mais tristes é o de sua morte. Maes Hughes foi morto por Envy disfarçado de Gracia, mulher de Hughes.
Basque Grand: É o Alquimista do Sangue de Ferro (Iron Blood Alchemist) é o General encarregado do Leste. Seu grande objetivo é possuir a pedra filosofal e criar um exército de Quimeras.
Scar: É um dos sobreviventes do povo de Ishbal e persegue os Alquimistas Federais para se vingar da tragédia que viveu. Sua arma é o seu braço direito, que tem o poder de destruir qualquer coisa que toca. Seu passado é um mistério a ser desvendado.
Jean Havoc, Heymans Breda, Vato Falman, Kain Fuery: Fazem parte da equipe comandada pelo coronel Roy Mustang. Foram encarregados no anime para seguir o general Roy mustang em suas missões e trabalham no quartel general do leste com Roy.

E precisamente acima estão os principais motivos para se gostar do anime. Os personagens e suas personalidades. Armstrong é hilário. Os irmãos Elric, Roy Mustang e Scar e os homúnculos têm uma dose de humanidade, pieguice, e grandes momentos até bem dosada. Outro ponto positivo é o tema em si: Alquimia! 




Troca equivalente (não exatamente um questão alquímica), pedra filosofal, homúnculos…quem leu um pouco a respeito percebe que a trama teve o mérito de levar o assunto ao interesse de um novo público, com muitas liberdades criativas, digamos, mas o tema está lá, e quanto as implicações de ser um mundo alternativo ao nosso com alguns dos personagens interagindo com o cenário da II grande guerra é não apenas interessante, mas muito rico em possibilidades.

Bem que eu poderia ficar sem os digamos “momentos humorísticos” tudo aquilo de gritos, exageros e outras tolices que são instrumentos até típicos da linguagem anime, mas que eu não gosto. E os desenhos também não entusiasmam em momento algum. Pena. Por outro lado tenho que aplaudir a coragem do autor por fazer algumas tramas densas, sombrias mesmo. Fato que levou a uma versão com cortes na TV aberta.


Portanto, no final das contas, temos um tema dos mais interessantes, com personagens que acabam nos conquistando e algumas belas tramas. Nada mal para os dias atuais. Vale conferir..

quinta-feira

Memórias e Música - Saturday Morning Cartoons Greatests Hits





Este post embora esteja na Panacéia da Musical interessa também a Panacéia da TV. Trata-se do CD “Saturday Morning Cartoons Greatest Hits", lançado em 1995. Este trabalho é um projeto muito interessante e dos mais divertidos que ouvi. Foi um hit para os nerds da época.

Trata-se de uma homenagem em forma de música para um programa matinal norte-americano que se dedicava a passar desenhos animados. Para lembrar o programa, diversas bandas gravaram versões de temas de seus desenhos favoritos, como Scooby-Doo, Speed Racer, Homem-Aranha, Popeye, Jetsons...

Para, nós, tupiniquins, o CD não é menos divertido já que muitos dos desenhos norte-americanos fizeram a nossa infância também. Ouvir The Banana Splits com Liz Phair foi hilário e nostálgico demais, porque em idos de novecinco, só havia escutado aquelas canções vez ou outra no TOP TV (A salvação nerd da telinha), assim como os Ramones com Spider Man que gosto muito.

Todas as faixas na verdade valem a pena, é para se ouvir sem parar. Até hoje, um dos meus CDs favoritos que sempre remetem a nostalgia feliz de um tempo em que a TV fazia sua infância valer a pena.

Seja como for, vale a pena conhecer e se divertir!..



As Faixas:

1. Liz Phair with Material Issue - The Tra La La Song (from The Banana Splits)
2. Sponge - Go Speed Racer Go
3. Mary Lou Lord with Semisonic - Sugar Sugar (from The Archies)
4. Matthew Sweet - Scooby-Doo, Where Are You?
5. Juliana Hatfield and Tanya Donelly - Josie and the Pussycats
6. Collective Soul - The Bugaloos
7. Butthole Surfers - Underdog
8. Helmet - Gigantor
9. Ramones - Spider-Man
10. Reverend Horton Heat - Jonny Quest/Stop That Pigeon
11. Frente! - Open Up Your Heart and Let the Sun Shine In (from The Flintstones)
12. Violent Femmes - Eep Opp Ork Ah-Ah (Means I Love You) (from The Jetsons)
13. Dig - Fat Albert Theme
14. face to face - I'm Popeye the Sailor Man
15. Tripping Daisy - Friends/Sigmund and the Seamonsters
16. Toadies - Goolie Get-Together (from The Groovie Goolies)
17. Sublime - Hong Kong Phooey
18. The Murmers - H.R. Pufnstuf
19. Wax - Happy, Happy, Joy, Joy (from The Ren and Stimpy Show)

terça-feira

As 10 maiores bilheterias da história do cinema

10°
Star Wars: Episodio 1 – A ameaça fantasma (1999)


Piratas do Caribe: Navegando em Águas Misteriosas (2011)



Toy Story 3 (2010)


 7°
Piratas do Caribe: O Baú da Morte (2006)

O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei (2003)


Transformers: O Lado Oculto da Lua (2011)


Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2 (2011)


Os vingadores (2012)


Titanic (1997)

Avatar.. (2009)

segunda-feira

Paracelso





Phillipus Aureolus Theophrastus Bombastus von Hohenheim, mais conhecido como Paracelso, nasceu em Einsiedeln, na Suíça. Foi um excelente médico, filósofo, químico e naturalista. Seu pai, Guilherme Bombast, era um descendente da antiga família Bombast, parente do Grão-Mestre dos Cavaleiros da Ordem de São João.

A fama de Paracelso aumentou rapidamente, mas em 1528, ele teve que deixar a cidade de Basiléia, onde ensinava, devido às hostilidades causadas por suas particulares concepções astrológicas e mágicas, sulcadas por um misticismo e por uma intuição científica, sendo para aquela época, realmente extraordinária.

Paracelso deixou-nos uma grande quantidade de escritos, que merecem uma leitura atenta por parte dos leitores que pretendem aproximar-se da arte mágica. Seu país natal é contínua meta de peregrinações. Segundo uma tradição, o corpo astral do filósofo, que já durante a existência física tornou-se consciente de si e independente, continua a viver em uma localidade secreta da Ásia, o mítico Centro Iniciático de Agartha.


Seu pseudônimo significa "superior a Celso (médico romano)". Entre todas as figuras erráticas do renascimento, a de Paracelso está pontada pela agitação da sua vida e pela a incoerência das suas opiniões e doutrinas. No estudo da sua biografia, fato tem sido gradualmente separado da fantasia, mas nenhum acordo foi alcançado no que respeita bem quanto à natureza e sentido de seu ensino. Ele é considerado por muitos como um reformador do medicamento. Outros elogiam suas realizações em Química e como fundador da Bioquímica. Ele aparece entre cientistas e reformadores como Andreas Vesalius, Nicolau Copérnico e Georgius Agricola, e, portanto, é visto como um moderno. Por outro lado, sempre possuiu uma aura de místico e até mesmo obscura reputação de mágico.

Paracelso, quando jovem, já instruido pelo pai, foi enviado aos cuidados dos monges do mosteiro de Santo André, na Savônia. Lá ele aprendeu sob a tutela dos monges e dos bispos Mathias Scheydt, de Rottgac e Mathias Schacht, de Freisingen e, especialmente de Eberhardt Baumgartner, tido como um dos alquimistas mais notáveis da época. Tendo concluido os estudos, e já no seu décimo sexto ano de permanência no mosteiro, ele foi enviado à Universidade de Basel e logo a seguir, foi instruído pelo abade de St. Jacob (Spanheim), em Wurzburgo, um dos grandes e célebres intelectuais da época, de nome Johann Trithemius.

Paracelso foi um astrólogo, assim como muitos (se não todos) dos físicos europeus da época. A Astrologia foi uma parte muito importante da Medicina de Paracelso. Em um de seus livros, ele reservou várias seções para explicar o uso de talismãs astrológicos na cura de doenças. Criou e produziu talismãs para várias enfermidades, assim como talismãs para cada signo do Zodíaco. Ele também inventou um alfabeto chamado "Alfabeto dos Reis Magos" e esculpiu nos talismãs nomes angelicais.
Visão e doutrina

A distinta natureza da filosofia de Paracelso é conseqüência da visão cosmológica, teológica, filosofia natural e medicina à luz de analogias e correspondências entre macrocosmos e microcosmos. As especulações acerca dessas analogias tinham seriamente empenhado a mente humana desde o tempo pré-Socrático e Platônico e durante toda a Idade Média. Paracelso foi o primeiro a aplicar essas especulações para o conhecimento da natureza sistemática.


Isso associado com a singular posição que ele assume no que diz respeito à teoria e à prática de aquisição de conhecimentos em geral, quebrou longe do ordinário lógico, antigo e medieval e moderno, seguindo as suas próprias linhas, e é nisto que muito do seu trabalho naturalista encontra explicação e motivação.

Segundo Paracelso, se o homem, o clímax da criação, une em si mesmo todos os componentes do mundo em torno dele como minerais, plantas, animais e corpos celestes, ele pode adquirir conhecimento da natureza de modo muito mais direto e "interno" do que a forma externa de consideração dos objetos pela mente racional.

O que é necessário é um ato de atração simpática entre o interior representativo de um determinado objeto, na própria constituição do homem e o seu homólogo externo. A união com o objeto é então o soberano meio de adquirir conhecimento íntimo e total. Esta não é alcançada pelo cérebro, a sede da mente racional. E é num nível mais profundo, à pessoa como um todo, que é dado o conhecimento.

É o seu corpo astral que ensina o homem. Por meio do seu corpo astral o homem comunica com a supraelementrariedade do mundo astral. Astrum é o contexto que denota não só o corpo celestial, mas a virtude ou atividade essencial de qualquer objeto. Isto, no entanto não é atingido num estado racional de pensamento, mas sim em sonhos e transes fortificados por força de vontade e imaginação.

O que parece ser original em Paracelso, então, não é a teoria microcósmica em si mesma, nem a busca da união com o objeto, mas o emprego consistente desses conceitos como a ampla base de um elaborado sistema de correspondências na filosofia e medicina natural.

Durante a Renascença, o grande alquimista, considerado fundador da medicina moderna, Paracelso, desenvolveu vários medicamentos, altamente bem-sucedidos, partindo de minerais metálicos incluindo ouro. Um dos maiores alquimistas/químicos de todos os tempos, fundou a escola de Iatroquímica, a química da medicina, a qual é precursora da farmacologia.

Paracelso voltou para Salzburgo em 1540, convidado pelo bispo da cidade. Faleceu em 24 de setembro de 1541 com apenas 47 anos, em um hospital, sonhando ter fabricado o Elixir da Vida. A causa de sua morte não foi esclarecida. Uma hipótese é que teria sido assassinato em 1541, como foi evidenciado na exumação de seus ossos, que mostrou uma fratura no crânio. O corpo foi velado na igreja de São Sebastião e, de acordo com o seu último desejo, foram entoados os salmos bíblicos 1, 7 e 30.

A fama de Paracelso aumentou com as suas curas milagrosas e, após sua morte, a sua fama cresceu ainda mais. Um século depois, centenas de textos paracelsianos foram publicados, referindo-se quase todos a medicamentos químicos. No final do século XVI, existia já uma imensa literatura sobre a nova matéria médica. 


Devido ao fato de a abordagem médica de Paracelso diferir tanto daquilo que era aceitável até então, estabeleceu-se uma enorme confrontação entre os paracelsianos e o sistema médico oficial em vigor até então, confrontação aguçada pelo impacto provocado pelos humanistas, que desdenhavam das obras de Dioscorides e de Plínio, ambos muito populares no final da Idade Média, e enalteciam trabalhos menos conhecidos, especialmente os tratados de fisiologia e anatomia de Galeno. Muitos médicos seguidores de Paracelso eram alemães; na França, a confrontação foi mais agravada pelo fato de muitos médicos paracelsianos serem huguenotes (protestantes, partidários de Calvino); na Inglaterra, tal confrontação foi menos tempestuosa, tendo sido adotados os medicamentos químicos, que eram utilizados simultaneamente com medicamentos tradicionais galênicos..

Fonte: Sites diversos e Wikipédia

sexta-feira

Cornélio Agrippa





Trata-se de um dos magos mais famosos. Contemporâneo de Paracelso, Agrippa estudou as obras dos místicos judeus sobre a Cabala na Universidade de Praga. Partindo dos textos caldeus, árabes e gregos, remontou às origens da disciplina mágica, aventurando-se nos segredos mais tenebrosos dessa fascinante arte. Suas obras são até hoje conhecidas por todos os iniciados e pelos estudiosos da magia, sendo particularmente útil "A filosofia oculta ou a magia".

Foi um intelectual polemista e influente escritor do esoterismo da Renascença. Interessou-se pela magia, ocultismo, alquimia, astrologia e demais curiosidades esotéricas. Pelo que deixou escrito, é considerado o primeiro intelectual feminista. Esteve ao serviço de Maximiliano I devotando o seu tempo ao estudo das ciências ocultas. Foi citado por Mary Shelley em Frankenstein, e no conto O Mortal Imortal surge como uma das personagens.

