Panacéia dos Amigos

VISITAÇÃO

segunda-feira

O Livro de Eli

Embora reconheça que Denzel Washington é um ator talentoso, versátil, não há muitos filmes com ele que tenham sido registrados especialmente. Mas este, ficará. “O Livro de Eli”.

É bem verdade que, neste caso, a temática do filme será mais indelével a memória do que seu protagonista, isto às vezes acontece, como no caso de Matrix filme no qual o insosso Keanu Reaves simplesmente é absorvido por uma trama tão envolvente que nem mesmo ele consegue estragar tudo. Não é o caso de Denzel cuja contribuição do com seu carisma e capacidade de assumir a “persona” necessária foram importantes para o resultado final. Atores talentosos são capazes disto.

A produção do filme é bem cuidada, no sentido de ser descuidada. Afinal, é um mundo pós – apocalíptico e o ambiente é sujo, desagradável e angustiante o tempo todo. A direção dos irmãos Hughes (que filmaram “Do Inferno” com Johnny Depp) não atrapalha, não é especialmente atrativa ou talentosa. A trilha sonora é irrelevante. Os atores se resumem a Denzel e o sempre marcante Gary Oldman, neste caso com uma atuação tensa e controlada, precisa. Os demais apenas circulam em volta sem grandes interferências ou destaques.

A trama gira em torno do caminhante Eli cuja peregrinação o leva constantemente ao oeste dos Estados Unidos, ele não compreende o porquê, apenas segue, acreditando ser uma missão inspirada divinamente. O que mantém sua fé foi que a mesma inspiração o ajudou a encontrar um precioso livro, que são raros neste novo mundo. E este livro, seu principal tesouro é justamente o objetivo de incessantes e muitas vezes cruéis buscas por parte de Carnegie (Gary Oldman), o chefe de um inóspito vilarejo e motivo de muitos conflitos com lutas elegantes e perseguições.

O tema leva a várias considerações interessantes: O que foi o conflito? Como a humanidade pôde decair tanto? O que faríamos em situação similar? Estamos caminhando para ela? O final surpreende e emociona. Uma frase em especial pontua o tom de toda a história quando Eli comenta com uma personagem como era a vida antes e diz que “havia de tudo para todos e até demais e as pessoas jogavam fora coisas pelas quais, hoje, são capazes de matar!”

Mila Kunis com sua personagem Solara deixa a desejar. E é um papel importante na trama. A falta de presença de cena da atriz ainda repercute no final de sua personagem, enfraquecendo-o. Uma pena.

Um filme instigante. Perturbador. Um conselho: vá até sua cozinha. Encha um belo copo de água e o sorva lentamente, com prazer. É água tratada, ao seu alcance com facilidade. Na verdade, muitas vezes nos esquecemos de quão grande e maravilhoso é este privilégio e outros aparentemente tão simples que gerações do passado não tiveram e que, esperamos, as gerações futuras possam ter.

Nenhum comentário:

Postar um comentário