Panacéia dos Amigos

VISITAÇÃO

sexta-feira

Lendas Urbanas - O Demônio de Dover.

Uma criatura desproporcionalmente grande, com a cabeça em forma de melancia, olhos brilhantes cor de laranja, braços e pernas finas, dedos finos, calva, com a pele áspera, de um tom bronzeado, com a textura de uma lixa. Esse é o Demônio de Dover. Nele, faltavam características faciais como nariz, ouvidos ou boca.

Dizem que ele media 91 centímetros, e fazia um barulho descomunal que soava como um grito de falcão combinado com um assobio de cobra. Esta criatura foi avistada em três ocasiões diferentes na cidade de Dover, Massachusetts, EUA, em 21 e 22 de abril de 1977.

Devido a sua aparência, há especulações de que ele seja um alienígena, ou o resultado de algum tipo de experiência, ou seja, um híbrido humano ou um híbrido alienígena, enquanto outros sugerem que ele veio de outra dimensão.

quinta-feira

Lendas Urbanas - Monstro de Flatwoods.

O monstro pode ser na verdade uma forma de extraterrestre. A criatura foi flagrada nas proximidades de um OVNI de grandes dimensões que pairava acima ou descansava no chão da cidade de Flatwoods, no condado de Braxton, em West Virginia, EUA, em 12 de setembro de 1952.

Segundo os relatos, a criatura era enorme; tinha pelo menos 3 metros de altura. Seu rosto lançava um brilho avermelhado, e seu corpo era verde. Sua cabeça tinha a forma de um coração, ou um Ás de Espadas, e os olhos não eram humanos.

A criatura estava vestindo uma espécie de roupa escura, semelhante a uma saia. O monstro não carregava armas visíveis, mas seus braços avantajados terminavam em longos dedos com garra..

quarta-feira

Histórias de crucificados muito parecidas com a de Jesus

SERPENTE ALADA

DIVINDADE Quetzalcóatl

ONDE México

QUANDO 587 a.C.

Venerado por astecas, toltecas e maias, seu nome combina “quetzal” (uma ave nativa, com belas plumas) e “cóatl” (serpente). Também nasceu de uma mãe virgem para livrar os homens de seus pecados. Foi batizado na água, ungido com óleos e jejuou por 40 dias. Crucificado entre dois ladrões, renasceu e subiu aos céus.

ENTRE OS ANIMAIS

DIVINDADE Hesus

ONDE Bretanha

QUANDO 834 a.C.

Nasceu da virgem Mayence, hoje representada como uma santa envolta em 12 estrelas e uma serpente aos pés. Foi crucificado em um carvalho, considerada “a árvore da vida”, entre um elefante (que simbolizaria a magnitude dos pecados da humanidade) e um cordeiro (alusão à pureza de quem se oferece para o sacrifício divino).

SOFRIMENTO SEM FIM

DIVINDADE Prometeu

ONDE Grécia

QUANDO 500 a.C.

Foi o Titã que libertou e “iluminou” a raça humana
 ao lhe dar o fogo dos deuses. Por essa ousadia, foi condenado por Zeus a viver pregado numa rocha, com o fígado devorado por uma águia. Para os gregos, era nesse órgão que ficavam os sentimentos, e não no coração.

TRÊS EM UM

DIVINDADE Bali

ONDE Índia

QUANDO 725 a.C.

Segundo o historiador Godfrey Higgins, a cidade de Mahabalipore, na Índia, traz registros dessa crucificação, que também teria servido para limpar nossos pecados. “Bali” significa “Segundo Senhor” – ele integrava uma trindade que compunha um só Deus. Era cultuado como Deus e como filho Dele.

AMAI A TODOS

DIVINDADE Indra

ONDE Tibete

QUANDO 725 a.C.

Sua mãe, virgem, era negra. Indra também. Acreditava
-se que ele tinha poderes extraordinários, como prever o futuro, andar sobre as águas e levitar. Pregou o amor e a ternura para com todos os seres vivos, mas defendia que a castidade era o único caminho para se tornar santo.

JÁ VI ESSA HISTÓRIA...

DIVINDADE Krishna

ONDE Índia

QUANDO 900 a.C.

Tem muitos pontos em comum com Jesus. Segundo textos hindus, como o Bhagavata Purana e o Mahabaratha, seu nascimento estava previsto em um livro sagrado. Para evitar que a profecia se concretizasse, o governante da região mandou matar todos os recém-nascidos. Sua mãe era uma virgem de origem humilde, que recebeu a visita de pastores quando deu à luz. Krishna peregrinou por regiões rurais dando sermões, curando doentes e operando milagres, como 
a multiplicação de peixes. Recomendava
 aos discípulos que amassem seus inimigos. Segundo alguns relatos, teria sido crucificado – assim como Jesus, entre dois ladrões e aos 33 anos. Ressuscitou no terceiro dia e subiu aos céus, mas avisou que ainda voltaria à Terra.

ESPOSA EXEMPLAR

DIVINDADE Alcestos

ONDE Grécia

QUANDO 600 a.C.

É o único caso de que se tem relato sobre uma mulher sendo crucificada para livrar a humanidade dos próprios pecados. Ela também era parte de uma Santíssima Trindade. A morte da deusa gera controvérsia: algumas versões defendem que ela deu a vida para salvar o marido, Eurípedes. Como recompensa, teria ressuscitado ainda mais bela.

MÃO SANTA

DIVINDADE Sakia

ONDE Índia

QUANDO 600 a.C.

Nasceu para expiar os pecados
 do mundo e sua mãe era chamada por seus seguidores de Virgem Sagrada. Assim como Jesus, operou milagres e curou doentes. Foi tentado pelo diabo e deixou mandamentos como “não matarás”, “não roubarás”, “não pecarás”, “não cometerás adultério” e “não mentirás”. Ficou eternizado pelo símbolo da cruz.

FONTE: http://mundoestranho.abril.com.b

The Odd Index, de Stephen J. Spignesi; CONSULTORIA André Leonardo Chevitarese, professor do Instituto de História da UFRJ e autor de Cristianismos: Questões e Debates Metodológicos.

terça-feira

Arsenal caseiro

Procurando por curiosidades da Segunda Guerra Mundial, vi este artigo muito interessante da “Mundo Estranho” que compartilho com todos os visitantes. São algumas das invenções que surgiram das necessidades das guerras. As guerras nada são e para nada servem, mas acabaram dando gênese a muitos inventos. Vejam só:

Forno de microondas

INVENTOR - Percy Spencer

PAÍS - Estados Unidos

GUERRA EM QUE SURGIU - Guerra fria (1945-1991)

Quando a Segunda Guerra estava no fim, um funcionário da fornecedora militar Raytheon, o engenheiro Percy Spencer, notou que um chocolate em seu bolso derreteu quando ele inspecionava magnétrons, componentes usados em radares. Deduzindo que a meleca havia sido causada pelo calor gerado pelos magnétrons, Percy criou um aparelho para aquecer comida usando esse princípio. A Raytheon comprou a idéia e lançou o microondas.

CURIOSIDADE - O primeiro microondas pesava 340 quilos e custava de 2 mil a 3 mil dólares!

Chocolate M&M'S

INVENTOR - Forrest Edward Mars

PAÍS - Espanha / Estados Unidos

GUERRA EM QUE SURGIU - Guerra Civil Espanhola (1936-1939)

O empresário americano Forrest Mars ficou sabendo que tropas da Guerra Civil Espanhola comiam pelotas de chocolate envolvidas numa casca dura açucarada, que impedia o calor de derreter a guloseima. Inspirado na idéia, Mars criou os confeitos M&M’s, nome originado das iniciais dos sobrenomes de Mars e de seu sócio, Bruce Murrie.

CURIOSIDADE - Em 1941, o produto já estava no mercado, mas ganhou impulso quando o Exército americano passou a incluir os M&M’s na ração dos soldados que foram à Segunda Guerra. Em 1948, a embalagem de cartolina foi trocada pelo saquinho plástico que conhecemos hoje.

Panela de teflon

INVENTOR - Roy J. Plunkett

PAÍS - Estados Unidos

GUERRA EM QUE SURGIU - Segunda Guerra (1939-1945)

Em 1938, o químico Roy Plunkett realizava experiências com gases para refrigeração. Por acaso, uma amostra virou uma substância pegajosa, em que quase nada grudava. Em 1945, a invenção recebeu o nome de teflon. Os primeiros usuários do novo produto foram os militares americanos, que aplicaram o teflon para revestir tubos e vedações na produção de material radioativo para a primeira bomba atômica.

CURIOSIDADE - Depois do fim da Segunda Guerra, a empresa em que Plunkett trabalhava encontrou diversas aplicações para o teflon, como o revestimento não adesivo para panelas.

Leite condensado

INVENTOR - Gail Borden

PAÍS - Estados Unidos

GUERRA EM QUE SURGIU - Guerra de Secessão (1861-1865)

Procurando uma forma de prolongar o armazenamento do leite, reduzir seu volume e contornar a falta de refrigeração, o inventor americano Gail Borden patenteou um método para fabricar leite condensado em 1856. A novidade ficou meio esquecida até o início da Guerra de Secessão, quando o exército dos estados do Norte incluiu o produto na ração das tropas, comprando grande quantidade de leite condensado.

CURIOSIDADE - Quando voltavam para casa de licença, os soldados contavam às famílias sobre o novo tipo de leite. O produto bombou tanto que a fábrica de Borden mal conseguia atender às encomendas.

Computador

INVENTOR - Engenheiros da Universidade da Pensilvânia

PAÍS - Estados Unidos

GUERRA EM QUE SURGIU - Guerra fria (1945-1991)

O primeiro computador, chamado de Eniac, surgiu nos Estados Unidos. Projetado para o Exército americano, o aparelho servia para ajudar nos cálculos de artilharia. O bichão ficou pronto em 1946 e ajudou nos cálculos para construir a bomba de hidrogênio, testada pelos Estados Unidos em 1952.

CURIOSIDADE - A máquina tinha mais de 2 metros de altura e ocupava uma área de 15 por 9 metros - algo como um armário gigante. Custou em torno de 400 mil dólares.

Margarina

INVENTOR -Hippolyte Mège-Mouriès

PAÍS - França

GUERRA EM QUE SURGIU - Guerra Franco-Prussiana (1870-1871)

Na década de 1860, o imperador francês Napoleão III, sobrinho de Napoleão Bonaparte, ofereceu um prêmio a quem descobrisse uma alternativa barata para a manteiga - na época, um produto caro e escasso. Até hoje os historiadores discutem se o imperador fez isso para facilitar a vida dos franceses pobres ou para abastecer suas forças armadas, às vésperas da Guerra Franco-Prussiana.

CURIOSIDADE - Seja como for, o químico Mège-Mouriès apresentou a margarina, em 1869, levando o prêmio de Napoleão III.

Fonte: http://mundoestranho.abril.com.br/

sexta-feira

IMPERDÍVEL DIA DO FÃ 2012 COM A PATRULHA ESTELAR-STAR BLAZERS-YAMATO!!!!!!!!!

Data: 25 de Março

Horário:Das 9 às 17h

Local:Estação Ciência - Rua Guaicurus, 1394 – Lapa – São Paulo

(ao lado da estação de trem Lapa - Próximo ao metrô Barra Funda)

Colabore com nossa Ação Social, não se esqueça de trazer 01 kg de alimento não perecível que será doado para a ACEDEM-SP.

Grupos/mesas de Fã Clubes presentes:

Hogfriends ** Time Lords BR ** F.F.E.S.P. ** Grupo Ficção Científica Alpha/Grupo de Teatro Zona Neutra ** Patrulha Estelar/Yamato ** GI Joe ** Playmobil ** Site Aumanack ** BSGBrasil - Battlestar Galactica ** Supernatural BR ** Gamemakers BR Jogos Vorazes ** Ludus Luderia ** CJSP ** Conselho Branco Sociedade Tolkien - Toca São Paulo ** Blades ** Rebel Legion ** 501st ** Vode An ** Sindicato do Fã ** Site Bookeando ** Paulo Sérgio Monteiro ** Perry Rhodan ** Unitghed BR

Palestras e atividades no auditório:

09:00 às 09:45 - Patrulha Estelar/Yamato - Exibição de episódios

09:45 às 10:30 - Perry Rhodan - Comparação entre vários outros universos (vídeos)

10:35 às 11:25 - Renato Azevedo - 2012: Profetas do Fim do Mundo e Aproveitadores

11:30 às 12:20 - Mesa Redonda - O futuro da ficção x O futuro da realidade.

F.F.E.S.P. ; Conselho Jedi SP; BSG e convidados

12:20 às 13:00 - Battlestar Galactica - Exibição de episódio

13:00 às 13:50 - Silvia Reis - Asteroides, Cometas e atividade solar. Fim do Mundo em 2012?

14:00 às 14:50 - Conselho Branco Sociedade Tolkien - Toca SP: “O Hobbit” do livro ao Filme

14:50 às 15:40 - Jogos Vorazes - Atividade Surpresa

15:40 às 16:20 - Sorteios dos fã clubes

16:30 às 17:00 - Desfile de fantasias

Links de divulgação oficial:

Blog da Estação Ciência:

http://ecienciablog.blogspot.com/2012/02/dia-do-fa-2012.html

Portal do Governo do Estado de São Paulo:

http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/lenoticia.php?id=218090

Site grupo Alpha Fiction:

http://alphafiction.wordpress.com/2012/02/20/participe-do-dia-do-fa-253/

quinta-feira

Como jogar o I Ching

De uns tempos para cá tenho me interessado pelo I Ching. Normalmente não gosto de adivinhações porque a realidade é mutável e transforma-se a cada instante. Mas, é inegável a sabedoria chinesa. O I Ching merece ser respeitado e suas mensagens não são vaticínios são apenas pequenas visões de como estão as ondulações da realidade. Na própria explicação do método é claro que se trata de uma visualização dos momentos seguintes. Por isso, faço questões com no máximo dois meses. Depois disso, jogo outra vez, não creio em previsões muito distantes porque como acredito e repito o tempo e a realidade são mutáveis. Não à toa, o I Ching é o livro das mutações.

Uma das melhores definições que vi foi a de que devíamos interpretar os hexagramas como interpretamos a poesia. Ou seja, com intuição e profundidade em busca do significados coerentes a nossa busca.

Os chineses utilizam de moedas chinesas, cheguei a pensar que isto seria um empecilho, mas pesquisando um pouco descobri que podemos utilizar nossas moedas tradicionais. O método abaixo extrai do texto de Tissiane Vicentin.

Por ser uma interpretação muito complexa, que exige reflexão do consulente, deve-se evitar perguntas que sejam respondidas com ‘sim’ e ‘não’. Serão necessárias três moedas que, ao serem jogadas, formarão os hexagramas utilizados para a leitura.

Para a consulta,antes de tudo, mentalize a pergunta. Segundo a tradição chinesa, as moedas devem ser colocadas nas mãos em formato de conchas e só depois chacoalhadas e arremessadas. Jogue as três moedas juntas, seis vezes seguidas. Cada arremesso vai formar uma das linhas do hexagrama. As primeiras três vezes formarão o trigrama inferior e as outras três o superior.

O lado Yin da moeda é representado pela coroa - a parte que tem o valor monetário - e recebe o valor 2. O lado Yang é representado pela cara - a parte que possui um brasão ou qualquer outra figura - e recebe o valor de 3. O valor da soma das moedas jogadas vai indicar a linha a ser formada. Todas as linhas com soma par são representadas de forma aberta (--- ---). As ímpares, fechadas (-------).

Quatro resultados possíveis:

- três caras = yang+yang+yang = cara+cara+cara = 3+3+3 = 9

- duas caras e uma coroa = yang+yang+yin = 3+3+2 = 8

- duas coroas e uma cara = yin+yin+yang = 2+2+3 = 7

- três coroas = yin+yin+yin = 2+2+2 = 6

Após a formação dos trigramas, é preciso cruzar as imagens na tabela de consulta do I Ching e encontrar o número do hexagrama correspondente. Podem ser formados dois hexagramas: o principal, que deve ter o julgamento lido profundamente, e o secundário, resultado da variação de linhas mutáveis. As linhas mutáveis são aquelas cuja soma são 6 ou 9. Consulte no livro como se faz para montar o hexagrama complementar através das linhas mutáveis.

Não é sempre que se pode formar um hexagrama complementar. Se ele não puder ser formado, significa que as respostas do hexagrama principal são suficientes para responder à pergunta. Para a interpretação, deve-ser ler o julgamento, localizado no I Ching. Leia também os textos referentes às linhas móveis, caso haja alguma. A combinação dos textos representa a resposta do I Ching.

Fonte: Texto de Tissiane Vicentin (MBPress). http://vilamulher.terra.com.br

terça-feira

A incivilidade brasileira

Muitas vezes ouço as pessoas comentando que “brasileiro não tem jeito”, “Brasil não é civilizado”, “Na Europa tudo é mais organizado”, “Na Europa tem educação e civilidade.” O brasileiro tem notadamente um certo desânimo em relação a si mesmo. Faz parecer que toda a violência, corrupção, desorganização e incompetência nascem e frutificam no país! Somos o todo de tudo que é degradante.

“Brava gente brasileira, longe vá temor servil”. O brasileiro parece ter medo da própria grandeza de seu futuro. Um pouco de noção histórica cai bem aqui. Não discordo de nenhum argumento sobre a civilidade européia. Mas coloquemos um parênteses. Tempo é documento. A civilização européia existe há muito mais centenas de anos do que a relativamente jovem nação tupiniquim. E neste tempo, apenas para citar o século XX, a Europa já se destruiu em duas guerras mundiais!

Como resultado diante das ruínas de sua civilização o que mais eles poderiam fazer? O que mais os japoneses poderiam fazer? Se organizar, civilizar, se unir para reconstruir. E quantas vezes esses acontecimentos se sucederam ao longo da história.

A civilização brasileira está sendo escrita com menos sangue que as demais. Este fato não deve ser motivo de chacota, mas de orgulho. Somos um país jovem, amistoso e criativo. Construindo lentamente sua sociedade. Sim, enfrentamos guerras sociais, mas todas as sociedades enfrentam as mesmas guerras. Educação e combate a violência e drogas também são lutas nos países europeus e nos Estados Unidos.

Quanto a melhor organização estamos atingindo mais rápido do que os outros porque vivemos uma época diferente, somos um povo diferente. E tenho certeza que atingiremos uma maturidade social incrivelmente criativa. Já temos demonstrado indícios interessantes. Colocamos um sociólogo como Presidente, depois um operário e agora uma mulher. Nossa música é reconhecida mundialmente, nosso futebol e vôlei também, um dos escritores mais lidos em diversos países é brasileiro, assim como um dos homens mais ricos do mundo. Uma das maiores empresas petrolíferas do mundo aqui está, a maior floresta também, e não faltam terras férteis para agricultura, nem vasto litoral para pesca, não nos faltam intelectuais, cientistas, engenheiros, juristas, enfim, temos destaques em quase todas as áreas do conhecimento humano. Várias multinacionais contratam brasileiros quando setores de sua empresa entram em crises aparentemente insolúveis. Estamos por aí. Cada vez mais se fala positivamente do Brasil e dos brasileiros.

Temos uma riqueza cultural única, povos de todas as nações, religiões de todas as partes do mundo encontram ninho seguro aqui. Vários estrangeiros celebram nossa alegria e simpatia. Somos um povo brilhante que aos poucos tem aprendido a se organizar e conquistar. O que verdadeiramente nos falta é acreditarmos em nós mesmos, como os outros povos acreditam em suas nações.

Quando tivermos o desejo de terminar a construção de nossa casa e pararmos de admirar a casa dos outros que, com certeza, na época de sua construção eram muito feias, iremos finalmente triunfar. Paremos de olhar a casa dos outros, lá , não passamos de visita, aqui a casa é nossa!

segunda-feira

Ladyhawke - O Feitiço de Áquila

Um dos maiores clássicos que pude assistir na década de 80. Identificação imediata. Devo ter assistido em alguma sessão da tarde. No vídeo, não foi, porque me lembro apenas de ter visto a versão dublada. Assisti por causa do Matthew Broderick porque havia visto “Curtindo a Vida Adoidado”, então na época gostava muito dele. E em Feitiço de Áquila, ele novamente fez uma interpretação de grande carisma.

Na época eu não me atentei ao fato de o filme era do diretor Richard Donner, de quem eu era fã sem saber por causa de “Superman” e o filme “Máquina Mortífera (Lethal Weapon)”. Quem assisitiu na época sabe o efeito que foi ver "O Feitiço de Áquila". Primeiramente, é uma produção esmerada, bem dirigida, naquela idade eu podia não compreender a técnica, mas sentimos quando uma história está bem contada, quando é empolgante, quando as cenas fluem. E tudo isto estava lá.

Os atores fizeram sua parte. Mas Matthew Broderick simplesmente roubou a cena com seu ladrão “O Rato”. A cenas de ação embaladas por uma empolgante trilha sonora aliados ao tema de fantasia medieval e ao drama da maldição marcaram a memória de todos, tornando o filme uma referência do gênero.

Ladyhawke foi filmado em 1985 dirigido por Richard Donner, estrelado por Matthew Broderick, Rutger Hauer e Michelle Pfeiffer.

A trama ocorre na Europa do século XII, quando um ladrãoPhilippe Gaston, "O Rato" (Matthew Broderick), condenado a execução consegue escapar das masmorras de Áquila, através dos esgotos, e foge para o campo. O Bispo de Áquila (John Wood) envia o seu Capitão da Guarda Marquet (Ken Hutchison) para caçar Phillipe; ele e seus soldados encontram Philippe, mas são frustrados por um misterioso cavaleiro negro que revela ser seu ex-capitão, Etienne de Navarre (Rutger Hauer), viajando com um falcão belo e dedicado. Marquet avisa ao Bispo sobre o retorno de Navarra, que entre outras coisas solicita a convocação de Cezar (Alfred Molina), o caçador de lobos.

Navarre diz a Philippe por que o salvou: ele precisa de um conhecimento que é único de Philippe, para levá-lo para dentro de Áquila e matar o Bispo. Enquanto viajam, Philippe se torna ciente de eventos misteriosos e assustadores que os rodeiam, incluindo o aparecimento a noite de um lobo negro e de uma mulher notavelmente linda (Michelle Pfeiffer), a qual não teme o lobo.

Em meio a combates contra os homens do Bispo, os aventureiros encontram o monge Imperius (Leo McKern), e através dele o rato e todos nós conhecemos a história: o falcão é uma mulher chamada Isabeau d'Anjou, que veio viver em Aquila depois que seu pai morreu em Antioquia.Todos os que a viam apaixonavam-se por ela, inclusive o poderoso e corrupto Bispo. Mas Isabel já amava o capitão da Guarda dele, Etienne de Navarre, com quem ela secretamente trocara votos. Confessaram este “pecado” ao monge Imperius que tolamente informou o Bispo sem saber que ele era secretamente apaixonado por Isabeau. Acidentalmente traídos por seu confessor, Imperius, eles fugiram. Em seu ciúme doentio, o Bispo fez um pacto demoníaco para garantir que eles estariam "Sempre juntos, eternamente separados": durante o dia Isabeau transforma-se num gavião, de noite Navarre se transforma em um lobo negro. Nenhum deles tem qualquer memória da sua meia-vida em forma de animal, somente no anoitecer e no amanhecer de cada dia eles podem ver um ao outro em forma humana por um momento fugaz, mas nunca podem tocar-se.

Desesperado com esta situação impossível Navarre planeja matar o Bispo, ou morrer na tentativa, tornando a maldição irrevogável. Mas Imperius descobriu uma maneira de quebrar a maldição: ele e Philippe têm que convencer os amantes a tentar. Navarre acredita que não passa de loucura do homem pois o ritual deve ser feito em “um dia sem noite e uma noite sem dia” ocasião em que os amantes devem estar juntos em forma humana diante do Bispo, para quebrar a maldição.

Ladyhawke foi filmado na Itália, o prado alpino de Campo Imperatore-Abruzzo serviu como locação exterior proeminente, enquanto a cena do monge foi filmada na Rocca Calábria, uma fortaleza arruinada no topo de uma montanha. Na região de Emilia-Romagna, a aldeia de Castell'Arquato em Piacenza e o Castelo de Torrechiara em Parma (o castelo do filme) também foram usados. Outras localidades italianas usadas incluem Soncino na região de Lombardia, Belluno, na região do Vêneto e da região de Lácio em torno de Viterbo.

A trilha sonora foi composta por Andrew Powell e produzida por Alan Parsons. Richard Donner afirmou que estava ouvindo The Alan Parsons Project (no qual Powell colaborou) enquanto procurava por locações, e ficou incapaz de separar suas idéias visuais da música. Powell combinou música orquestrada tradicional e cantos gregorianos com material de rock contemporâneo progressivo-infundido, para efeito controverso. Conheci a trilha toda em idos dos anos 90, foi um reencontro. Curiosidade foi a foto de Isabeau e Navarre juntos o que não vimos no filme (foto abaixo).

O papel de Navarre estava destinado ao ator Kurt Russell, que desistiu um pouco antes do começo das filmagens, tendo sido escolhido, então, o ator holandês Rutger Hauer.

O primeiro filme que vi de Rutger foi “A morte pede carona”, vê-lo como o herói “grosseiro” de Feitiço de Áquila, foi diferente. De qualquer forma não desmerecendo Russel, não dá para imaginar outro no papel. Todos inclusive foram excepcionalmente selecionados ou uma conjunção de astros especialmente benéfica ajudou o diretor. Certamente, os bons papéis dentro de um filme não típico empolgaram a todos e o resultado pode ser sentido na tela. Enfim: clássico absoluto..

sexta-feira

Estranhos no Paraíso – Terry Moore

Conheci este trabalho na mesma época de “Bone”, de Jeff Smith. Chamaram-me atenção por serem trabalhos em “preto e branco” na época das multi-coloridas-por-computador-brilhantes-impactantes-acachapantes-capas-e-páginas-da-Image. Que precisamente era muito “Image” e nenhum conteúdo. Estranhos no Paraíso de Terry Moore era de uma linhagem diferente.

O fulcro da trama é a complexa relação entre três personagens, Katchoo, Francine e David. Katchoo é selvagem, desbocada, mal humorada, violenta (muito violenta), artista e culta. Completamente apaixonada por Francine uma garota insegura, mal amada e gordinha e de continuadas paixões que acabam em coração partido (o dela). Completando a “família” temos David, um rapaz gentil até demais, companheiro até demais e apaixonado até demais por Katchoo, com todas estas qualidades ele se torna o último homem da Terra que ela gostaria de namorar.

Foram 90 edições nos EUA que duraram cerca de 14 anos. Mas a série não se resume a um tipo de “soap opera” em HQs sobre relacionamentos, com o desenrolar da trama, o passado de Katchoo vai sendo desvendado. O relacionamento com Francine se torna ainda mais intenso. David, demonstra ter mais camadas em sua personalidade e contamos ainda com conspirações governamentais, sociedades secretas, assassinatos, brigas com ex-namorados, brigas com a balança e por aí vai. E em meio a tudo isto em constante mutação fica a relação dos três personagens. Com diversas reviravoltas ao longo das 90 edições, ficamos na expectativa do desenvolvimento dos personagens, nos identificamos, vivemos suas agruras e aventuras diferentes e ao mesmo tempo tão próxima da realidade dos jovens adultos e seus conflitos emocionais.

Com um traço particular, uma temática adulta, a preferência pelo preto e branco e ótimo roteiro, “Estranhos no Paraíso” era um alívio mental em tempos negros de Spawn, Wild. C.A.T.S, Youngblood, Cyberforce e os piores roteiros que Marvel e DC conseguiram produzir em muito tempo. Uma verdadeira Idade das Trevas iniciada em 1994.

A série conquistou o prêmio Eisner e uma premiação de Best Comic Book pela GLAAD Media Awards (Gay & Lesbian Alliance Against Defamation) que homenageou a inserção e bom senso na trama ao tratar do tema através da personagem Katchoo.

Estranhos no Paraíso é um dos grandes trabalhos das Histórias em Quadrinhos, vale a leitura.

quarta-feira

Nossos Deuses são Super Heróis por Cristhoper Nowles

O mundo das histórias em quadrinhos tem lugar cativo no meu coração. Através delas descobri as leituras, os desenhos e tudo o mais. Mesmo sendo acusado várias vezes de “infantil” continuo um apreciador, porque não há dialética que convença quem não quer ser convencido de todos os atributos da 9ª arte. Se Will Eisner, Alan Moore, Neil Gaiman e Frank Miller entre outros artistas geniais não convenceram, que posso eu fazer? E quem se importa?

O cinema já percebeu a força dos personagens criados nos quadrinhos e se apossou deles. Claro, afinal são mitos reverenciados por gerações com um apelo evidente. E é precisamente sobre esta leitura que trabalha o autor Cristhoper Nowles neste interessante livro “Nossos Deuses são Super – Heróis” no qual, identifica as raízes esotéricas de diversas histórias em quadrinhos.

Como está em sua própria descrição, este livro explica como os super-heróis vieram ocupar, na sociedade moderna, o papel que os deuses e semideuses representavam para os antigos. Ele traça uma linha entre escolas esotéricas e magos que desempenharam um papel vital no desenvolvimento de fenômenos sociais como os filmes do Batman ou dos X-Men, ou séries de TV como Heroes e Smallville. Aqui, Chris Knowles ergue o véu que encobre o vínculo entre super-heróis e o mundo encantado da magia e do misticismo.

Interessante notar como os antigos mitos foram revestidos na forma de super-heróis. Uma nova roupagem para a mesma essência e função: a necessidade humana de mitos. Joseph Campbell já havia apontado que todos os caminhos levam a Roma e Knowles mostra neste livro o caminho que se interliga com as histórias em quadrinhos.

Uma leitura fácil, porém, instigante que irá agradar a fãs e não fãs de HQs. Vale a leitura.

E lembrem-se: Quem lê um livro comunga com a alma deste, e desta comunhão renova a sua própria.

segunda-feira

Gnosticismo, esoterismo e magia - Richard Smoley

Recentemente li este livro. E apreciei muito. O assunto da Gnose cristã sempre foi de meu profundo interesse, mas, muitos destes livros podem ser decepcionantes. Não é caso da obra de Richard Smoley. O autor é graduado pela Oxford University, e conseguiu em seu livro através de uma ampla pesquisa sobre a literatura mística e esotérica, fazer um belo mosaico de muitas das linhagens e questões mais pertinentes da gnose cristã.

Eis alguns temas por ele abordados: O Evangelho Secreto/ A Nova Era/O Reino Angélico/Visões Pós-Vida/Escapando do Carma/Salvação e Gnose/A Origem do Mal/Magia, Ritual e Tarô/Quem era Cristo?/As Tentações de Cristo/Símbolos e Sacramentos/Igrejas e Grupos Contemporâneos, entre tantos outros.

A princípio temi que o livro tivesse um ponto de vista técnico demais realizado por um pesquisador frio. Porém, felizmente foi um ledo engano. Smoley permitiu-se adentrar na atmosfera esotérica e de maneira bastante profunda nos esclareceu sobre o cabedal de informações que construiu. Em diversos momentos, mais que um estudo catedrático, a leitura se torna esotérica, sem comprometimentos e sábia no equilíbrio.

Gnosticismo, Esoterismo e Magia presta-se perfeitamente como fonte de orientação e conhecimento a todos os cristãos ou a estudiosos e interessados pelo assunto. Um dos livros mais interessantes e recomendáveis..

E lembrem-se: Quem lê um livro comunga com a alma deste e desta comunhão renova a sua própria.

sexta-feira

Touro - Taurinos Ilustres

Balzac

George Lucas

Karl Marx

Bono Vox

Fred Astaire

Jack Nicholson

James Brown

Orson Welles

Dorival Caymmi

Salvador Dali

Sigmund Freud

William Shakespeare

quinta-feira

A Família Addams

A Família Addams (The Addams Family, no original (em inglês) é um grupo de personagens criados pelo cartunista Charles Addams. A primeira temporada da série de animação estreou em 1973, nos EUA. Teve ainda mais duas temporadas em 1992 e 1993. Fizeram tanto sucesso na TV quanto nos jornais que a Hanna-Barbera decidiu levá-los para a animação também, um spin-off. Os personagens são os mesmos, e as situações conseguem ser mais malucas do que a série de TV, mas com o mesmo nonsense que caracterizou a série de TV, de 1964.

A Família Addams não é uma família típica: eles têm prazer na maioria das coisas que pessoas "normais" teriam medo. Aqueles que os visitam se desesperam ao ver os hábitos mórbidos e incomuns do clã. Gomez Addams é o chefe da família, um homem extremamente rico incapaz de negar algo à sua cadavérica esposa Morticia Frump Addams: seja o cultivo de plantas venenosas, ou um jantar à luz de velas em um cemitério. Wednesday Friday Addams (Vandinha), filha do casal, é uma menina sádica e um tanto quanto sombria, que adora brincar com seu desmiolado irmão Pugsley Addams (Feioso), submetendo-o a vários tipos de tortura que ele adora.

Na mansão Addams ( que no desenho é um tipo de “trailer” ambulante) ainda moram a vidente Grandmama Addams (Vovó Addams), mãe de Gomez, e o tio especialista em explosivos Fester Addams (Tio Chico), irmão de Gomez. Não se pode esquecer do mordomo Lurch (Tropeço) e sua espineta, que mais parece o monstro do Dr. Frankenstein e Thing T. Thing (Mãozinha), uma mão amiga desmembrada do corpo. O Cousin Itt (Primo Iti/Primo Coisa) também aparece frequentemente e, além de membro influente do governo, é literalmente uma montanha de cabelos.

Fizeram algumas participações especiais em outro desenhos, como no do Scooby-Doo, até terem o seu próprio.

A Família Addams era um dos desenhos que eu mais adorava. Eram comuns as aventuras animadas de famílias. Como os Flintstones, Jetsons, os Muzarellas (Esta foi para nerds), mas o que dizer da adorável Família Addams? Estranhos, sombrios ou apenas excêntricos? Como criança, o que mais nos atrai é que são “monstros” amigáveis que não oferecem perigo algum e de uma maneira pouco usual tem até valores familiares fortes de união e amor (Morticia e Gomez vivem uns casamentos de eterna paixão adolescente).

Assisti a série anos depois e vibrei com os dois filmes com Raul Julia, e a impagável Angélica Huston, Christopher Lloyd, além da Vandinha na novata e já talentosa Christina Ricci. Mas, isto é um assunto que vamos deixar para a Panacéia do Cinema..

quarta-feira

Áries - Arianos Ilustres

Adolf Hitler, ditador

Augusto dos Anjos

Ayrton Senna, piloto

Billie Holiday, cantora

Botticelli

Cacilda Becker, atriz

Carlos Magno, monarca

Cazuza, cantor

Charles Chaplin, ator

Chico Anysio, escritor e ator

Chico Xavier, lider espiritual e médium

Elton John, cantor e compositor

Eric Clapton, cantor e compositor

Francis Ford Coppola

Getúlio Vargas, ex-presidente do Brasil

Johann Sebastian Bach

Leonardo da Vinci, pintor

Manuel Bandeira

Marlon Brando

Monteiro Lobato, escritor

Quentin Tarantino, diretor e produtor

Renato Russo, cantor

René Descartes

Ritchie Blackmore

Roberto Carlos, cantor

Vincent Van Gogh, pintor

terça-feira

Death Note - Este anime é de morte..

Não. Eu não estava com a menor boa vontade de assistir este anime. Desconfiei do nome e da trama. São raros os animes que valham a pena. Mas, por forças de circunstâncias incoercíveis não pude evitar e coloquei-me resignado diante da TV.

Vamos aos fatos: Death Note é uma série de mangá escrita por Tsugumi Ōba e ilustrada por Takeshi Obata, e que cuja adaptação para anime foi dirigida por Tetsurō Araki. A história centra-se em Light Yagami, um estudante do ensino médio que descobre um caderno sobrenatural chamado "Death Note", no qual pode matar pessoas se os nomes forem escritos nele enquanto o portador visualizar mentalmente o rosto de alguém que quer assassinar. A partir daí Light tenta eliminar todos os criminosos e criar um mundo onde não exista o mal, mas seus planos são contrariados por L, um famoso detetive particular.A série é baseada em um one-shot que foi lançado pela Shueisha na revista Weekly Shōnen Jump, e se generalizou novamente no volume treze, "How to Read", que é um guia que contém dados sobre a franquia, incluindo o perfil de todos os personagens principais. No Brasil, a série de mangá foi publicada pela Editora JBC. O último dos doze volumes foi lançado em junho de 2008 e o especial How to Read foi lançado em agosto de 2008. O anime foi exibido no Brasil e em Portugal pela Animax local.

Claro, eu não sabia de nada disso, e não serviria a nada saber. Assim, sem esperar nada me lancei ao desconhecido, então vejamos: Tempos atrás, meu caro Alex Sunder disse na Panacéia das Entrevistas, que sua crítica é bastante visual, ou seja, se o desenho for bem feito ele vai em frente, mesmo a trama não ser estas coisas. Também gosto de desenhar, mas não havia percebido esta característica, e é verdade! Quando o desenho é bom, flui, quando é ruim, eu só continuo a leitura, ou o anime se tiver sido avisado previamente que o roteiro é muito bom. Não sei exatamente se esta característica é uma qualidade mas, ao menos, é um fato.

Então, menos mal. Em tempos de Naruto que tem um desenho...bláh! Pelo menos, os traços eram ok. Ok, mesmo, nada além. Mas, eu poderia continuar assistindo.

E eis que a trama começa. Então, o personagem principal é um vilão. Não importa o que os fãs queiram dizer. O personagem teve o poder sobre a morte de pessoas e quis matar. Matar muito. Eliminar bandidos foi apenas um recurso para ele ter uma boa desculpa que permitisse um pouco de sanidade. Mas, ele tinha prazer em matar. E prazer em matar é característica de psicopata. Portanto, hipoteticamente falando ele pode seguir com isso, até que o conceito de bandidos e mocinhos se confundisse, ou seja, ele passa a matar quem ele julgasse ser bandido, simplesmente porque gosta de matar. Porque pensa que é um tipo de deus.

Eu estava achando tudo aquilo uma tremenda catarse adolescente por parte do autor que subconscientemente ou espertamente estava dando aos adolescentes um vilão que eles podiam se identificar: Adolescente, inteligente, entediado, e com o poder de matar todo mundo, o que é o sonho secreto, instinto primário, de qualquer um nessa faixa de idade, ainda mais nos dias atuais.

Quando aquilo tudo estava prestes a se tornar tão divertido quanto um tratamento bucal de canal, felizmente surgiu “L”, e a história mudou. “L” era o misterioso superdetetive que mantinha sua identidade secreta. Em algum momento revelada em um personagem excêntrico, por isso, mesmo interessante. Começa uma verdadeira guerra de gato e rato entre “kira” (o equivalente sonoro de killer em japonês) e “L”. Não havia novidade nenhuma ali, mas precisamente foi este recalque dos confrontos de Sherlock Holmes e o Prof. Moriarty dos escritos de Conan Doyle, que foram para mim a salvação da história. Sempre fã de histórias de investigação fiquei confortável neste cenário e acompanhei com interesse este confronto. Nestes capítulos, ao menos, valeu a pena estar sentado diante da tela.

Contar mais seria estragar a história. Eu não preciso fazer isto, porque os próprios autores fizeram o trabalho quando resolveram “revolucionar” a trama e me fizeram voltar ao tratamento de canal assistindo até o final em clima de suplício.

O anime é um sucesso. Sorte dos autores, que hoje em dia, qualquer coisa faz sucesso. Tem algumas qualidades, mas peca no ínicio e no fim. A ponto de você se perguntar se valeu a pena perder tempo de sua vida, para ver aquilo. Mas, entre mortos e feridos, até que existem momentos de entretenimento. Se você estiver com preguiça de ler Conan Doyle e estiver com a sua crítica bem humorada Death Note pode ser divertido até nos piores momentos.

segunda-feira

Ruas de Fogo

“Sessão da Tarde”! Houve tempo em que ela foi mais interessante do que os filmes insossos de hoje em dia. Numa dessas, nos fins de 80, assisti o filme. Ele entrou para o “rol” dos filmes-bacanas-que-vi-nos-anos-80-e-viraram-cult na qual figuram “Curtindo a vida adoidado”, “De volta às aulas”, “Feitiço de Áquila”, “O enigma da pirâmide” e outros...

“A história é vendida como ““ Uma Fábula de Rock’n’Roll”, o que está correto. A história é em-algum-lugar-no-tempo-e-espaço-de-uma-cidade-que-é-todas-e-nenhuma, com a crueza da violência urbana, gangues, rock e anti-heróis.

E assim, o filme começa com um grande show da estrela Ellen Aim (Diane Lane) e seu grupo the Attackers se apresentando em Richmond, um distrito decadente de alguma megalópole decadente. É uma apresentação quase nostálgica, já que a cantora viveu lá, embora odeie o passado. A canção é “Nowhere Fast”. Sensacional no palco, a cantora Ellen Aim na verdade nunca compôs nada, e o seu empresário inescrupuloso, feio, baixinho e chato vivido por sempre competente Rick Moranis compra ou rouba as músicas.

Durante a apresentação, ela é seqüestrada por uma gangue de motoqueiros. A cidade está sob controle da gangue deixando a pequena força policial de mãos amarradas e postura pragmática diante das situações dramáticas em que cada quarteirão é um domínio de violência e vandalismo.

Diante dessa situação, o empresário e futuro noivo da cantora resolve contratar um mercenário para libertar a moça. O contrato é uma boa desculpa para o mercenário Tom Cody disfarçar o seu interesse no resgate, afinal, a cantora é uma antiga namorada que ele ainda ama e que o abandonou pela fama. “Contratado” para resgatá-la resta invadir o território das gangues. Nesta missão ele acabará encontrando outros personagens e situações, muita briga, romance e rock´n roll, são a sequência da história.

Os figurinos de Giorgio Armani, os neons, os diners, os motoqueiros rebeldes, os penteados rockabilly e os carros são dos anos 50, mas a sujeira das ruas molhadas, a decadência dos edifícios, algumas cores exageradas, ambientes new wave, roupas bufantes e cabelos com laquê não escondem sua origem nos anos 80. A fotografia de Andrew Laszlo com o desenho de produção, a edição com transições de quadrinhos, a trilha de pop, rockabilly, blues e soul é assinada por nomes como Ry Cooder ("Buena Vista Social Club"), Jimmy Iovine e Jim Steinman, a produção caprichada de Joel Silver e a direção de Walter Hill, tornam este filme despretensioso, mas com uma produção bem feita com um resultado “cool”.

Outra coisa elogiável na trama é a construção precisa de seus personagens. É possível definir cada persona e seus atos coadunam perfeitamente com seu perfil. Esta coerência dos personagens não é tão comum quanto possa parecer, infelizmente. Além disso, todos estão bem, mesmo em sua canastrice. O filme todo simplesmente funciona. Temos a fã Reva (Deborah Van Valkenburgh), a dupla de policiais formada por Ed Price (Richard Lawson) e Cooley (Rick Rossovich). A gangue dos Bombers liderada por Raven Shaddock, (Willem Dafoe, sempre bom como “mau”). Destaque para Bill Paxton, como o barman Clyde, que tenta impedir a ação da gangue e leva uma surra. O anti-herói Tom Cody (Michael Paré), e temos ainda McCoy (Amy Madigan), que se torna amiga imediata de Cody, e “parceiro de combate”.

Destaco ainda a apresentação de “Tonight Is What It Means to Be Young”, um verdadeiro hino não tocado nas rádios, mas inesquecível para os que assistiram o filme, em que se expressa musicalmente a juventude em toda a sua fantasia, tolice e energia.

Depois fui rever o filme nos anos 90 já com a devida “aura” Cult. E compreender melhor o quanto as personas eram definidas e ouvir a trilha sonora. Vale a pena conhecer o filme e as canções da fábula de rock´n roll..

Faixas da trilha sonora:

1. Nowhere Fast – Fire Inc

2. Sorcerer – Marilyn Martin

3. Deeper and Deeper – The Fixx

4. Countdown to Love – Greg Philinganes

5. One Bad Stud – The Blasters

6. Tonight Is What It Means to Be Young – Fire Inc

7. Never Be You – Maria Mckee

8. I Can Dream About You – Dan Hartman

9. Hold That Snake – Ry Cooder

10. Blue Shadows – The Blasters