Cornelius Agrippa foi o autor do livro mais abrangente e mais conhecido sobre magia e todas as artes ocultas: De occulta philosophia libri tres / Três Livros de Filosofia Oculta. Mais para o fim da sua vida voltou-se contra as curiosidades e práticas esotéricas, mas também contra as mais respeitáveis e estabelecidas formas de conhecimento científico: De incertitudine et scientiarum vanitate et Artium, atque Excellentia Verbi Dei, declamatio invectiva. Uma declamação invectiva sobre a incerteza e vanglória das ciências, 1526. Proclamou-se a favor do cepticismo e da simples devoção fideísta. Em 1529 escreve: De Nobilitate e Praecellentia Foeminei Sexus, onde argumenta que o sexo feminino é superior e não meramente igual ao masculino.

Em seu próprio século, foi muitas vezes denunciado como perigoso e herético. De occulta philosophia foi muito lida por estudantes dos mais recônditos e menos respeitáveis ramos da filosofia natural e ciências ocultas. Alguns deles buscaram alternativas para a filosofia aristotélica natural ensinada nas universidades. Outros procuraram caminhos menos convencionais, como o sucesso em operações alquímicas ou a capacidade de usar segredos mágicos para controlar tanto o mundo natural como o mundo dos espíritos. É intrigante como este autor assumiu posições tão antagónicas. Inicialmente muito crédulo em relação à magia, alquimia e astrologia, e posteriormente um grande céptico, incluindo em relação ao seu próprio trabalho mágico.

Cornelius Agrippa fornece uma demonstração clara da grande agitação intelectual que se tinha apoderado dos humanistas da Renascença, ao recuperarem as obras dos antigos. Isto incluía não apenas os autores clássicos considerados "respeitáveis" pelos modernos, mas também um vasto corpo de antigos (ou pseudo-antigos) textos que alegadamente ofereciam a sabedoria das origens, de uma alegada civilização humana chamada prisca theologia. Eram textos herméticos do antigo Egito, Oráculos Caldeus, escritos de Zaratustra, ensinamentos atribuídos a Pitágoras e supostamente repassado dele para Platão e seus seguidores. Agrippa foi um dos principais especialistas de seu século sobre este tipo espiritual e teosófico da sabedoria antiga..


Fonte: Sites diversos e Wikipédia

Alberto Magno





Alberto Von Bollstadt, frade dominicano, filósofo e doutor da Igreja , santificado em 1931, estudou em Pádua, ensinou em Paris e em Colônia, onde dirigiu durante muitos anos o Studium Geral da Ordem Dominicana. Era muito culto, conhecia o hebraico e o árabe, estudava astronomia, filosofia, ciências naturais e teve o indiscutível mérito de introduzir o pensamento de Aristóteles na cultura de seu tempo e de fundar o aristotelismo cristão. Escreveu diversas obras de magia que se tornaram populares: "O Grande Alberto" e "O Pequeno Alberto", que continuam sendo úteis para alguns ensinamentos, no que diz respeito à adivinhação e às correspondências mágicas.

Bispo de Regensburgo e Doutor da Igreja tornou-se famoso por seu vasto conhecimento e por sua defesa da coexistência pacífica da ciência e da religião. É considerado o maior filósofo e teólogo alemão da Idade Média e foi o primeiro intelectual medieval a aplicar a filosofia de Aristóteles no pensamento cristão.

Nasceu na Baviera, possivelmente no ano de 1193 ou 1206, numa família militar que desejava para ele uma carreira militar ou administrativa. Mas, após concluir os seus estudos em Pádua e em Paris, optou por seguir o sacerdócio, entrando na Ordem de São Domingos. Devido à sua crescente fé em Deus e em Jesus Cristo e à sua dedicação à Ordem, foi promovido a superior provincial e mais tarde, nomeado Bispo pelo Papa.

Alberto dominava bem a Filosofia e a Teologia, matérias em que teve Tomás de Aquino como discípulo, e mostrou também grande interesse pelas ciências naturais, ao ponto de dispensar o episcopado, com a autorização papal, para prosseguir os seus estudos com tranquilidade. Ocupou-se de várias áreas de conhecimento - mecânica, zoologia, botânica, meteorologia, agricultura, física, química, tecelagem, navegação e mineralogia - inserindo esses conhecimentos na sua busca da santidade e do equilíbrio entre fé e razão, afirmando que sua intenção última era conhecer a ciência de Deus. Sua obra escrita está contida em 22 grossos volumes.

Morreu em Colónia, no ano de 1280, proclamado Doutor da Igreja e patrono dos cultores das ciências naturais..

Fonte: Sites da Internet e Wikipédia

quarta-feira

Alexandre, o Grande








Alexandre III da Macedônia, dito o Grande ou Magno foi um príncipe e rei da Macedônia, e um dos três filhos do rei Filipe II e de Olímpia do Épiro – uma fiel e ardente mística do deus grego Dioniso. Alexandre foi o mais célebre conquistador do mundo antigo. Em sua juventude, teve como preceptor o filósofo Aristóteles. Tornou-se o rei aos vinte anos, na seqüência do assassinato do seu pai.
A sua carreira é sobejamente conhecida: conquistou um império que ia dos Balcãs à Índia, incluindo também o Egito e a Báctria (aproximadamente o atual Afeganistão). Este império era o maior e mais rico que já tinha existido. Existem várias razões para esses grandes êxitos militares, um deles é que Alexandre era um general de extraordinária habilidade e sagacidade, talvez o melhor de todos os tempos, pois ele nunca perdeu nenhuma batalha e a expansão territorial que ele proporcionou é uma das maiores da história, a maior expansão territorial em um período bem curto de tempo. Além disso era um homem de muita coragem pessoal e de reconhecida sorte.

Ele herdou um reino que fora organizado com punho de ferro pelo pai, que tivera de lutar contra uma nobreza turbulenta que freqüentemente reclamava por mais privilégios, as ligas lideradas por Atenas, e Tebas (a batalha de Queronéia representa o fim da democracia ateniense e por arrastamento das outras cidades gregas e de uma certa concepção de liberdade), revolucionando a arte da guerra. A sua personalidade é considerada de formas diferentes segundo a percepção de quem o examina: por um lado, homem de visão, extremamente inteligente, tentando criar uma síntese entre o oriente e ocidente (encorajou o casamento entre oficiais seus e mulheres persas, além de utilizar persas ao seu serviço), respeitador dos derrotados (acolheu bem a família de Dario III e permitiu às cidades dominadas a manutenção de governantes, religião, língua e costumes) e admirador das ciências e das artes (fundou, entre algumas dezenas de cidades homônimas, Alexandria, que viria a se tornar o maior centro cultural, científico e econômico da Antiguidade por mais de trezentos anos, até ser substituída por Roma); por outro lado, profundamente instável e sanguinário (as destruições das cidades de Tebas e Persepólis, os assassinatos de Clito e de Parménio, dois de seus melhores generais, a sua ligação com um eunuco), limitando-se a usar o pessoal de valor que tinha à sua volta em proveito próprio.

 

De qualquer modo, fez o que pôde para expandir o helenismo: criou cidades com o seu nome com os seus veteranos feridos por todo o território e deu nome para cidade homenageando seu inseparável e famoso cavalo Bucéfalo. Abafou uma rebelião de cidades gregas sob o domínio macedônio e preparou-se para conquistar a Pérsia. Em 334 a.C. empreendeu sua primeira campanha contra os persas na Batalha de Granico que deu-lhe o controle da Ásia Menor (atual Turquia). No ano seguinte, derrotou o rei Dario III da Pérsia na Batalha de Issus. Mais um ano depois, conquistou o Egipto e Tiro, em 331 a.C. Completou a conquista da Pérsia na Batalha de Gaugamela, onde derrotou definitivamente Dario III, o que lhe conferiu o estatuto de Imperador Persa.

A tendência de fusão da cultura dos macedônios com a grega provocou nestes temor quanto a um excessivo afastamento dos ideais helênicos por parte de seu monarca. Todavia, nada impediu Alexandre de continuar seu projeto imperialista em direção ao oriente. Durante cerca de dois anos Alexandre manteve-se ocupado em várias campanhas de curta duração para a consolidação do seu império. Mas, em 327 a.C., conduzindo as suas tropas por cima das montanhas Hindu Kush para o vale do rio Indo, para conquistar a Índia, país mítico para os gregos, foi forçado a regressar à Babilônia devido ao cansaço das suas tropas, e instalaria aí a capital do seu império. Deixou atrás de si novas colônias, como Nicéia e Bucéfala, esta erigida em memória de seu cavalo, às margens do rio Hidaspes. Ele tinha a intenção de fazer ainda mais conquistas. Sabe-se que planejava invadir a Arábia e, provavelmente, as regiões ao norte do Império Persa. Poderia também ter planejado outra invasão da Índia ou a conquista de Roma, Cartago e do Mediterrâneo ocidental. Infelizmente nenhuma das fontes contemporâneas sobreviveu (Calístenes e Ptolomeu), nem sequer das gerações posteriores: apenas possuímos textos do século I que usaram fontes que copiaram os textos originais, de modo que muitos dos pormenores da sua vida são bastante discutíveis.

Alexandre morreu depois de doze anos de constante campanha militar, sem completar os trinta e três anos, possivelmente como resultado de malária, envenenamento, febre tifóide, encefalite virótica ou em conseqüência de alcoolismo.Com a sua morte, os seus generais repartiram o seu império e a sua família acabou por ser exterminada. Os Epígonos iriam gastar gerações seguidas em conflitos. Apenas Seleuco esteve prestes a reunificar o império por um curto espaço de tempo. Os seus sucessores fizeram o que puderam para manter o helenismo vivo: gregos e macedônios foram encorajados a emigrar para as novas cidades. Alexandria no Egito teve um destino brilhante devido aos cuidados dos ptolomaicos (o Egito, apesar da sua monumentalidade, nunca possuíra grandes metrópoles): tornou-se um porto internacional, um centro financeiro e um foco de cultura graças à biblioteca; mas outras cidades como Antioquia, Selêucida do Tigre e Éfeso também brilharam. Reinos no oriente, como os greco-bactrianos (Afeganistão) e greco-indianos, expandiram o helenismo geograficamente mais do que Alexandre o fizera. Quando os partas (um povo indo-europeu aparentado com os citas) ocuparam a Pérsia, esses reinos subsistiram até ao século I a.C., com as ligações cortadas ao ocidente..



Nó Górdio
Conta-se que o rei da Frígia (Ásia Menor) morreu sem deixar herdeiro e que, ao ser consultado, o Oráculo anunciou que o sucessor chegaria à cidade num carro de bois. A profecia foi cumprida por um camponês, de nome Górdio, que foi coroado. Para não se esquecer de seu passado humilde ele colocou a carroça, com a qual ganhou a coroa, no templo de Zeus. E a amarrou com um nó a uma coluna, nó este impossível de desatar e que por isso ficou famoso..

Górdio reinou por muito tempo e quando morreu, seu filho Midas assumiu o trono. Midas expandiu o império, porém, ao falecer não deixou herdeiros. O Oráculo foi ouvido novamente e declarou que quem desatasse o nó de Górdio dominaria toda a Ásia Menor. O único motivo de fama de Frigia se residia nesta carroça especial estacionada em um dos pátios. A carroça estava presa a uma canga pelo nó górdio. Durante mais de 100 anos, o nó górdio desafiara todos os esforços de inteligentes reis e guerreiros.

Até que em 334 a.C Alexandre, o Grande, ouviu essa lenda ao passar pela Frígia. Intrigado com a questão foi até o templo de Zeus observar o feito de Górdio. No dia designado, o pátio encheu-se de curiosos. Todos haviam falhado, pensavam, e dessa forma, com que novo método poderia Alexandre ter êxito ?

Após muito analisar, desembainhou sua espada e cortou o nó facilmente em dois, desatando-o. Lenda ou não o fato é que Alexandre se tornou senhor de toda a Ásia Menor poucos anos depois..

terça-feira

Canto gregoriano





O canto gregoriano é um gênero de música vocal monofônica, monódica (só uma melodia), não acompanhada, ou acompanhada apenas pela repetição da voz principal com o organum, com o ritmo livre e não medido, utilizada pelo ritual da liturgia católica romana, a idéia central do cantochão ocidental..

As características foram herdadas dos salmos judaicos, assim como dos modos (ou escalas, mais modernamente) gregos, que no século VI foram selecionados e adaptados por Gregório Magno para serem utilizados nas celebrações religiosas da Igreja Católica.

Somente este tipo de prática musical podia ser utilizada na liturgia ou outros ofícios católicos. Só nos finais da Idade Média é que a polifonia (harmonia obtida com mais de uma linha melódica em contraponto) começa a ser introduzida nos ofícios da cristandade de então, e a coexistir com a prática do canto gregoriano.

Desde seu surgimento que a música cristã foi uma oração cantada, que devia realizar-se não de forma puramente material, mas com devoção ou, como dizia Paulo (Apóstolo): "cantando a Deus em vosso coração". O texto era, pois, a razão de ser do Canto Gregoriano. Na verdade, o canto do texto se baseia no princípio - segundo Santo Agostinho - de que "quem canta ora duas vezes".

O canto Gregoriano jamais poderá ser entendido sem o texto, o qual tem primazia sobre a melodia, e é quem dá sentido a esta. Por isso, ao interpretá-lo, os cantores devem haver compreendido bem o sentido dele. Em conseqüência, deve-se evitar qualquer impostação de voz de tipo operístico, em que se busca o destaque do intérprete.

Deste canto procedem os modos gregorianos, que dão base à música ocidental. Deles vêm os modos maior (jônio) e menor (eólico), e outros cinco, menos conhecidos (dórico, frígio, lídio, mixolídio e ló)..

segunda-feira

Estudos da Biblioteca de Alexandria




Matemática
A matemática Alexandrina se preocupava a maior parte com geometria, mas sabemos de alguma pesquisa especifica em teoria numérica. Números primos eram uma fonte de fascinação no tempo dos Pitagoreanos.

Eudoxis de Cnidus, pupilo de Euclides, provavelmente trabalhou fora de Alexandria e é conhecido por desenvolver um método de integração, estudou o uso de proporções para resolver problemas e contribuiu com varias formulas para medir figuras em três dimensões. Pappus foi um dos últimos matemáticos gregos, se concentrou em números grandes e semicírculos, e também foi um importante transmissor para a cultura européia da astrologia descoberta de fontes orientais. Theon e sua filha Apatia também continuaram o trabalho em astronomia, geometria e matemática, construindo o trabalho de seus predecessores, mas infelizmente nenhum de seus trabalhos sobreviveu.

Astronomia
Astronomia não era meramente uma projeção de uma terceira dimensão numa Quarta, mesmo sendo assim que muitos cientistas gregos a classificaram. O movimento das estrelas e do sol eram essenciais para determinar posições terrestres, já que eles proviam pontos universais de referencia. No Egito, isso era particularmente vital para os direitos de propriedade, porque a indução anual do Nilo com freqüência alterava as marcas físicas no terreno e os limites entre os campos. Para Alexandria, da qual sobrevivia de exportar grãos e papiro para o resto do mediterrâneo, o desenvolvimento em astronomia possibilitou uma grande ajuda aos navegadores. Astrônomos gregos antigos concentraram-se em modelos teóricos do universo; Alexandrinos pegaram o trabalho de detalhar as observações e analisar a matemática envolvida em todas essas idéias.

Mapas do Céu
Erastóstenes, o versátil terceiro bibliotecário, juntou um catalogo completo de 44 constelações junto com seus devidos mitos, assim como uma lista de 475 estrelas fixas. Hipparchus ganhou o credito de inventar a longitude e latitude, importando o sistema circular de 360 graus da Babilônia, calculando o comprimento do ano dentro de uma precisão de 6 minutos, juntando um mapa estelar de constelações e estrelas e especulando que elas, as estrelas, tinham tanto nascimento como morte.

Esquemas do Universo
Aristarco aplicou trigonometria Alexandrina para estimar as distancias e tamanhos do céu e da lua, e também postulou um universo heliocêntrico, com o sol no centro do universo. Um colega sábio do Museu, Stoico Clinatos, acusou-o de blasfemador. Hipparchus de Bithynia, durante o reino de Ptolomeu VII, descobriu e mediu o procedimento de equinócios, e a trajetória do sol e da lua. 300 anos depois, Ptolomeu (sem relação nenhuma com a realeza egípcia) criou matematicamente seu elegante sistema de epicirculos para dar razão a geocentricidade da visão Aristoteliana, e escreveu um tratado de astrologia, ambos que depois se tornariam no paradigma medieval.

Geometria
Os alexandrinos juntaram muitos princípios geométricos de antigos matemáticos gregos, e também tinha acesso a conhecimentos egípcios e babilônicos no assunto. Esta é uma das áreas nas quais o museu se excedia, produzindo sua porção de grandes geomatros, desde sua criação. É dito que Demetrius convidou Euclides para Alexandria, e sua obra “Elementos” é conhecida como os fundamentos da geometria. Seus sucessores, notavelmente Apolônio, continuaram a pesquisa em formas cônicas, assim como Hipparchus.

Erastotenes e a Geometria Esférica: Calculando a Circunferência da Terra
O terceiro bibliotecário de Alexandria, Erastóstenes (275-194 AC), calculou a circunferência da terra com uma diferença de apenas 1%, baseado na medida da distancia entre Aswan ate Alexandria e a fração de todo o arco determinado pela diferença do comprimento da sombra ao meio dia nesses dois locais. Ele ainda sugeriu que os mares estariam conectados, que a África poderia ser circum-navegada e que a “Índia poderia ser alcançada navegando oeste da Espanha”. Finalmente, provavelmente sobre desenhos do Egito e do Oriente Médio, ele deduziu o comprimento do ano em 365 e ¼ dias e foi o primeiro a sugerir a idéia de adicionar um “dia a mais” a cada quatro anos.

Mecânica: Ciencia Aplicada
Arquimedes, o descobridor do numero pi, foi um dos primeiro sábios Alexandrinos a aplicar as teorias de movimento de geomatros e astrônomos em aparatos mecânicos. Entre as suas descobertas estão a alavanca e, como uma extensão do mesmo principio, o “parafuso de Arquimedes”, uma ferramenta para levantar água. Ele também é a figura da lenda do cientista levantando de sua banheira com o grito de “Eureka” depois de descobrir que a água é tirada de seu local com a imersão de objetos nela.

A hidráulica foi uma ciência que nasceu em Alexandria, da qual era o principio atrás do “Herói Pneumático”, um longo trabalho descrevendo muitas maquinas e “robôs” simulando ações humanas. A distinção entre a pratica e a teoria provavelmente não ocorreu a ele durante seus experimentos, que incluíam estatuas que misturavam drinques, bebiam e cantavam (através de ar comprimido). Ele também inventou o órgão de cano que mais tarde seriam usados nos “Banhos Romanos”, uma lâmpada que se auto-ajustava.

Medicina
O estudo de anatomia, que tem sua origem em Aristóteles foi conduzido extensivamente por muitos Alexandrinos, que provavelmente tinham a vantagem dos belos jardins e espécies de animais da biblioteca, alem da pratica Egípcia de mumificação. Um dos primeiros estudiosos dessa ciência, Herophilus, coletou e juntou o “Hippocratic corpus”, e embarcou em estudos próprios. Ele foi um dos primeiros a distinguir o cérebro e o sistema nervoso como uma unidade, assim como a função do coração, da circulação do sangue e provavelmente de vários outros órgãos e suas funções. Seu sucessor, Eristratos, se concentrou no sistema digestivo e os efeitos da nutrição, e postulou que os alimentos assim como os nervos e o cérebro influenciam em doenças mentais. Finalmente, no segundo século AC, Galen fez em Alexandria vastas e inúmeras pesquisas e junto com suas próprias pesquisas compilou quinze livros anatomia e a arte da medicina.

Conclusão
O Museu de Alexandria foi fundado num lugar e tempo únicos que possibilitaram seus sábios a criar sobre as técnicas dedutivas de Aristóteles e do conhecimento grego em ordem de aplicar esses métodos no conhecimento da Grécia, Egito, Macedônia, Babilônia e alem. A localização de Alexandria como um centro comercial, e como o maior exportador de material para escrever, ofereceu vastas oportunidades para o contato entre diferentes culturas e formas de pensamento. O esforço deliberado de seus sábios para juntar e analisar criticamente o conhecimento de sua época possibilitaram a primeira pesquisa sistemática de conhecimento por especialistas em novas áreas de conhecimento. Completas novas disciplinas, como gramática, preservação de manuscritos e trigonometria surgiram. Ainda, a grande coleção de documentos numa cidade Egípcia possibilitaram a transmissão de textos clássicos em árabe e hebreu, onde foram preservados por muito tempo depois que suas copias foram perdidas durante a Idade Media na Europa. Alexandria e seus primos, o Lyceum, a Academia, e a jovem biblioteca de Pergamon, foram provavelmente os protótipos de monastérios e universidades medievais. Enquanto muitos sábios modernos com freqüência se lamentam da quantidade de informações perdidas desde a queda da biblioteca, uma grande quantidade de descobertas e teorias Alexandrinas, especialmente em matemática e geometria, ainda provem um chão de trabalho para pesquisa moderna nestes campos. E Finalmente, os métodos de pesquisa, estudo, de armazenamento e organização da informação desenvolvida na Biblioteca são muitos os mesmos usados hoje em dia, apenas os pergaminhos lineares deram espaços para livros em estantes, e agora estamos vendo a transformação de livros em documentos numa mídia eletrônica..

Bibliografia
CASSON, Lionel. O Antigo Egito. Rio de Janeiro: José Olympio. 1972
CANFORA, Luciano. The Vanished Library. trans. Martin Ryle. University of California Press. Berkely: 1989.
JOHNSON, Emer D. History of Libraries in the Western World. Scarecrow Press, Inc. Metuchen: 1970.
http://www.unesco.org/webworld/alexandria_new/index.html

Fonte:
SitedeCuriosidades.com: http://www.sitedecuriosidades.com/curiosidade
http://ekso.tripod.com/hist1/1-bib.htm