Panacéia dos Amigos

VISITAÇÃO

segunda-feira

Nicola Tesla, o mestre da eletricidade e gênio incompreendido de seu tempo

Em 7 de janeiro de 1943, Nikola Tesla morreu em Nova York aos 87 anos. Ele estava literalmente quebrado, vivendo no hotel New Yorker, em uma sala que dividia com um bando de pássaros, quem ele considerava seus únicos amigos. As indústrias que ele construiu, há muito tempo haviam virado suas costas a ele. A comunidade científica ignorava a ele e suas idéias excêntricas. Ao público em geral, ele era tanto desconhecido como objeto de ridículo, um lunático cujos devaneios eram apenas úteis para tablóides sensacionalistas. Os quadrinhos do "Superman", de Max Fleischer, em 1940, desenhavam o herói lutando contra raios da morte e terrores eletromagnéticos criados por um cientista louco chamado Tesla. Como isso pode ter acontecido? Existem muitas visões para a questão da queda de Tesla na obscuridade. A primeira, e possivelmente a mais irrefutável, é que Tesla não entrou para os livros de história porque ele falhou como empresário. As pessoas mais bem sucedidas não são necessariamente as mais brilhantes, mas aquelas que conseguem jogar o jogo para chegar ao topo. Tesla era um discípulo da ciência pura, em oposição à ciência aplicada, com pouca ou nenhuma facilidade em imaginar como lucrar com suas idéias. Seus parceiros de negócios freqüentemente não agiam em seu melhor interesse, e Tesla tem uma lista de más decisões financeiras. Por exemplo, no ápice de sua implementação bem sucedida da corrente AC, ele poderia ter coletado uma enorme quantidade de riquezas materiais. Ele tinha um contrato com Westinghouse que poderia facilmente tê-lo posicionado como um dos homens mais ricos da América. Porém, quando George Westinghouse disse a Tesla que os gastos com a instalação do sistema poderiam por sua companhia em perigo no futuro, Tesla rasgou o contrato como gesto de amizade. Se ele não o tivesse feito, ou, pelo menos negociado uma fração dele, Tesla teria morrido na luxúria, e preservado sua notoriedade de maneira bem mais apropriada. Outras análises tiram o peso dos ombros de Tesla e propõem que grandes empresários e o governo dos Estados Unidos conspiraram para suprimir seu gênio inventivo. No topo da lista de suspeitos, está Thomas Edison, que invejava o sucesso de seu antigo empregado com a corrente alternada, e efetivamente liderou uma campanha para destruir o nome de Tesla. Ele organizou demonstrações nas quais animais eram eletrocutados letalmente com equipamentos AC. Edison também fez parte da mesa de conselheiros do departamento de guerra que rejeitou as propostas de Tesla para o Raio da Morte e seu radar. J. P. Morgan também está implicado na Teoria da conspiração anti-Tesla. Morgan efetivamente ampliou sua já monumental fortuna explorando as idéias do inventor, até que ele descobriu que sua idéia era a criação de livre energia, uma idéia assustadora a qualquer capitalista respeitável. Ele imediatamente encerrou seu patrocínio a Tesla, e alguns argumentam que ele ainda tenha usado sua considerável influência para impedir que outros o patrocinassem. O governo, que sempre manteve Tesla a seu alcance quando ele apresentava suas propostas, tornou-se súbitamente interessado em seu trabalho depois de sua morte. O FBI ordenou que o escritório de propriedades estrangeiras se apoderasse de todos os documentos de Tesla, um ato ilegal, uma vez que Tesla era cidadão americano desde 1891. Os registros de Tesla foram considerados inofensivos para a segurança nacional, e seu arquivo foi encerrado em 1943, Ele foi reaberto em 1957, com a notícia de que os russos estariam realizando experiências com sua tecnologia. Muitos estão convencidos que o pentágono realizou várias experiências com projetos baseados na tecnologia de Tesla. Uma última teoria é a de que Tesla arruinou sua própria reputação com suas invenções e propostas fora de época. Alguns dizem que ele começou errando ao propor energia livre para todos, Outros crêem que ele ficou louco quando começou a falar em marcianos e Raios da Morte. Tesla nunca aceitou o trabalho de Albert Einstein, quem ele criticava como sendo vago e incoerente. Em termos práticos, estes argumentos estão provavelmente corretos. Um sistema de energia livre, hoje, não seria aceito, não se sabe de sinais emitidos de marte, e a teoria da relatividade é bastante sólida. Porém, há duas coisas a serem consideradas: Em primeiro lugar, mesmo que suas idéias estejam totalmente erradas, elas não diminuem a imensa quantidade de idéias corretas que ele teve, e que contribuíram para nosso mundo. Em segundo lugar, deve-se lembrar que até mesmo a corrente alternada era considerada irreal e improvável, antes de Tesla. Há a possibilidade, ainda, que os mais bizarros conceitos de Tesla sejam validados em algum ponto no futuro,quando a ciência chegar a seu nível. O tempo dirá. Por hora, o verdadeiro legado de Tesla está sendo lentamente reconhecido. A corte suprema declarou pouco após sua morte que Tesla era o verdadeiro inventor do rádio, não Guglielmo Marconi. Tesla foi reconhecido como o inventor da lâmpada fluorescente, o tubo amplificador a vácuo e a máquina de raios X. Livros de história estão lentamente começando a incluir estes fatos. O destino final do laboratório de Tesla em Wardenclyffe foi coberto de significado. Em 1917, ele foi condenado à demolição. O dinheiro de Tesla para sua manutenção havia acabado, e acreditava-se que ele estivesse sendo espionado por alemães. Como um movimento inicial, ele foi dinamitado, mas a torre se manteve intacta. A equipe de demolição detonou o local repetidamente, mas a torre não caiu. Eles retornaram em outra data e a dinamitaram novamente. Ela caiu no chão, mas não explodiu, nem se quebrou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário