Panacéia dos Amigos

VISITAÇÃO

quinta-feira

Magia

Magia é a mais elevada ciência existente em nosso planeta, pois ensina o metafísico assim como as leis metafísicas validas em todos planos. Esta ciência tem sido chamada magia desde que os registros humanos começaram, mas isto tem sido reservado à círculos especiais, principalmente compostos de altos-sacerdotes e altos governantes.

Eles somente conheciam a verdade mas mantinham-la secreta. Eles não somente estavam completamente cientes com a síntese de sua própria religião mas também de todas outras. O povo, por outro lado, era ensinado sobre religião somente através de símbolos. Levou muitos séculos até que fragmentos escassos desta ciência eram também feitos conhecidos pela humanidade de um modo velado, como era entendido.

Devido à que a maioria das pessoas não passaram por qualquer treinamento nestas organizações, eles podiam somente entender estes fragmentos de seu ponto de vista individual e , em consequência, passar seu conhecimento incompleto e unilateral. Este é o motivo pelo qual a ciência mágica foi, sem exagero, permanecendo uma ciência secreta até esta data.

O verdadeiro entendimento destas leis mágicas depende da maturidade espiritual do indivíduo. Para alcançar esta maturidade um certo pré-treinamento é absolutamente necessário. O leitor irá conseqüentemente achar natural que ele deva ser totalmente familar com a primeira carta de tarô, ao menos até o passo 8, se ele deseja ter mais sucesso positivo em sua prática da alta magia.

Não há milagres como tal, conseqüentemente não há nada sobrenatural. Os fatos e efeitos permanecem obscuros porque as pessoas não são capazes de percebe-los de primeira mão.Magia é a ciência que ensina a aplicação prática das leis mais baixas da natureza até as mais altas leis do espírito. A pessoa que tem a intenção de aprender sobre magia deve primeiro aprender a entender o funcionamento das leis mais baixas da natureza de modo a conceber as leis baseadas nela e finalmente (nt: conceber) as leis mais elevadas.

Dependendo do nível que o leitor tiver alcançado ou das leis com que ele está lidando no momento, ele pode, para obter uma melhor pesquisa, separar a ciência mágica em três grupos; ou seja, na ciência mágica inferior, a qual compreende nas leis da natureza e seu trabalho, funcionando e controlando que pode, se você desejar, ser chamada de ciência mágica natural.

Adiante, no estágio intermediário de magia compreendendo a operação, funcionamento e controle das leis universais dentro do homem, o que é o microcosmo, o pequeno mundo; e finalmente na alta ciência mágica compreendendo a operação, o funcionamento e o controle das leis do macrocosmo, e de todo o universo.

A ciência mágica pode ser comparada com o sistema escolar: Baixa magia é assunto das classes elementares; magia intermediária, a magia do homem, é ensinada nas escolas secundárias ou técnicas(nt:preparatórias); e a alta magia é discursada na universidade.

Mas de acordo com a tábua hermética, o axioma universal válido para a magia é "como acima, assim é embaixo" e vice-versa, é, falando restritamente, não correto falar em baixa, intermediária e alta magia.

Há realmente uma única magia, e o grau de maturidade com o qual o mago em questão chegou é a medida para seu desenvolvimento individual.

Fonte: Retirado do livro “guide to magical evocation” – Franz Bardon.

quarta-feira

Conversando sobre Projeção e Aura

1. O que é uma viagem astral?

- É a capacidade parapsíquica do espírito projetar-se temporariamente para fora do corpo, principalmente durante o sono.

2. Qualquer pessoa pode realizar uma experiência dessas?

- Sim, pois é uma capacidade humana latente de todo mundo. Não é necessário seguir nehuma doutrina ou mudar a maneira de ser para desenvolver o controle consciente em si mesmo.

3. Muitas pessoas têm essas experiências e não sabem como lidar com elas?

Sim, o número de pessoas que já passou por experiências assim é muito grande. Inclusive, há pessoas que acordam de madrugada sem conseguir se mexer e nem abrir os olhos. Elas tentam gritar para chamar alguém e não sai voz nenhuma. Repentinamente, despertam abruptamente e acham que isso foi um pesadelo.

4. Quando a pessoa está cochilando ocorre algo assim?

- É muito comum a pessoa sentir uma sensação de estar caindo logo no início do sono. Daí, ela desperta assustada sem entender o que ocorreu.

5. Não há perigo da pessoa perder-se numa viagem dessa?

- Não, pois há uma ligação espiritual-energética interligando seu espírito ao corpo durante a experiência. Essa ligação é conhecida nos meios espiritualistas com o nome de "cordão de prata". Por mais longe que vá, essa conexão espiritual sempre trará a pessoa de volta para o corpo.

6. É necessário ser um sensitivo ou médium para fazer uma viagem dessas?

- Não, já que é uma capacidade humana natural e comum a todos. Porém, para alguém que participe de alguma atividade espiritual há uma certa ampliação na aura e isso favorece bastante um resultado positivo.

7. O que é aura?

- Aura é o campo energético multicolorido que envolve o corpo humano. É a atmosfera espiritual de uma pessoa, refletindo os seus pensamentos, sentimentos e energias como várias faixas de cores no campo energético.

8. É possível uma pessoa interferir energeticamente na aura de outra?

- Sim, dependendo das circunstâncias. Como exemplo, podemos citar aquelas pessoas que quando se aproximam, imediatamente sentimos uma certa irritação ou desconforto psíquico. Essas pessoas são chamadas popularmente de "seca pimenteiras", pois se apontarem o dedo para uma plantinha, a mesma seca! Obviamente que algum tipo de energia saiu da mão da pessoa e pegou na planta.

Essas pessoas acabam prejudicando a outras com suas emanações nocivas. Por isso, esse assunto é fantástico, pois permite ensinar as pessoas como lidar com esse tipo de situação e permanecer equilibrado.

9. Mas, há pessoas com a aura boa também, não é?

- Felizmente sim, embora as pessoas achem que o mundo piorou, há pessoas muito boas vivendo no mundo conosco. É que a mídia e as pessoas não comentam sobre o bem que foi feito, pois dá mais ibope falar da tragédia e da dor. Há pessoas que só de chegarem em um ambiente, sua atmosfera melhora todo mundo. São doadoras de vibrações saudáveis. São portadores de luz invisível.

10. É possível perceber alguma coisa espiritual durante uma saída do corpo?

- Sim, e isso é uma das maiores vantagens dessa experiência. É possível encontrar as pessoas que amamos e que já morreram. Aí, descobrimos que elas estão vivas em outra dimensão (plano espiritual), como espíritos, e que a morte não mata a consciência e nem o amor. Desde que uma pessoa se vê projetada fora do corpo, isso muda seus parâmetros em relação a várias coisas.

Quando alguém perguntar para ela se acredita em vida após a morte, ela dirá que não acredita, mas tem certeza absoluta, e isso não é uma questão de fé, mas de plena convicção consciente.Também é possível entrar em contato com seres espirituais elevados que podem ensinar coisas incríveis, ou mesmo ensiná-la a aplicar energia para cura invisível e silenciosa.

Fonte: http://www.misteriosantigos.com/proj.htm

terça-feira

Confúcio

Cerca de cinco séculos e meio antes da vinda de Cristo, a onda de genialidade que pareceu florescer em várias das mais importantes civilizações da história também deixou suas marcas na China. Enquanto na Grécia nomes como Pitágoras, Heráclito, Arquimedes e, logo adiante, Sócrates e Platão, dentre outros, marcavam os sulcos de uma nova etapa no pensar humano no ocidente e na Índia, Buda lançava as raízes de um novo e original movimento espiritual, a China via surgir dos movimentos que, embora tomando caminhos diferentes, são em tudo complementares: o espiritualismo sutil do taoísmo de Lao Tse e a ética social de Confúcio, e é esta figura extremamente curiosa, que tão fortemente influenciou a civilização chinesa, ao ponto de se confundir a noção que temos do comportamento típico chinês com a sua doutrina, que iremos conhecer agora, em linhas muito gerais, sem muito aprofundamento.

Foram os missionários jesuítas de fins do século XVII que apresentaram ao ocidente os primeiros traços de Confúcio. Aliás, devemos a eles até mesmo o nome com que o conhecemos no ocidente, já que o nome Confúcio (no original, Confucios) é a forma latina sob a qual eles acharam melhor traduzir o nome Kung Fu-Tse, "O Mestre Kung", como era realmente conhecido na China.

Nascido em aproximadamente 551 a.C., Confúcio era descendente de uma família nobre, mas que ocupava, à época, uma posição pouco significativa - diríamos das camadas mais baixas da nobreza - no estado de Lu, no sudueste da China.

Ao que tudo indica - no que podemos extrair das brumas de seus primeiros anos -, Confúcio teve uma infância atribulada, era um tanto desajeitado, de enorme estatura (para a época, ter mais de 1,80 m, como será seu caso, era algo que impressionava), perdeu seus pais muito cedo e tinha um aspecto, para dizer o mínimo, desprovido de encantos físicos. Tudo isso, porém, parece tê-lo feito voltar-se para si mesmo e, neste aspecto, tê-lo feito compreender e sentir o valor que o contato íntimo com outras pessoas, em especial o real contato que transcenda as aparências para a aceitação do outro pelo outro, era a única forma de trazer harmonia e paz de espírito aos homens, fazendo do sentimento de irmandade o lastro para a paz social. Em sua época, a China começou a se esfacelar em inúmeros estados feudais, onde cada soberano queria impor suas regras aos demais. Este processo de fragmentação minava a tradição chinesa anterior que via na ordem natural e social o fator chave para a vida em comunidade. Este processo teve um grande impacto também em outro gênio da China, Lao Tse, o grande filósofo e místico que, ao se retirar da vida pública por achar que não mais havia lugar para ele em meio às turbulências políticas de sua época, deixou, porém, sua herança numa obra de grande valor, o Tao Te King, onde estava exposto as bases de um amplo movimento espiritual, o Taoísmo, que tão grande influência exerceu sobre a prática da medicina chinesa.

Ao cabo de um grande esforço intelectual e retidão moral, Confúcio logo logrou obter a fama de excelente professor e, com isso, foi tomado como precptor e mestre dos filhos de um alto dignatário da Casa Real de Lu, seu estado natal e, por capricho do destino, o real mandatário daquelas terras.O seu sucesso como professor e homem de idéias o levou, posteriormente, a ocupar um cargo de maior envergadura pública, algo ao qual ele aspirava há anos para por em marcha seu plano de reformas sociais. Foi como administrador público que sua fama obteve grande repercussão, como podemos obter desta descrição dos "Analectos":

"Ele baixou regulamentos para a efetiva alimentação dos vivos e para o enterro dos mortos. Velhos e jovens recebiam comida diversificada, fortes e fracos tinham funções diferenciadas (...)" (Brunner-Traut, org., 1999, p. 182)

Para Confúcio era por demais óbvio que uma boa administração deveria não só zelar pelo bom andamento da coisa pública, mas - e principalmente - cuidar dos meios de uma vida digna e feliz para seu povo, pois o Estado é que foi feito por e para o povo e não o inverso como, infelizmente, tantas vezes pareceu ser na história e, nos atuais dias "modernos" e neolíbero-globalizado, passou a ser joguete dos interesses de empresas multinacionais poderosas. Para Confúcio, assim como pouco mais adiante faria Platão e, bem depois, tentaria Maquiavel - com pontos de vista bem menos idealistas -, sua compreensão da boa forma de administração o obrigava ao papel de professor e exemplo para príncipes e reis em toda a China. Não que ele quisesse ser um deles, mas sim pela obrigação de lembrar-lhes que eles tinham nascido para cumprir um papel e uma obrigação profunda para com o Estado, nunca devendo esquecer que são eles os representantes não tanto de seus interesses, mas do povo ao qual têm a obrigação de governar, até mesmo para o seu próprio bem-estar.

As idéias de Confúcio, apesar te terem iniciado um período de relativa paz entre Lu e estados vizinhos, bem como crescente contentamento popular, foi vista com desconfiança por outros senhores feudais, pois, se elas extravasassem as fronteiras de Lu, poderia ameaçar o poder de outros senhores bem menos voltados à reformas sociais. Para poderem emperrar o processo de reformas, alguns senhores resolveram usar de um estratagema que se mostrou extremamente eficaz. Eles resolveram presentear o senhor de Lu com um grupo das mais belas e talentosas jovens de seus domínios. O jovem e volúvel senhor de Lu ficou de tal modo encantado com os dotes artísticos e sexuais das jovens que, simplesmente, cancelou todas as suas funções por quase uma semana, tendo, ainda, negligenciado suas tarefas nos meses posteriores. Isso foi um duro golpe à imagem de austeridade autruísta que as Reformas de Confúcio tinham iniciado, e não restou ao ferido Mestre Kung outra alternativa que não o de abandonar a corte. Desde então, Confúcio iria percorrer parte da China buscando por um outro príncipe que lhe permitisse reiniciar suas reformas em outra corte, sem sucesso, por treze anos ininterruptos.

Acreditando que sua proposta acabaria por ser ouvida por algum senhor feudal, Confúcio perambulou, junto com seus discípulos mais chegados, por boa parte do centro-sul da China. Frustrado e abatido, o Mestre Kung, apesar de ser ouvido com admiração por muitos, não logrou conquistar seu intento. Precedido quase sempre pela propaganda formulada por seus inimigos (e como é eficaz esta prática, não? Não vemos a eterna elite brasileira perpetuando os Fernandos no poder deste país em prol de seus interesses fazendo a mesma propaganda de desonra contra as forças progressistas desta país da mesma forma que os fariseus influenciaram, pela propaganda, o povo a escolher Barrabás?), frequentemente Confúcios era ouvido sendo, por trás, ridicularizado. Diante da incompreensão, inveja e despeito, suspirava Confúcio: "Não posso conviver com os pássaros e com os animais selvagens; e se não me é permitido conviver com essa geração humana, com quem então? Se o mundo estivesse em ordem, não necessitaria de alguém teimoso como eu para modifcá-lo".

Cansado e convencido da estreiteza de visão dos soberanos de sua época, Confúcio decide voltar à sua terra, como mestre público, dedica à divulgação das idéias da tradição mais nobre da China.

O papel da propaganda contra as idéias de Confúcio conseguiu seu intento, como a dos Fariseus conseguiu o seu e o da burguesia Américo-Brasileira tem conseguido nas últimas eleições. Até mesmo as pessoas mais simples conheciam a fama de Confúcio, mas não como Mestre, mas como um sonhador perigoso ou inútil, como fica claro neste texto:

"Tzen-lu pernoitou junto a um portão de pedra. O guarda do portão falou: 'De parte de quem?' Tzen-lu respondeu: "De Kung Fu Tse". Então disse o guarda: 'Não é aquele que sabe que o que pretende não fuciona, e que, assim mesmo, insiste?' (Lun yü, 14141).

Retornando à sua província natal, Confúcio estava já chegando aos setenta anos de idade. Alguns de seus discípulos conseguiram cargos importantes em carreiras públicas, mas o velho mestre já havia desistido qualquer trabalho nessse sentido. Resolvera se dedicar unicamente ao magistério, vivendo do que lhe davam os alunos e discípulos, nada cobrando, porém, dos mais pobres. Foi nesta época que ele se dedicou a escrever textos próprios e a organizar os livros clássicos chineses, entre eles, o I Ching.

As lutas intestinas na China deixaram ainda mais tristes os últimos dias de Confúcio sobre a terra. Frustrado e desesperançado, ele acreditava que sua vida tinha sido inútil. Chegou a expressar sua desesperança de forma tocante neste texto: "O pássaro Feng" (o equivalente chinês da mitológica ave Fênix) "não vem; as mutações não trazem nenhum plano básico. Eu estou acabado".

Confúcio morreu no ano 479 a.C. Seus discípulos coletaram seus escritos e os registros de seus discursos e levaram adiante a mensagem do mestre de uma Ética para a paz da China. Hoje, o confucionismo é a principal escola filosófica do país, e não foi à toa que a Revolução Comnista de 1949 teve ampla aceitação e ampla resistência do Ocidente, já que as principais metas a que se propunha era restaurar a dignidade da China (perdida pelo domínio dos países europeus que faziam da China um quintal onde explorar riquezas e mão de obra especializada) e reergue-la tendo com máxima o bem estar coletivo, em moldes muito próximos ao que sonhava Confúcio.

A Doutrina

Estas são algumas transcrições dos ensinamentos de Confúcio, apenas para se dar uma idéia de seus ensinos:

"Um jovem em casa deve amar os pais, e fora de casa respeitar os velhos. Deve ser discreto mas, ao mesmo tempo, falar com convicção quando se fizer necessária a sua ação; deve amar a todos os homens, sem distinção, e alegrar-se com as pessoas de bom coração. Se assim se portar, terá condições de bem se governar e a outros".

"Se tiverdes acesso à fama, comporta-te como se estivesses a receber um hóspede; se estiverdes no governo de um povo, comporta-te como se estivesses pronto a oferecer um grande sacrifício".

"Para onde quer que fores, vai todo, leva junto teu coração".

"Não te suponhas tão grande ao ponto de pensares ver os outros menores que ti".

"Lembre sempre que existes porque existiram outros antes de ti".

"Se queres demosntrar como queres ser tratado, trata desta forma primeiro aos demais".

"Se o povo for conduzido apenas por meio de leis e decretos impessoais e se forem trazidos à ordem apenas por meio de punições, ele apenas procurará evitar a dor das punições, evitando a transgressão por medo da dor. Mas se ele for conduzido pela virtude e trazido à ordem pelo exemplo e pels ritos em comum, ele terá o sentimento de pertencer a uma coletividade e o sentimento de vergonha quando agir contrário a ela e, assim, bem se comportará de livre e espontânea vontade".

Confúcio se via apenas como um professor e, no máximo, reformador social, sem querer formar uma religião ou mesmo uma doutrina com traços próximos ao de uma religião. Não se apresentava como um homem santo e nem especulava ou ensinava sobre os mistérios do universo. Respeitava aquilo que ele chamava de "nível transcendente do mundo" e exigia que da mesma forma como é necessário uma ética para com os homens, assim deveria haver o mesmo respeito para com a divindade, mas não se aprofundava em discorrer sobre as relações do homem com o Divino, pois julgava que elas se tornariam mais puras à medida em que mais puras fosses as relações dos homens entre si. Seu empenho pleno era o de que o homem agisse moralmente, de acordo com os ditames do coração e da razão, pois o indivíduo só se desenvolvem plenamente no meio do coletivo que o sustenta e o eleva ou rebaixa. Assim, pois, é controvertida a classificação do confucionismo como religião, no sentido convencional do termo..

Por Carlos Antonio Frafoso Guimarães

quarta-feira

As Sete Maravilhas do Mundo Antigo - Pirâmides do Egito

Única maravilha do mundo antigo ainda existente, as Pirâmides do Egito foram construídas há cerca de 4.500 anos. Sua finalidade, segundo a crença comum e alguns historiadores, era servir de tumba para preservar os despojos reais dos faraós, demonstrando, na sua grandeza, a própria grandeza dos faraós.

A Grande Pirâmide é a maior das três pirâmides construídas em Giza, no Egito Antigo. Esta impressionante estrutura foi construída por volta de 2550 A.C. como monumento funerário de Quéops (também conhecido como Qufu) o segundo rei da 4° dinastia.

A Grande Pirâmide tem uma base quadrada, com lados de 230 metros, alinhada com os pontos cardeais. Os lados são elevados em um ângulo uniforme de mais ou menos 51 graus até um ponto central a 147 metros da base. A pirâmide era originalmente revestida com calcário liso e de uma cor clara.

Até o dia de hoje não se tem certeza de como este admirável monumento foi construído. O historiador grego Herodoto escreveu que 100.000 homens trabalharam durante 20 anos na construção da Grande Pirâmide. A maioria dos especialistas "acreditam" que foram usadas rampas feitas de tijolo e areia para levantar os blocos, alguns pesando mais de 16 toneladas, para a sua posição devida.

Apesar de que as pirâmides foram feitas para salvaguardar o corpo e posses dos reis mortos, as estruturas foram atacadas e roubadas não muito depois de terem sido acabadas. Quando os exploradores modernos entraram na Grande Pirâmide, os tesouros nela enterrados juntamente com Qufu já tinham desaparecido, e até mesmo o revestimento de calcário das pedras já tinha sido roubado por ladrões.

A construção mais antiga do mundo é moderna mesmo para os padrões atuais. Seus alicerces contêm esferas e cavidades, tais quais as pontes do século XX. Está sujeita a movimentos de expansão e contração sob a ação do calor ou do frio, assim como possui proteção contra terremotos, intempéries e outros fenômenos da natureza. E aí pode estar um dos motivos de sua tão longa duração, diferentemente do que ocorreu com as outras maravilhas do mundo antigo.

O revestimento original de alabastro era feito de 144.000 pedras ao todo e era tão brilhante que poderia ser visto a quilômetros de distância. O tipo de material utilizado para manter unidas as pedras está intacto e é mais resistente que as próprias pedras que une.

A construção da Pirâmide revela um grande conhecimento, por parte de seus construtores, de geografia, história, astronomia, geologia, matemática e outras ciências, o que pode ser constatado por sua localização, medidas, inclinação e curvatura. Durante séculos, a Pirâmide foi denominada "o centro das dimensões e do conhecimento".

E agora, às portas do século 21, a Pirâmide coexiste com todos os avanços tecnológicos citados no início. E mesmo utilizando-se as mais complexas técnicas que hoje se conhece, não conseguiria ser reproduzida. Ela, com toda sua majestade e simplicidade, resguarda o Conhecimento há séculos e resiste ao tempo para contar, talvez também, a nossa História.

Entretanto, a Grande Pirâmide não guarda restos de nenhum faraó e seus tesouros. Esta maravilha antiga guarda, sim, um grande mistério em torno de sua construção e finalidade. E quanto mistério não deve estar ainda escondido sob as imensas pedras de Gisé...

Fonte: http://www.misteriosantigos.com

terça-feira

As Sete Maravilhas do Mundo Antigo - Farol de Alexandria

Considerada uma das maiores produções da técnica da antigüidade, o Farol de Alexandria foi construído por volta de 300 a.C. pelo arquiteto grego Sóstrato de Cnido.

Sobre uma base quadrada erguia-se uma esbelta torre octogonal de cerca de 130 metros de altura, que por mais de cinco séculos guiou todos os navegantes num raio de 55 quilômetros da antiga capital egípcia.

Durante a noite, uma enorme chama era mantida acesa na base do edifício e o combustível utilizado era, provavelmente, estrume ressecado. Um jogo de espelhos de bronze levava a luz até o topo e a emitia para o alto mar.

O efeito era tão grandioso que, segundo relatos da época, era como se um sol brilhasse à noite. Essa obra, feita toda em granito, começou a ruir no século IV, quando terremotos e deslizamentos tragaram boa parte de Alexandria, acabando com o brilho da "cidade dos mil palácios".

segunda-feira

As Setes Maravilhas do Mundo Antigo - Colosso de Rhodes

O Colosso de Rhodes é considerado a mais famosa estátua gigante da antigüidade. Foi construída em homenagem a Hélios, o deus do sol. Sustentando em suas mãos um archote aceso, apoiava seus pés sobre a entrada do porto de Rhodes.
Feita de ferro, media de 30 a 40 metros e pesava cerca de 70 toneladas.Segundo a tradição, após a vitória sobre o rei Macedônio, os habitantes de Rhodes decidiram fundir uma estátua em homenagem ao seu deus protetor, Hélios, deus grego do sol. O material utilizado na escultura foi obtido da fundição dos armamentos que os macedônios ali abandonaram. A obra foi confiada ao escultor Charese de Lindos e os primeiros esboços começaram no ano 291 a.C. só sendo concluída 12 anos mais tarde. Uma embarcação que chegasse à ilha grega de Rodes, no Egeu por volta de 280 a.C. passaria obrigatoriamente sob as pernas da estátua de Hélios, protetor do lugar. É que o colosso tinha um pé em cada margem do canal que dava acesso ao porto. Na mão direita da estátua havia o archote (farol) que orientava as embarcações à noite. Era uma estátua tão imponente que um homem de estatura normal não conseguiria abraçar seu polegar.
A estátua manteve-se firme durante pouco mais de 50 anos, sendo derrubada por um terremoto que assolou Rhodes. Sobre o pedestal não ficaram mais do que os restos de seus enormes pés, que foram comprados por um comerciante que fundiu todo o ferro. Deste modo, não subsiste qualquer vestígio da estátua de Hélios, uma das mais célebres maravilhas da antigüidade..

sexta-feira

As Sete Maravilhas do Mundo Antigo - Mausoléu de Helicarnasso


O príncipe Mausolo, vice-rei da província persa de Caria, mandou construir por volta do ano 360 d.C.  um túmulo destinado a fazer perdurar a sua fama através dos tempos.
Essa obra foi confiada aos melhores e mais famosos arquitetos e escultores, mas o príncipe não chegou a vê-la concluída.
O majestoso túmulo erguia-se a quase 50 metros de altura e era rodeado por colunas, coberto por um telhado feito de degraus, dando uma impressionante sensação de grandiosidade.
No século XVI, os cavaleiros de São João transformaram o túmulo em uma pedreira para a construção da Fortaleza de São Pedro de Helicarnasso.

quinta-feira

As Sete Maravilhas do Mundo Antigo - A Estátua de Zeus



Sentado em seu trono de cedro, vestido com uma toga de ouro e todo ornamentado com pedras preciosas, Zeus, o deus do Olimpo, reinava soberano no oeste da Grécia, na planície do Peloponeso. Era considerado o senhor do Olimpo, pai dos deuses, protetor dos reis e defensor da lei e da ordem.

Foi a grande importância de Zeus que inspirou Phídias, o célebre escultor ateniense, a realizar o que foi sua obra-prima: a estátua de Zeus. A obra foi colocada em Olímpia, cidade famosa por suas construções e monumentos ligados aos jogos olímpicos, que eram realizados de quatro em quatro anos para homenagear justamente o deus Zeus.

 

Por volta do ano 393 da era moderna, época em que Roma dominava o mundo conhecido, o imperador romano Teodósio baniu os jogos olímpicos da Grécia e o templo de Zeus foi fechado. A estátua foi transportada por um rico grego para um palácio em Constantinopla e lá permaneceu até ser destruída em um grande incêndio, por volta do ano 462 da Era Cristã.


terça-feira

As Sete Maravilhas do Mundo Antigo - O Templo de Ártemis



...E assim 800 anos depois de sua destruição, o magnífico Templo de Artemis em Efesus, uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo, foi completamente esquecido pelas pessoas da cidade. O mesmo Templo que era sinal de orgulho pelos seus habitantes.

...E não há nenhuma dúvida que o Templo era realmente magnífico. " Eu vi as paredes e Jardins Suspensos da Babilônia, " escreveu Philon de Byzantium, " a estátua de Zeus olímpico, o Colosso de Rhodes, o trabalho poderoso das Pirâmides altas e a tumba de Mausoléu. Mas quando eu vi o templo em Efesus que sobe às nuvens, todas estas outras maravilhas foram postas na sombra ".
Então, o que aconteceu a este templo? E o que aconteceu para a cidade ? O que fez Efesus passar de um movimentado porto de comércio para um pântano?

Os Vários Templos a Artemis ou Diana
O primeiro santuário para a Deusa Artemis foi construído provavelmente em torno de 800 a.C. em uma faixa pantanosa perto do rio em Efesus. A Deusa Artemis de Efesus, às vezes chamada de Diana, não é a mesma Artemis cultuada na Grécia. A Artemis grega é a deusa da caça. A Artemis de Efesus era uma deusa de fertilidade e foi pintada freqüentemente com peitos múltiplos, símbolos de fertilidade.

Aquele templo mais antigo tinha uma pedra sagrada, provavelmente um meteorito que tinha caído de Júpiter ". O santuário foi destruído e foi reconstruído várias vezes durante uns cem anos. Em 600 a.C., a cidade de Efesus tinha se tornado um porto principal de comércio e um arquiteto nomeado Chersiphron foi designado para construir um novo templo, só que maior. Ele o projetou com altas colunas de pedra. Preocupado que as carroças que fossem carregar as colunas atolassem, Chersiphron pôs as colunas nos lados rolou-as até o local onde elas seriam erguidas.

Este templo não durou muito. Em 550 a.C. o Rei Croesus de Lydia conquistou Efesus e as outras cidades gregas de Ásia Menor. Durante a luta, o templo foi destruído. Croesus se provou um vencedor cortês, contribuindo generosamente à contrução de um novo templo.

Este estava próximo do último dos grandes templos de Artemis em Efesus. Acredita-se que o arquiteto é um homem chamado Theodoro. O templo de Theodoro tinha 300 pés de comprimento e 150 pés de lado, com uma área quatro vezes maior que a do templo anterior.. Mais de cem colunas de pedra apoiavam o telhado volumoso. O novo templo era o orgulho de Efesus até as 356 a.C. quando uma tragédia, chamada Herostratus, surpreendeu.

Herostratus de Efesus, um jovem que não media esforços para ter seu nome escrito na história. E ele conseguiu isso, queimando o templo, e levando-o ao chão.Os cidadãos de Efesus ficaram tão apavorados com esse ato que eles decretaram que quem falasse em Herostratus seria executado.
Logo após esta ação horrível, um templo novo foi "encomendado". O escolhido foi Scopas de Paros, um dos escultores mais famosos da época. 

Efesus era neste momento uma das maiores cidades na Ásia Menor e nenhuma despesa foi poupada na nova construção. De acordo com Piny um antigo historiador romano, o templo era um " monumento maravilhoso do esplendor grego, e que é digna da nossa admiração."

O templo foi construído no mesmo lugar pantanoso, como antes. Acredita-se que a construção foi a primeira a ser completamente construída com mármore e uma das suas características mais incomuns eram 36 colunas, cujas porções mais baixas foram esculpidas com figuras de alto-alívio. O templo também alojou muitas obras de arte, incluindo quatro estátuas de bronze de mulheres Amazonas.

O comprimento do novo templo era de 425 pés e a largura era de 225 pés. 127 colunas de 60 pés de altura sustentavam o talhado. Em comparação com o Pathernon, cujas ruínas estão em Acrópolis em Atenas, tinha apenas 230 pés de comprimento, 100 pés de largura e tinha 58 colunas.

De acordo com o historiador Piny, a construção levou 120 anos, entretanto alguns peritos suspeitam pode ter levado só a metade do tempo. Nós sabemos que quando o Alexandre o Grande chegou em Efesus em 333 a.C., o templo ainda estava em obras. Ele se ofereceu financiar a conclusão do templo se a cidade o creditasse como o construtor. Os vereadores não quiseram o nome de Alexandre esculpido no templo, mas não quiseram lhe contar isso. Eles deram a resposta diplomática : "Não está certo que um deus construa um templo para outro" e Alexandre não levou a sua idéia adiante .

Rampas térreas foram empregadas para levar as vigas de pedra pesadas para cima das colunas. Este método parecia funcionar bem até que uma das maiores vigas fosse colocada em cima da porta. Foi abaixo, torta e o arquiteto não achou nenhum modo para conseguir desentortá-la. Ele estava preocupado até que ele teve um sonho na qual a Deusa apareceu lhe dizendo que ele não deveria se preocupar, pois Ela tinha movido a pedra para a posição formal. Na manhã seguinte, o arquiteto achou que o sonho foi verdade. Durante a noite, o povoado tinha colocado a viga no seu devido lugar.

A cidade continuou prosperando durante uns cem anos era o destino de muitos peregrinos que iam ver o templo. Um comércio de souvenirs se espalhou ao redor do santuário. Eles vendiam miniaturas de Artemis, talvez semelhante a estátua dela do templo. Foi um desses empresários, Demetrius, que deu a St. Paul momentos desagradáveis em sua visita a cidade, 57 d.C.

St. Paul veio para a cidade para converter pessoas para a então nova religião, o Cristianismo. Ele obteve tanto êxito que Demétrius temeu que as pessoas esquecessem de Artemis e ele fosse perder o seu sustento. Ele chamou outros comerciantes e fez um discurso agressivo: "Grande é Artemis de Efesus !". Então eles prenderam dois companheiros de St. Paul e uma multidão seguiu. Finalmente a cidade foi em silêncio, os homens de St. Paul liberados e Paul voltou para Macedonia.
Foi o Cristianismo de St. Paul que ganhou no fim. Na época em que o grande Templo de Artemis foi destruído durante uma invasão gótica em 262 D.C., a cidade e a religião de Artemis estavam em declínio. Quando o Imperador romano Constantine reconstruiu Efesus, depois de um século, ele se recusou recontruir o templo. Ele tinha se tornado um cristão e tinha pouco interesse em templos pagãos.

Apesar dos esforços de Constantine, Efesus caiu em relação a sua importância como uma das capitais do comércio. A baía onde navios ancoravam desapareceu, e o lodo do rio tomou conta dela. No fim, a cidade ficou a milhas do mar, e muitos dos habitantes deixaram o pântano para viver em colinas vizinhas. Os que permaneceram usaram as ruínas do templo para realizar contruções. Muitas das finas esculturas foram moidas e viraram pó, para fazer gesso.

Em 1863 o Museu Britânico enviou John Turtle Wood, arquiteto, para procurar o templo. Wood encontrou muitos obstáculos. A região estava infestada de bandidos. Trabalhadores eram escassos. O orçamento dele era muito pequeno. A maior dificuldade era descobrir onde estava o templo. Ele procurou o templo durante seis anos. Cada ano o Museu britânico ameaçava cortar os fundos a menos que ele achasse algo significante, e ele sempre os convencia a arcar por mais um ano.

Wood continuou voltando ao local todo ano apesar do sofrimento. Durante a primeira estação ele foi lançado de um cavalo e quebrou a clavícula. Dois anos depois ele foi apunhalado no coração numa tentativa de assassinato do Cônsul Britânico em Smyrna.

Finalmente em 1869, 20 pés ao fundo de uma cova, a tripulação dele bateu na base do grande templo. Wood escavou e removeu 132,000 jardas cúbicas de pântano para deixar um buraco de 300 pés de largura. Foram achados os restos de algumas esculturas e foram transportados o para Museu Britânico onde eles podem ser vistos até hoje.

Em 1904, uma outra expedição do Museu Britânico, sob a liderança de D.G. Hograth continuou a escavação. Hograth achou evidências de cinco templos no local, construídos um em cima do outro.

Hoje o local do templo é um campo pantanoso. Uma única coluna está erguida para lembrar aos turistas que uma vez, esteve naquele lugar uma das maravilhas do mundo antigo.

segunda-feira

As Sete Maravilhas do Mundo Antigo-Os Jardins Suspensos da Babilônia


Minúsculos chips de computadores, satélites de telecomunicações, viagens espaciais, lentes de contato, Internet, telefones celulares, ressonância magnética nuclear, TV a cabo, Projeto Genoma, videoconferências de qualquer ponto do planeta, engenharia genética... Sem dúvida nenhuma, os avanços tecnológicos conseguidos após quase 2.000 anos da Era Cristã, em todas as áreas onde o ser humano atua, pode ser considerado assombroso. Uma maravilha, até.

Entretanto, sem contar com todo o arsenal tecnológico acumulado para se conseguir concretizar idéias que traduzem avanço, já no início da história o homem realizou obras que causariam igual assombro: as chamadas Maravilhas do Mundo ou Maravilhas da Antigüidade, na Idade Média.
Foram os gregos, provavelmente entre os anos 150 e 120 a.C., os primeiros a listar os monumentos erigidos até então pelas mãos do homem que se destacavam pela sua grandeza, suntuosidade e magnitude. Chamaram o conjunto deles de "Ta hepta Thaemata", ou seja, "as sete coisas dignas de serem vistas" - as sete maravilhas do mundo.
Apesar da lista ser grega, apenas uma das obras situava-se na Grécia: a Estátua de Zeus. Três outras encontravam-se na Ásia Menor - o Colosso de Rodhes, o Templo de Ártemis, em Éfeso, e o Mausoléu de Helicarnasso. Duas outras maravilhas - as Pirâmides de Gizé e o Farol de Alexandria - poderiam ser vistas no Egito. Finalmente, no atual Iraque, poder-se-ia contemplar os Jardins Suspensos, situados na Babilônia.

Com o passar do tempo, estas obras maravilhosas desapareceram das mais diversas maneiras. De algumas, restam ruínas. De outras, apenas história. No entanto, uma única maravilha resiste até hoje: as Pirâmides do Egito. Vale a pena conhecer um pouco de cada uma das 7 maravilhas e descobrir o por que são merecedoras de tanto destaque.



Os Jardins Suspensos da Babilônia


"... e que se ergam, nos arredores de meu palácio, elevações de pedra com forma de montanha, e que se plantem nestas construções toda espécie de flores e frutas, e que se construam quedas d'água, formando um ambiente onde deverá transitar toda espécie de animal exótico..."

A antiga cidade da Babilônia na Mesopotâmia, no reinado de Nabucodonossor II, era uma maravilha para os olhos dos viajantes. "Além do tamanho, escreveu o historiador Heródoto, em 450 a.C., a Babilônia ultrapassa em esplendor qualquer cidade do mundo conhecido até hoje".

Heródoto afirmava que as muralhas externas da cidade tinham 56 milhas de comprimento e 320 pés de altura (97,53 m). Enquanto os achados arqueológicos têm rechaçado alguns dos fatos citados por Heródoto (as muralhas externas parecem ter apenas 10 milhas de comprimento), a sua narrativa nos dá alguma noção do tamanho e da maravilha da cidade, ou seja, como ela parecia para aqueles que a visitavam.

Heródoto, entretanto, não chega a citar os Jardins Suspensos, uma das Sete Maravilhas da Antigüidade.

Relatos indicam que os Jardins Suspensos foram construídos pelo rei Nabucodonosor, que reinou por 43 anos, a partir do ano 605 antes da nossa era. Este período marca o apogeu e influência tanto da Babilônia quanto de Nabucodonosor, que construiu uma infinidade de templos, ruas, palácios e muralhas.

Sabe-se que os Jardins foram construídos para alegrar a amada esposa de Nabucodonosor, a Rainha Amyitis, que sentia saudades das montanhas verdejantes de sua terra natal. A Rainha Amyitis, filha do rei de Medes, casou-se com Nabucodonosor a fim de estabelecer uma aliança entre as duas nações. Medes era uma terra montanhosa e cheia de pastagens, de forma que a jovem rainha achou extremamente deprimente o solo plano e arenoso da Babilônia.

Seu esposo, então, decidiu recriar a paisagem natal de Amyitis com da construção de uma montanha artificial e um jardim na parte superior. Os Jardins Suspensos, provavelmente, não eram suspensos propriamente ditos por cabos ou cordas. Tal nome vem de uma tradução incorreta da palavra grega kremastos ou da palavra latina pensilis, que significam não apenas suspensos, mas superpostos, como no caso de um terraço ou balcão.

O geógrafo grego Strabo, que descreveu os jardins no primeiro século antes da nossa era, escreveu:

"Eles consistem de terraços superpostos, erguidos sobre pilares em forma de cubo. Estes pilares são ocos e preenchidos com terra para que ali sejam plantadas as árvores de maior porte. Os pilares e terraços são construídos de tijolos cozidos e asfalto. A subida até o andar mais elevado era feita por escadas, e na lateral, estavam os motores de água, que sem cessar levavam a água do rio Eufrates até os Jardins”.

Strabo aborda o aspecto mais extraordinário dos jardins suspensos para os povos da Antigüidade. A região da Babilônia raramente recebia chuvas e para os jardins sobreviverem, deveriam ser irrigados com águas do rio Eufrates, que situava-se nas proximidades. Isto quer dizer que a água deveria ser elevada de forma a fluir através dos terraços, molhando as plantas de cada andar. Provavelmente, a tarefa era executada por meio de um sistema de bombeamento por corrente.

À construção dos jardins e à irrigação destes, deve ser somado o problema da necessidade de evitar que o líquido arruinasse as fundações do complexo. Uma vez que pedra era material escasso nas planícies mesopotâmicas, a maioria das construções usava tijolos de argila cozidos. Estes tijolos, que tinham uma espécie de betume usado como liga, também podiam ser dissolvidos pela água.

Mas, como a região era seca e árida, não havia problemas em utilizá-los desta forma. Entretanto, os jardins exigiam irrigação constante, com a necessidade de ter suas fundações protegidas. Um historiador grego, registrou que as plataformas sobre as quais estavam os jardins eram grandes plataformas de pedra (algo anteriormente desconhecido pelos Babilônicos), cobertas por camadas de juncos, asfalto e azulejos.

Sobre elas, colocava-se uma cobertura com folhas de chumbo para que a umidade vinda da terra não chegasse a atingir as fundações dos pilares.

Só então era colocada a terra, numa profundidade suficiente para permitir que fossem plantadas as árvores mais altas.


Qual era o tamanho dos jardins?

Diodoro afirmou que eles tinham cerca de 400 pés de comprimento (121,92 m) por 400 pés de largura (121,92 m) e mais de 80 pés de altura (24,38 m). Outros relatos indicam que a altura era igual às muralhas exteriores da cidade.

Segundo se sabe, as muralhas chegavam a 320 pés de altura (97,53 m). Mas existiriam eles na verdade?

Robert Koldewey, em 1899, após localizar a cidade na região central do Iraque moderno, escavou-a por 14 anos, tendo descoberto debaixo de toneladas de areia suas muralhas exteriores e interiores, a fundação da torre sagrada ou zigurate de Babel, os palácios de Nabucodonosor e a avenida principal que passava pelo centro da cidade, com o famoso Portal de Inana/Ishtar, que dava acesso ao complexo de templos e palácios da cidade.

Ao escavar a cidadela do Sul, Koldewey descobriu uma área de subsolo com quatorze salas de grande tamanho com tetos em abóbada. Registros antigos indicavam que apenas duas localizações na cidade faziam uso de pedras, as muralhas da Cidadela do Norte e os Jardins Suspensos.

A muralha norte da Cidadela do Norte já havia sido descoberta, e continha, na realidade, pedra. Pelo visto, parecia que Koldewey havia encontrado o subsolo dos Jardins.

Ele continuou a explorar a área e descobriu muitos dos detalhes citados por Diodoro.

Finalmente, Koldewey desenterrou uma sala com três grandes e estranhos furos no solo. Ele concluiu que esta era a localização das roldanas e correntes que levavam a água até a superfície, onde se encontravam os jardins.

As fundações que Koldewey descobriu mediam 100 por 150 pés (30,48 por 45,72 m). Menor do que as dimensões citadas pelos historiadores, mas ainda de causar assombro.

O único legado desta maravilha povoa na mente humana, com pensamentos e sensações que traduzem beleza, delícias e deslumbramento por esta extraordinária obra da antigüidade.

Fonte: http://www.misteriosantigos.com

sexta-feira

As Buscas da Imortalidade - Parte Final



Outros “tratamentos milagrosos” contra o envelhecimento continuaram a surgir, florescer e desaparecer. Pessoas famosas e milhares de outras têm engrossado o rebanho que procura os “especialistas em rejuvenescimento”. Paul Niehans injetava as células de cordeiros nascituros em seus velhos pacientes. Ana Aslan, da Romênia, deixou o mundo perplexo durante décadas, com um tratamento que consistia na aplicação de injeções de Gerovital H3, uma forma da droga analgésica procaína. A geléia real, alimento especial que as abelhas dão à sua rainha, e substância há muito apregoada pelos adeptos de excentricidades alimentícias como remédio contra o envelhecimento, segundo os cientistas mais conceituados, não tem valor. Na verdade, o campo das pesquisas sobre o prolongamento da vida tem estado de tal modo atravancado de fracassados honestos e de charlatães sem escrúpulos, que por meio século alastrou-se um sentimento de desilusão. As soluções simples provaram não passar de fogos-fátuos. Entre os pesquisadores e o público em geral, sentia-se que a solução, possivelmente, não existia. 

Entretanto, logo depois da Segunda Guerra Mundial, houve um surto de atividade científica, nas ciências físicas e biológicas. Foram treinados exércitos de pesquisadores, que começaram a alargar as fronteiras dos conhecimentos em milhares de direções. O subsídio à pesquisa biomédica nos Estados Unidos passou explosivamente de 88 milhões de dólares, em 1947, a 2,3 bilhões de dólares, em 1967. A quantidade de dados acumulados resultou numa melhor compreensão dos processos vitais e numa percepção mais profunda dos mecanismos da doença. Com tal riqueza de novos conhecimentos e instrumentos sofisticados, os cientistas adquiriram um crescente sentimento de poder. A imprensa popular e a literatura científica das décadas de 50 e 70 ferviam com o fermentar de predições inebriantes. Ao crescer a confiança no potencial da ciência, houve um gradativo despertar de interesse pelas possibilidades de se alcançar a imortalidade. 

Em 1961, o Journal of lhe American Medical Association predisse que, em fins do século XX, seria comum uma expectativa de vida de cento e vinte anos. Daí a cinco anos, James Bonner, professor de biologia na Cal Tech, anunciava que os biológos estavam “prestes a encontrar um meio de eliminar a senilidade, propiciando, dessa forma, o aumento para duzentos anos da longevidade humana”. Vladímir Engelgardt, cientista soviético, prognosticou que pelo ano 2000 viveríamos trezentos anos.

Alguns foram ainda mais longe, mencionando a própria perspectiva da imortalidade. Ao meditar sobre o futuro da medicina, diz o médico e escritor Alan E. Nourse: “Os conhecimentos adquiridos em tal pesquisa nos darão as armas de que precisamos para lutar contar o derradeiro inimigo, a morte, em seu próprio terreno. Isso colocará a nosso alcance a imortalidade relativa: a extensão de uma vida humana útil e produtiva será medida em séculos, não em décadas. Será a idade de ouro da medicina, e talvez possamos alcançá-la”.
Em 1967, Augustus B. Kinzel, então presidente do Instituto Salk para Estudos Biológicos, declarou para o prestigioso jornal Science que deveríamos estar em condições de, em futuro previsível, abolir inteiramente a morte devida a causas naturais. “Eliminaremos por completo o problema do envelhecimento, de tal modo que os acidentes serão essencialmente a única causa da morte”.


Em diversos livros publicados durante esse período, surgem declarações otimistas sobre a conquista do envelhecimento e mesmo da morte. Em Tempo, células e envelhecimento (1961), Bernard Strehler, importante gerontólogo, pediu que fosse feito um esforço de âmbito nacional no sentido de superar a velhice. Em 1962, o notável Arthur C. Clarke, que escreve sobre ciência, predisse que conseguiríamos a imortalidade pelo ano 2100.

Em 1964, apareceu um livro que logo acendeu um acirrado debate e inspirou a formação de um movimento. Robert C. W. Ettinger, em A perspectiva da imortalidade, declara: “A maioria de nós, que ora respiramos, temos boa chance de vida física depois da morte (...) a imortalidade (no sentido de vida indefinidamente prolongada) é tecnicamente exeqüível, não só para nossos descendentes, mas para nós mesmos”. A receita de Ettinger para a imortalidade era simples – diziam alguns que era simplista – e fundava-se no poder e nas promessas da pesquisa científica. Propôs que, na morte de uma pessoa, não a enterrassem ou cremassem, como convencionalmente se faz; o corpo deveria ser preservado por congelamento até que futuramente a ciência médica tivesse encontrado um modo de curar o mal de que morrera. Poderia então ser descongelada e reanimada. Isso despertou a curiosidade do público, e as sociedades criogênicas ficaram atentas. Algumas almas aventureiras investiram fundos que lhes permitissem, a elas ou a seus entes queridos, serem congelados após a morte. 

Na comunidade científica, as propostas de Ettinger foram ignoradas ou desprezadas, com um escárnio causticante. O argumento básico que apresentavam era que, dadas as técnicas presentes e imediatamente previsíveis, o próprio processo do congelamento determina danos irreparáveis aos tecidos do corpo. Portanto, asseveravam eles, a pessoa congelada agora não poderia ter qualquer esperança razoável de um feliz renascimento. 

Nos meados e fim de 1960, uma onda de desilusão percorreu o país. O caso de amor com a ciência, que brotara durante a era pós-Sputnik, havia se tornado amargo à medida que o público se tornava cada vez mais consciente e alarmado com os problemas da poluição, da superpopulação e outros, aparentemente frutos da ciência e da tecnologia. As predições otimistas começaram a ceder lugar a advertências e profecias tenebrosas. Até os livros que relatavam detalhadamente as extraordinárias realizações da ciência e da tecnologia começaram a tomar de empréstimo as atitudes dos profetas do Juízo Final. Em A bomba-relógio biológica, publicado em 1968, Gordon Rattray Taylor percebia implicações sinistras em muitas tendências da pesquisa moderna. Admitia a possibilidade da imortalidade -talvez de um século ou mais, no futuro -, mas inclinava-se para um modo de ver semelhante ao de Sir George Pickering, quanto à extensão indefinida da vida: “Parece-me uma perspectiva aterrorizante...”

Paradoxalmente, começou a surgir, no meio dessa onda de desilusão, uma avalancha de livros sobre a morte e as perspectivas de vencê-la, filosófica e fisicamente. Em 1968, Robert W. Prehoda, em A juventude prolongada, discutiu a história e as tendências modernas da pesquisa sobre o envelhecimento e solicitou a promulgação do prolongamento da juventude como uma meta oficial nacional. 


Outros apelos no sentido de um maior esforço de âmbito nacional para vencer a morte -um programa do tipo daquele da viagem à Lua – formavam os principais temas de O Projeto Prometeu, de Gerald Feinberg, e de O imortalista, de Alan Harrington, ambos publicados em 1969. Harrington fez ressoar um veemente apelo às armas: “A morte é uma imposição à raça humana, e não é mais aceitável (...) mobilizem os cientistas, gastem o dinheiro, dêem caça à morte como a um bandido”. Todavia, depois de uma análise da situação atual das pesquisas sobre o envelhecimento, Harrington foi obrigado a concluir, embora a contragosto, que a imortalidade, embora possa um dia ser conseguida, não virá em tempo para a nossa geração. 

Na década de 1970, houve uma inundação de livros sobre a morte. Anteriormente um dos mais rigorosos tabus, a morte tornou-se recentemente uma espécie de obsessão, e discussões progressivamente francas sobre esse tema e suas ramificações invadem os meios de comunicação. Em inúmeros campi universitários surgiram cursos sobre a morte, que entraram em moda, e ganharam relevância. Muitos livros e artigos apresentaram análises históricas e psicológicas sobre a morte e sobre as atitudes por ela suscitadas, sempre acompanhadas das habituais exortações à aceitação “madura” da inevitabilidade de nossa condição mortal. Todavia, houve também tentativas no sentido da possibilidade de imortalidade. 

No livro de Desmond King-Hele, O fim do século XX, o autor declara que “a biologia (...) sugere que o envelhecimento não é inevitável; (...) um dia havemos de vencer o derradeiro inimigo”. Ele prediz que o mecanismo do envelhecimento será encontrado antes de 1990, e faz conjeturas sobre as prováveis conseqüências de tal descoberta, num mundo onde a imortalidade tenha se tornado um fato. 

O educador britânico Dean Juniper discutiu os possíveis meios de prolongar a vida, em seu livro publicado em 1973, O homem contra a mortalidade, e citou um dos argumentos mais irrecorríveis em favor da eventual exeqüibilidade da conquista da morte: “A luta será ganha pela excelente razão de que a brecha que separa o homem da imortalidade, no sentido físico, é finita e a capacidade de inovação do homem é infinita”.

Outro resumo das atitudes humanas em relação à morte, à imortalidade e aos progressos atuais destinados a vencer o envelhecimento, foi apresentado pelo jornalista Osborn Segerberg, em 1974, em O fator imortalidade. Ponderando as provas, suas conclusões foram basicamente positivas, e ele indicou uma notável progressão de otimismo no campo médico. Uma série de estudos de Delphi, por exemplo, trouxe à luz as opiniões de uma série de especialistas sobre as perspectivas para importantes manifestações científicas. Num estudo de 1964, patrocinado pela Rand Corporation, foi pedido aos especialistas que fizessem uma estimativa sobre a provável data em que se conseguiria o controle químico do envelhecimento. As respostas indicaram o período de 1992 a 2065, em média por volta do ano 2023. Estudo similar sobre o futuro da medicina, patrocinado por Smith, Kline e French, publicado em 1969, mostra o consenso dos especialistas ao indicar 1993 como o ano no qual se conseguirá o controle do envelhecimento e um significativo prolongamento da expectativa de vida. 

Em 1976, foram publicados dois livros sobre a possibilidade de prolongar a extensão da vida humana em séculos. Não morrer mais, escrito por Joel Kurtzman e Philip Gordon, cujo título era inspirador, embora o conteúdo não passasse de um pacato esboço dos progressos e das perspectivas da pesquisa sobre o envelhecimento. Os autores conjeturavam que as atuais investigações na área da biônica (desenvolvimento de órgãos artificiais), bioquímica e genética haviam de culminar, daqui a cerca de cinqüenta anos, numa extensão da expectativa de vida para oitocentos anos. Esse livro quase não foi notado. Outro livro de 1976, Prolongevidade, do escritor científico Albert Rosenfeld, era também um estudo atualizado das pesquisas sobre o envelhecimento. Causou uma sensação moderada, recebeu críticas de todos os jornais populares, e Rosenfeld participou de programas de rádio e televisão. A essência de suas conclusões, após visitas aos laboratórios gerontológicos do país inteiro, é que as pesquisas sobre envelhecimento finalmente prolongarão o tempo da vida humana a centenas de anos ou mais -isso dentro dos próximos cinqüenta anos, mais ou menos.
Como no caso de Harrington, em O imortalista, a perspectiva da virtual imortalidade, vista por esses autores, carecia de imediatismo. Poucas pessoas hoje vivas poderiam esperar compartilhá-la. Um livro publicado dois anos antes era realmente muito mais otimista. 


Em 1974, apareceu um livro intitulado Mantenha-se jovem e em forma. O autor era o dr. Edward E. Lamb, que escrevia nos jornais sindicais uma coluna sobre medicina, e anteriormente fora professor de medicina na Universidade de Baylor e diretor de ciências médicas na Escola de Medicina Aeroespacial. O livro praticamente passou despercebido. No ano seguinte mudaram-lhe o título para Prepare-se para a imortalidade, dando ênfase ao último capítulo, que começava assim: “Muitas pessoas hoje vivas terão a oportunidade de prolongar consideravelmente seu tempo de vida. Até a imortalidade parece hoje possível”. O livro do dr. Lamb oferece um programa para manter o corpo perfeitamente saudável, a fim de que o indivíduo possa aproveitar-se da iminente irrupção científica: “Quanto tempo será preciso antes que esses progressos evolutivos tenham lugar, depende do esforço despendido, embora eles possam ocorrer durante a vida de muitos de nós hoje vivos. Portanto, você tem chance de ser imortal. (. ..) Revelar os segredos finais da imortalidade seria levar indizíveis bênçãos ao homem, tornando-o senhor do próprio futuro e talvez do futuro de tudo quanto há no universo”..

quinta-feira

As buscas da imortalidade..


 O homem jamais foi capaz de aceitar seu próprio fim, a morte. Nossos ancestrais, no decorrer dos séculos, criaram religiões que prometiam o prolongamento desta vida em outros mundos, outros tempos, mas para muitos isso não foi suficiente. Sonhavam com uma imortalidade mais concreta, uma continuação de sua própria vida física pessoal aqui e agora. Alguns foram além dos sonhos melancólicos, e buscaram ativamente meios e modos de realizar a imortalidade física. 

As antigas buscas da imortalidade eram fundamentadas em mitos e centravam-se na busca de poções mágicas ou místicos regimes de vida. O sexo era tema importante e recorrente nessas buscas primitivas. Muitos povos acreditavam na gerocomia, a idéia de que o homem pode rejuvenescer por meio do contato com mulheres – especialmente com as jovens. Nos tempos bíblicos, era comum a idéia de que até o “hálito” ou o “calor” de uma jovem poderia restituir a juventude a um homem envelhecido. O rei Davi, em seu declínio, recebeu a bela Abishag, para que dormisse com ela. Mas o tratamento falhou: Abishag “cuidava do rei e o servia, porém o rei não a conheceu”.

Prevalecia também a opinião de que o sangue possuía poderes rejuvenescedores miraculosos. Os antigos sírios banhavam-se e bebiam o sangue dos jovens, e os romanos bebiam o sangue derramado pelos gladiadores na arena. Séculos mais tarde, essa idéia tornou a emergir, na utilização das transfusões de sangue, no vão esforço de recapturar a juventude. Em 1492, o papa Inocêncio VIII, ao procurar uma forma de imortalidade, encontrou a morte: mandou transfundir o sangue de três jovens para suas veias. (Mais de quatro séculos decorreriam antes que se percebesse que a incompatibilidade das proteínas sangüíneas é responsável pelos efeitos, não raro fatais, das transfusões de sangue). 

Na China, os seguidores do taoísmo observavam um amplo programa cuja finalidade era prolongar a vida e oferecer finalmente a imortalidade aos seus dedicados adeptos, Os antigos taoístas praticavam uma série de exercícios de parada respiratória, destinados a levá-los de volta a uma existência semelhante à embrionária. Praticavam abstinência e subsistiam só de raízes e frutas. Seguiam ritos sexuais, segundo técnicas cuidadosamente prescritas, que eram parte importante do programa. Os alquimistas chineses buscavam meios de transformar o cinabre mineral em ouro. Se conseguissem, utilizariam o nobre metal na preparação de utensílios destinados à comida e à bebida, que haviam de conferir imortalidade a quem os usasse.
Outro tema comum, na Antiguidade, era o da fonte da juventude, das águas mágicas que dariam imortalidade a quem nelas se banhasse. A Bíblia menciona um rio que fluía no Éden e, no salmo 23, uma "fonte da vida". Os mitos gregos falam de uma nascente mágica, prodigalizadora de juventude, na qual Zeus e Hera se banhavam todos os anos. Persistia a idéia de uma fonte da juventude. Ela foi popularizada pelo escritor medieval Jean de Mandeville e, durante a fermentação de idéias e descobertas da Renascença, muita gente acreditou que tal fonte realmente existisse em algum lugar, no além-mar. Ponce de León, ao ouvir as histórias sobre uma mágica fonte da juventude que ficava nas ilhas Bimini, nas Bahamas, encheu-se de entusiasmo. Partiu de Porto Rico em 1512, à frente de uma expedição à procura de Bimini e da mágica fonte. Jamais encontrou as ilusórias águas, mas descobriu as terras onde hoje se encontra o Estado da Flórida. 

Enquanto alguns buscavam a imortalidade através de mitos, em viagens por terras distantes, outros procuravam a juventude e a longa vida mais perto de suas casas. Paracelso, alquimista e médico suíço do século XVI, garantia ter encontrado o elixir da vida – mas morreu numa briga de bêbados, aos 48 anos. Um contemporâneo seu, o italiano Luigi Coroaro, tinha ambições mais modestas: queria apenas viver: uma vida longa e venturosa. Sublinhava a necessidade de manter uma dieta moderada e evitar extremos de temperatura, fadiga e emoções. Seu próprio exemplo era excelente anúncio de teorias de longevidade. Permaneceu ativo, alegre e produtivo até morrer, aos 98 anos. 

Todavia, a autodisciplina preconizada por Coroaro oferecia muito menos atrativo às massas que a teoria da poção miraculosa ou de um tratamento de ação imediata que não exigisse tanto trabalho. Com o florescimento da revolução industrial e científica, desapareceu a confiança na magia e no mito. Os homens, tanto em sua busca de imortalidade quanto em outras áreas da vida, procuravam respostas que lhes apresentassem um fundamento científico plausível. 

No dia 1º de junho de 1889, os membros da Sociedade Francesa de Biologia assistiram a uma conferência insólita. O conferencista era Charles-Édouard Brown-Séquard, professor de fisiologia. Suas credenciais científicas eram impecáveis: aos 72 anos, tornou-se alvo do respeito internacional, por ter publicado mais de quinhentos trabalhos científicos e ensinado em sua cátedra de medicina experimental, no posto anteriormente ocupado pelo famoso Claude Bernard. 

Brown-Séquard vinha há anos observando sinais de decadência em seu próprio corpo. Especializado em fisiologia, fora capaz de medir e traçar graficamente o declínio inexorável da própria força muscular, tendo notado também outros sintomas de envelhecimento, tais como insônia e impotência sexual. Alguns de seus experimentos fisiológicos com aquilo que hoje se conhece como glândulas endócrinas e suas secreções, sugeriram-lhe um método que possivelmente provocaria uma reversão no declínio da idade. Vinha então a revelação espantosa. Brown-Séquard preparava extratos salinos com os testículos de cães e porquinhos-da-índia, injetando-os em si mesmo. Os efeitos, segundo relatou, foram impressionantes. Não só se sentiu novamente jovem, como pôde até “fazer unIa visita” a sua jovem esposa. 

O efeito de tal revelação aos membros da Sociedade Francesa de Biologia, todos eles com mais de setenta anos, foi eletrizante. A imprensa popular encampou alegremente essa intrigante e divertida história, mas a comunidade científica tratou com escárnio o relatório de Brown-Séquard, sugerindo que era melhor considerá-lo uma “aberração senil”. Tentativas de repetir as descobertas do fisiologista francês, mesmo as feitas pelo próprio Brown-Séquard, foram infrutíferas. Ele acabou por deixar Paris e desistiu de publicar trabalhos científicos. Sua jovem esposa abandonou-o. Cinco anos depois da fatídica reunião da Sociedade de Biologia, Brown-Séquard morria de derrame, sendo motivo de riso da comunidade científica.

A idéia de utilizar hormônios sexuais na busca do rejuvenescimento não era, por si mesma, ilógica e provou subseqüentemente ter valor definitivo, ainda que limitado. Mas no tempo de Brown-Séquard a endocrinologia estava na infância. Por falta de conhecimentos, ele cometeu um erro técnico crucial. Os hormônios sexuais são esteróides, ou substâncias semelhantes à gordura, insolúveis em água salgada – portanto, os extratos salinos de testículos, feitos por Brown-Séquard, estavam totalmente isentos de ingredientes ativos. Os resultados iniciais positivos, que ele jamais conseguiu repetir, foram devidos, sem dúvida, ao efeito do placebo: ao benefício psicológico que um tratamento inócuo pode produzir, no caso de o paciente ou sujeito acreditar na capacidade de ele ser benéfico.

 

Brown-Séquard não exauriu as possibilidades dos testículos na busca da juventude perdida. Emergiu na década de 1920 uma figura ainda mais controvertida que ele, a qual concentrou a atenção dos pesquisadores e do público: era Serge Voronov, russo emigrado para a França. Antes da Primeira Guerra Mundial, fora médico do quediva do Egito. Ao observar os eunucos da guarda real do serralho, reparou que os castrados envelhecem mais depressa que os homens normais. Teorizou que a falha era a falta de testosterona e que o transplante de testículos poderia rejuvenescer homens envelhecidos. Mas, acreditava ele, seria um erro utilizar testículos de espécies dessemelhantes, tais como de cães e porquinhos-da-índia, como fizera Brown-Séquard. Voronov tentou antes obter testículos humanos, a fim de utilizá-los em transplantes, mas naqueles tempos havia leis que proibiam cortar pedaços de cadáveres. Tentou obter os testículos de criminosos presos, mas esbarrou em dificuldades insuperáveis. Publicou enfim anúncios pedindo voluntários, mas os dois únicos que se apresentaram tinham idéias tão enfatuadas quanto ao valor dos próprios órgãos sexuais, que Voronov, desanimado, desistiu. Conformou-se, afinal, em utilizar testículos de chimpanzés e macacos, os quais, embora não-humanos, eram pelo menos primatas e mais próximos de terem compatibilidade com o homem que os demais animais de experiência. 

Voronov aperfeiçoou suas técnicas cirúrgicas nas práticas com transplantes animais e, em 1919, anunciou com estardalhaço seus resultados em Paris, no XXVIII Congresso Cirúrgico. Os jornalistas foram convidados a examinar diversos carneiros e um touro que haviam sido “rejuvenescidos” por meio de transplantes de testículos de animais jovens. Histórias sobre tratamentos por meio de “glândulas de macaco” inundaram os meios de comunicação. Como um rebanho, velhos cheios de esperanças dirigiam-se ao médico, a fim de se submeterem a operações, a cinco mil dólares ou mais o enxerto. Acumularam-se atestados de gratidão. Todavia, também estes deviam Ser devidos ao efeito do placebo. Os trabalhos extensivos dos anos recentes, sobre transplantes de órgãos, indicam que, não sendo feitos tratamentos especiais para supressão de imunidade, os órgãos transplantados têm geralmente vida curta no corpo que os hospeda. São logo rejeitados, murcham e morrem. Portanto, o aumento de testosterona resultante da operação de Voronov deve ter sido transitório. Serge Voronov morreu aos 85 anos de idade. Seus tratamentos por meio de “glândulas de macaco” já haviam caído em desuso e desgraça. 

Enquanto isso, e por caminhos diversos, outros procuravam também a longevidade. Elie Metchmikov, outro russo emigrado para a França, possuía credenciais científicas ainda mais distintas que as de Voronov. Ganhara o prêmio Nobel em 1908, pela descoberta dos fagócitos – élulas brancas do sangue que defendem o corpo contra germes invasores. Os estudos de Metchnikov levaram-no a crer que a raiz do problema do envelhecimento estava no intestino grosso, repositório de toda sorte de bactérias e substâncias nocivas. O laureado com o prêmio Nobel propôs duas maneiras de eliminar o problema: remover cirurgicamente o colo ou alterar seu conteúdo de tal modo que as bactérias nocivas ficassem inibidas.


A abordagem cirúrgica não teve grande êxito popular, portanto Metchnikov procurou medidas menos drásticas. Primeiro colocou ênfase numa dieta só de coisas cozidas e leite azedo. Mais tarde apregoou os benefícios do iogurte, produto de leite azedo, popular entre os camponeses búlgaros, notáveis por sua longevidade. A chave, dizia Metchnikov, estava nos lactobacilos do iogurte; eram bactérias benéficas que, presumivelmente, colonizariam o intestino grosso e tornariam o ambiente ácido demais para as bactérias produzidas pelas toxinas, que não sobreviveriam. 

Relatórios sobre o trabalho de Metchnikov acenderam a faísca da loucura pelo iogurte, que perdura até hoje. As subseqüentes pesquisas, todavia, não sustentaram a validade das idéias de Metchnikov sobre o processo de envelhecimento. As pessoas que, devido ao câncer, foram submetidas à extração do colo, não tiveram aumentado seu tempo de vida. O próprio Elie Metchnikov, depois de encher os intestinos de lactobacilos durante dezoito anos, morreu de uma doença cardíaca congestiva em 1916, aos 71 anos. 

CONTINUA..

Fonte: Alvin Silverstein. Conquista da Morte. Círculo do Livro.