Panacéia dos Amigos

segunda-feira

O Monstro da Amazônia

Há algum tempo, ouvi sobre a existência de um monstro na floresta amazônica, na verdade creio que se tratava de uma matéria em algum programa de TV, de fato, não me recordo a fonte, mas não me esquecia da descrição de um monstro gigante, com uma boca malcheirosa, no centro da barriga e que teria sido caçada por um aventureiro estrangeiro que alegava ter encontrado a criatura, mas não havia conseguido elimina-la e não queria mais saber do assunto. Não encontrei mais nada a respeito até que, anos depois, um amigo para quem havia relatado o que sabia me indicou esta matéria do New York Times que posto aqui na PANACÉIA DOS MISTÉRIOS: Cientistas tentam encontrar "monstro da Amazônia" 07 de julho de 2007 Uma espécie de "monstro" lendário que habitaria a floresta Amazônica tem atraído um grande número de cientistas para a região. Nos últimos anos, eles realizaram diversas expedições para tentar encontrar a criatura, chamada de mapinguary. A simples menção ao nome do mapinguary é suficiente para dar calafrios na espinha da maioria daqueles que habitam a floresta. O folclore na região é cheio de histórias sobre encontros com a criatura e, quase em todas as tribos indígenas da Amazônia há uma palavra para designá-lo. O nome geralmente pode ser traduzido como "a besta malcheirosa" ou "o animal barulhento". A maioria dos que dizem ter visto o mapinguary o descrevem como uma criatura alta, que atingiria 2 m de altura quando estaria sobre as duas pernas. Ele também emitiria um cheiro muito forte e extremamente desagradável. Em alguns lugares, a criatura é descrita como tendo dois olhos, mas há quem diga que ele possui apenas um, como os ciclopes da mitologia grega. Alguns afirmam que o animal possui uma grande boca malcheirosa. Os cientistas que foram à Amazônia em busca do mapinguary não tiveram sucesso, mas, pelo menos um deles, afirma que pode explicar a origem da criatura. David Oren, ex-diretor de pesquisa no Instituto Goeldi, em Belém, afirma que a lenda do mapinguary é baseada no contato que os humanos tiveram com os últimos representantes da espécie das preguiças que não viviam em árvores e habitavam o solo. "Nós sabemos que essas espécies extintas podem sobreviver como lendas por centenas de anos. Mas, quanto a saber se o animal ainda existe ou não, é uma outra questão, que nós não podemos responder ainda." Segundo Domingos Parintintin, líder de uma tribo que vive na Amazônia, a única maneira de matar o mapinguary é dando uma pancada na cabeça do animal. Porém, ele afirma que o melhor a fazer é subir em uma árvore e se esconder, em vez de tentar matá-lo, já que a criatura tem o poder de fazer a vítima ficar tonta e "ver o dia virar noite". The New York Times

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário