Panacéia dos Amigos

VISITAÇÃO

quarta-feira

Star Trek - O Futuro começa!



Star Trek, Jornada nas Estrelas! Eu era ainda um garoto quando assisti o primeiro filme Baseado nesta série ICÔNICA. Apesar de que uma temática do universo ST não seja tão palatável para uma criança me identifiquei de imediato (embora não tenha compreendido totalmente), afinal, meu universo infantil estava repleto de viagens pelo espaço fosse pelas aventuras da Patrulha Estelar (Yamato),pela série COSMOS de Carl Sagan ou em séries japonesas live action como Spectreman, Família Ultra,Vingadores do espaço, Rôbo Gigante.Mais tarde pude assistir a clássica série e compreendi adiante o encanto ea fascinação que foram despertados na época. 

Afinal, a ciência pode ser uma arte tão fascinante quanto QUAISQUER chaves do oculto ela é, simplesmente, uma ferramenta para compreensão do universo. Além de nos levar uma uma jornada que ia "audaciosamente aonde nenhum homem jamais esteve", com novos mundos, leis de Astrofísica biologia, psicologia sendo debatidos em meio a aventuras interestelares ainda fomos Apresentados a personagens inesquecíveis como James T. Kirk, Spock, Dr. McCoy, Uhura, Sulu, Chekov, Scott e outros .


Entre nós, tive dificuldades em aceitar uma nova geração, mas afinal aceitei a partir do terceiro ano e do filme "Primeiro Contato". Ainda assim, sentia falta dos velhos ícones.Diante disso, foi evidente que fiquei feliz pela filmagem com uma nova tripulação clássica e como todo fã que se preze fiquei temeroso. A escolha de JJ Abrams não foi um consolo ... de minha parte Missão Impossível é irrelevante e não gosto de "Lost" (ainda escreverei um post a respeito).


Acabei não me inteirando muito sobre o roteiro, mas a escolha de Zachary Quinto (o Sylar, da série "Heroes") parecia um bom sinal, os outros atores também pareciam capazes de realizar seus papéis. Li uma matéria na SET e aguardei uma oportunidade de assistir com meus próprios olhos.



Efetivamente, assisti ao filme e felizmente quando terminei tinha um sorriso de orelha a orelha! Claro que puristas reclamarão de uma coisa ou outra, portanto , vou defender meu ponto de vista tentando não entregar muito da história.

Primeiro e mais importante: A história é muito boa. Podemos discordar de detalhes, mas não comprometem o todo. Além disto, a primeira num prólogo seqüência conta, que a origem de um dos personagens principais, é empolgante e emocional na medida certa com honra merecendo figurar na mitologia de Star Trek!


Segundo: A trama que segue a linha ST de ficção científica é interessante porque abre o viés perfeito por onde o diretor pode reinventar o que quiser em sua abordagem deste clássico. Me diverti percebendo como ele usou características próprias do ícone em favor de sua liberdade criativa.

Terceiro: Embora respeitando uma essência da série, ele alterou o ritmo. Portanto, temos mais ação do que estamos habituados em ST. Muitos Irão reclamar, mas eu gostei. Não houve exageros, e as cenas realizadas com excelentes efeitos são de tirar o fôlego. Creio que o filme soube equilibrar o passado e o presente para apresentar ST para o público atual.


Quarto: Os atores estiveram bem, nenhum talento shakesperiano , mas com respeito cumpriram seus papéis. Especialmente Zachary, fã confesso, que estava claramente feliz por estar no papel de Spock.


Quinto: A participação de um dos atores da série clássica foi uma homenagem justa e bem feita. Colocado num ponto crucial da trama, essa participação é nostálgica e ao mesmo tempo abre as portas do futuro para uma nova / velha geração seguir sua jornada pelas estrelas.


Um bom filme para Fanáticos e neófitos da série! Unam-se a novas aventuras da tripulação da USS Enterprises! Paz e Prosperidade! 

You Tube:

domingo

Mothman, o Homem Mariposa

O Mothman (Homems Mariposa, Homem Borboleta ou Homem Traça) é uma suposta criatura Sobrenatural, que segundo relatos, apareceu em Charleston e Point Pleasant, entre novembro de 1966 e dezembro de 1967. Sua aparição está associada ao acontecimento de futuros desastres. A suposta criatura é estudada e investigada pela Criptozoologia, sendo portanto um criptóide. De acordo com o livro Estranhas criaturas do tempo e do espaço, de John A. Keel, A criatura Sobrenatural começou a ser vista em Ohio a partir de 1959 quando sobrevoou muito rapidamente um pátio de uma mulher de um médico. Ela disse parecer tratar-se de uma borboleta gigante e apenas se atrevou a mencionar o incidente para algumas pessoas. O som foi descrito por outras testemunhas em locais e dias diferentes como sendo emitido por um grande rato. Após essas visões, a criatura passou a ser vista com mais frequência em Point Pleasant, onde ganhou a notoriedade que se espalhou pelo mundo, sobretudo entre os anos de 1966 e 1967. Foi descrita como sendo uma aparição de olhos fumegantes vermelhos, de um ser alado muito grande. Observações foram relatadas em Mason, Lincoln, Logan, Kanawha e Nicholas.A maior parte da população permaneceu cética, mas a histeria das testemunhas que se multiplicavam rapidamente era muito real. Um dos casos mais notórios seu deu na tarde de 15 de novembro de 1966, ao passarem de carro por uma fábrica abandonada de TNT perto de Point Pleasant, Virgínia Oeste, dois jovens casais avistaram dois olhos enormes, de 5 cm de largura e 15 cm distantes um do outro, ligados a uma coisa que "tinha a forma de um homem, mas maior". Talvez entre 1,80 e 2,10 m de altura. E tinha asas grandes recolhidas nas costas. Os olhos eram hipnóticos, as testemunhas assentiram. Quando a coisa começou a se mover em direção à porta da fábrica, os quatro entraram em pânico e fugiram. Logo depois viram a mesma criatura, ou semelhante, na encosta de uma colina perto da estrada. Ela abriu as asas, que pareciam de morcego, levantou vôo e seguiu o carro, que àquela altura estava a 160 km/h. Disse um dos quatro ao investigador John A. Keel que ele nem bateu as asas, ficava acompanhando-os de cima. As testemunhas disseram ao xerife interino Millard Halstead que ela emitia um ruído de um disco tocado em alta velocidade ou um gincho de camundongo. E seguiu-os pela Rodovia 62 até a divisa da cidade de Point Pleasant. A própria polícia da cidade de Charleston, Virgínia Oeste recebeu uma chamada telefônica excitada de um certo Richard West às 10:15 da noite, na segunda, 21 de novembro. O homem insistiu que um homem alado estava sentado no telhado de sua casa. Tinha cerca de 1 metro e oitenta de altura e uma envergadura de asas de um metro e oitenta a dois metros e quarenta, relatou West excitadamente. Disse ele ainda que tinha uns grandes olhos vermelhos. Alguns outros relatos também são coerentes com o fato de que perseguiu automóveis nas estradas e pessoas a pé.
Relações com OVNIS e supostas profecias Há coincidências das aparições da criatura com relatos de aparecimentos de OVNIS. Diversas pessoas em Ohio no ano de 1966 relataram terem visto discos voadores. Point Pleasant faz parte do altamente industrializado Vale do Ohio e está na beira do Bible Belt. As testemunhas foram identificadas como pessoas educadas e honestas, altamente devotas de suas convicções religiosas e não teriam motivo de mentir. No total foram descritas 26 observações documentadas com descrições do Mothman na Virgínia Oeste entre 1966 e 1967. Histórias semelhantes continuaram a ser descritas em Point Pleasant até 1969. Depois dos anos 60, o Mothman esvaneceu, voltou à penumbra da realidade. Em outubro de 1974 houve uma aparição, em Elma, Nova York. Até o momento não existe um consenso entre os pesquisadores se os Homems Mariposa seriam uma entidade vista por videntes, uma criatura extra-terrestre, um produto da imaginação ou fantasia de alguns, ou algo não descoberto pela ciência.Os Homems Mariposa ja Apareçeram no episodio Homens Mariposa da Quinta Temporada da Famosa Serie de TV Arquivo X.A relação com a profecia de futuros desastres é algo não consensual, visto que ele não se comunicava verbalmente com as pessoas, pelo menos durante as observações. Entretanto, há relatos de visões esporádicas do ser antes de desastres, de acordo com John A. Keel, autor também do livro The Mothman Prophecies, de 1975, que inspirou um recente filme homônimo protagonizado por Richard Gere (em português A última profecia). Inclusive existem relatos que a criatura foi vista nos dias que antecederam a outros acontecimentos trágicos no mundo, incluindo um terremoto na Cidade do México em 1985, o acidente nuclear em Chernobyl, em 1986 e a queda das Torres Gêmeas em Nova York, em 2001. Os Homens Mariposa no exterior A única aparição no exterior documentada ocorreu na Inglaterra, numa estrada rural perto de Sendling Park, Hythe, Kent, em 16 de outubro de 1997, quando quatro jovens disseram ter visto uma "estrela" subir aos céus e sumir atrás das árvores não muito longe dali. Com medo, fugiram, mas logo depois pararam para ver uma luz dourada e oval que sobrevoava um campo a 80 m de distância. O OVNI dirigiu-se para a área arborizada e desapareceu de vista. De repente, as testemunhas viram uma forma escura caminhando trôpega em direção a elas, vinda do outro lado do campo. Era preta, de tamanho humano e sem cabeça, com asas que pareciam de morcego. Diante das circunstâncias, os quatro preferiram não se demorar no local. Possibilidades de outras possíveis explicações A aparição deste misterioso ser foi notícia no New York Sun, em 18 de setembro de 1877, que uma curiosa criatura, com aspecto humano, mas com asas de morcego, ou para outros de mariposa, foi visto em Nova Iorque, particularmente no Brooklyn, durante o período de 1877 a 1880. Na Inglaterra, também no início do século, nas cercanias da região de Piccadilly Circus Station, são relatadas aparições de uma estranha criatura que se acredita seja o Homem-Mariposa. Alguns descreviam esta sinistra figura como um cavaleiro alado acompanhado de seu cão negro(o famoso black dog) de olhos vermelhos, que são visto à noite dentro dos túneis do subterrâneo de Londres. Estas estranhas aparições começaram a ser descritas, coincidentemente, logo após a demolição do famoso teatro Egyptian Hall [1], em 1903, na cidade de Londres. A Egyptian Hall foi uma conhecida Casa do Mistério, um centro de ilusionismo da família dos mágicos Maskelyne, sendo o mais famoso Jasper, Maskelyne que para alguns é, na verdade, o nome acrônimo do agente oculto Magister MaskMelin, um mágico espião desaparecido no começo da Segunda Guerra Mundial. Mas, segundo outras versões, o Egyptian Hall depois de sua demolição, deixou vestígios de estranhas cavernas que serviram para acobertar um esconderijo de uma certa organização secreta de agentes conhecidos como Lantern's denominada The Seven Circle, que se utilizava da expansão de algumas linhas do metrô da região de Piccadilly, para ter acesso a toda a cidade de Londres através de seus túneis subterrâneos. Essas afirmações estão descritas nos relatórios do Serviço Secreto Inglês, e estão pouco a pouco sendo liberadas ao domínio público. Muitas dessas informações secretas explicam vários mistérios e lendas urbanas sobre o Mothman ou do cavaleiro alado e seu cão negro no subterrâneo de Londres. Vários estudiosos do caso deduzem que a tal criatura com grandes asas e olhos vermelhos pode ser um Tyto alba, nome científico para uma coruja que se esconde em celeiros e só sai à noite. Mas as conclusões ainda não são definitivas e os estudos e discussões avançam. Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.

sábado

As dez maiores rivalidades que mudaram o ROCK - 1

1. Beatles: Paul McCartney vs. John Lennon
Não há quem duvide da química que uniu durante anos a dupla Paul McCartney e John Lennon. Apesar de serem amigos desde a adolescência, a convivência contínua eclodiu em brigas infindáveis e em uma competição de egos que, segundo alguns especialistas, pode ter marcado o começo do fim para os Beatles. Segundo declarações de Yoko Ono, viúva de John Lennon, o músico inglês, que desde o início da banda compôs com McCartney muitos dos hits do quarteto, se sentia inseguro em relação às letras e achava que as canções escritas por seu parceiro tocavam muito mais do que as compostas por ele.

sexta-feira

As dez maiores rivalidades que mudaram o ROCK - 2

2.Rolling Stones: Mick Jagger vs. Keith Richards
A conturbada relação entre Mick Jagger e Keith Richards é tão importante para a música quanto a amizade de mais de meio século que os une ainda hoje em uma das maiores e mais importantes bandas de todos os tempos. Os atritos, que foram retratados no livro Uma Temporada no Inferno Com os Rolling Stones, do jornalista Robert Greenfield, lançado no Brasil pela editora Jorge Zahar, é só uma pequena amostra das brigas constantes entre o “businessman” Mick e o inconsequente Keith, sempre envolvido com drogas, mulheres, sexo e, claro, rock’n'roll. A relação entre os dois, porém, é complexa, caminhando no limite entre uma ligação fraterna e uma amarga rivalidade.

As dez maiores rivalidades que mudaram o ROCK - 3

3.Oasis: Liam Gallagher vs. Noel Gallagher
A briga declarada entre os irmãos Liam Gallagher e Noel Gallagher foi um dos mais importantes combustíveis para o sucesso do Oasis - e também a principal razão para o fim do banda. A dupla, que nunca evitou trocar ofensas publicamente, se desentendeu seriamente no segundo semestre de 2009, fato que levou Noel a publicar uma declaração no site oficial da banda alegando não conseguir trabalhar “nem mais um dia sequer” com Liam. Apesar da mágoa, ambos seguem tocando projetos musicais e não descartam a possibilidade de voltarem a se falar em um longínquo futuro.

As dez maiores rivalidades que mudaram o ROCK - 4

4.The Police: Sting vs. Stewart Copeland
A banda The Police deve muito aos músicos Sting e Stewart Copeland. Conhecidos como donos de fortes personalidades, ambos contribuíram muito para o sucesso do grupo, apesar das brigas constantes que já resultaram até em costelas quebradas. Muitos dos desentendimentos foram associados ao egocentrismo do baixista e ao comportamento explosivo de Copeland. Muitos dizem, porém, que as discussões eram sempre acerca de dinheiro e direito sobre o nome do grupo. O The Police terminou oficialmente em 1983 com a promessa de nunca mais reunir em um mesmo palco Sting e Copeland. Nos últimos anos - surpresa! - eles voltaram a tocar juntos em turnês multimilionárias.

quarta-feira

As dez maiores rivalidades que mudaram o ROCK - 5

5.Pink Floyd: Roger Waters vs. David Gilmour
O Pink Floyd, outra banda ícone do rock’n'roll, também passou por muitas turbulências até ter o seu fim - ou quase isso - declarado, em 1985. O grupo, ora liderado por Roger Waters, ora por David Gilmour, não aguentou tamanha disputa de poder. Quando o barco estava quase afundando, Waters decidiu abandonar a banda. Segundo rumores, o ápice da briga ficou evidente durante a turnê The Wall, uma espécie de autobiografia de Waters que irritou profundamente Gilmour e estremeceu ainda mais o relacionamento entre os dois músicos. Vinte anos depois, em 2005, surgiu um convite para a formação original fazer um show em Londres, na Inglaterra, mas Gilmour foi bem claro ao afirmar que a reunião seria um “retrocesso”. (No entanto, depois eles se apresentaram no Live Aid 8 - PM).

As dez maiores rivalidades que mudaram o ROCK - 6

6.Ramones: Joey Ramone vs. Johnny Ramone
Os Ramones marcaram a era de ouro do punk rock americano e se tornaram referência no mundo todo. As brigas, muitas vezes relacionadas às drogas e álcool, faziam parte da rotina e desgastaram muito o grupo ao longo dos anos. Segundo Jim Fields, que dirigiu o filme Fim do Século: A História dos Ramones ao lado de Michael Gramaglia, a excentricidade dos integrantes foi a origem da genialidade da banda e também o estopim para o fim do grupo. Apesar de explosivas, as brigas entre Joey e Johnny - a dupla permaneceu 17 anos sem se falar - só vieram à tona após suas mortes.

As dez maiores rivalidades que mudaram o ROCK - 7

7. Guns N’ Roses: Axl Rose vs. Slash
Slash e Axl Rose sempre mantiveram uma relação estressante por causa de uma constante briga de egos e por conta dos problemas com drogas e álcool do guitarrista. Os desentendimentos chegaram ao ápice, no entanto, quando Axl demitiu Gilby Clark sem falar com Slash, que havia contratado o músico para a banda. Dois anos após a demissão, Slash decidiu abandonar o Guns N’ Roses e, descontente com o vocalista, lançou um projeto com todas as músicas rejeitadas por Axl. Recentemente, Slash entrou com um processo na Justiça a fim de receber os direitos de hits como Welcome to the Jungle e Sweet Child O’ Mine. O advogado de Axl alegou que a luta na justiça foi apenas um meio que Slash encontrou para se autopromover.

segunda-feira

As dez maiores rivalidades que mudaram o ROCK - 8

8. Metallica: Dave Mustaine vs. James Hetfield
Os guitarristas Dave Mustaine e James Hetfield são responsáveis pela criação de não só uma, mas duas bandas marcantes na história do heavy metal. Mustaine e Hetfield dividiam o palco no Metallica, que inaugurou o gênero thrash. Mas uma briga entre os dois levou Mustaine a ser expulso do grupo - ele encheu a cara e bateu em Hetfield. O guitarrista demitido decidiu criar uma nova banda que, segundo ele, seria ainda mais pesada do que o Metallica. Apesar do sucesso do Megadeth, o guitarrista ainda carrega mágoas em relação à sua expulsão e até pede para que os jornalistas não perguntem sobre o caso durante entrevistas.

As dez maiores rivalidades que mudaram o ROCK - 9

9. Pixies: Black Francis vs. Kim Deal
Foram as diferenças musicais entre Black Francis e Kim Deal que selaram o fim do grupo de rock alternativo que influenciou bandas como Nirvana e Sonic Youth. As divergências surgiram no auge do Pixies, às vésperas do lançamento do álbum Bossanova, sucesso na Grã-Bretanha. O grupo tentou se reunir novamente em 2004 e chegou até a fazer um show no Brasil, mas as brigas entre a dupla Black Francis e Kim Deal novamente fizeram com o que o projeto de voltar às paradas ficasse esquecido.

As dez maiores rivalidades que mudaram o ROCK - 10

10. Mutantes: Rita Lee vs. Arnaldo Baptista
Uma das bandas brasileiras de maior projeção internacional da história chegou ao fim graças ao amor sem medidas. O conturbado relacionamento entre Rita Lee e Arnaldo Baptista, ambos integrantes dos Mutantes, tornou tenso o clima na banda, principalmente depois que eles decidiram se casar e morar numa comunidade alternativa. A troca de casais, o amor livre e o uso de drogas influenciaram negativamente na química musical entre os dois e levou Rita Lee a abandonar Os Mutantes - e a terminar o casamento.
Fonte: Blog da Redação da Revista VEJA/Sessão das 10+

quinta-feira

Watchmen, o filme ou a desgraça!

Nos meses que antecederam o lançamento de X-Men de Bryan Singer, eu "espumava" de fúria a cada nova notícia. Ian McKellen como Magneto? Soberbo ator, mas velho demais para o papel! Que porcaria de cabelo para tempestade! Como é? O diretor não é fã de HQs?

No cinema esperei pelo pior quase conformado, mas, para minha surpresa o filme era bom! Não, não era fiel as HQs, mas, era uma reinvenção pela linguagem do cinema quase fiel a essência que admirávamos. Saí satisfeito e um pouco mais tolerante as "adaptações". E pude assistir outros bons exemplos, como o "Hulk", "Homem de Ferro" e os dois filmes do "Batman".

E aqui estou mais tolerante, vejam bem, diante de "Watchmen" de Zack Snyder. E como atingi um maior nível de tolerância, chamarei esta adaptação meramente de "LIXO"!

Eu sabia que tinha motivos de ter receio quando assisti "300" e vi que o diretor é engessado, e "modernoso" com cenas de sexo sem propósito e trilha sonora "roqueira"(artifício capaz de matar qualquer um de bom gosto, vide a porcaria de cena de "Demolidor", no enterro do pai de Elektra ao som de "Evanescence").

Para não ser totalmente injusto, digamos que reconheço um esforço de fidelidade visual e a tentativa (muitas vezes mal costurada e forçada) de introduzir nas telas todas as falas e momentos importantes da HQ.

Mas, convenhamos, o diretor não fez uma adaptação para a linguagem do cinema, o que fez foi entalar a HQ espremendo todas as cenas que pudesse no tempo que dispunha e modificando tons, climas e roteiro de maneira malfeita e, ou ele é maquiavélico em alguns momentos ou apenas medíocre mesmo não entendendo o que leu.

Primeiro momento de horror: Ele inverteu totalmente o comentário de Nite Owl e Silk Espectre sobre o comediante! Na HQ, o fato do comediante estar morto, permite as pessoas sorrirem novamente e no filme é o contrário!

Segundo momento de horror: Que praga de trilha sonora foi àquela usada no filme? Especialmente na cena do Dr. Manhattan, gigante, e combatendo no Vietnã, eu francamente achei que fosse piada! Pensando bem, era! Mas, o diretor fez a sério...

Terceiro momento de horror: Não tenho nada contra cenas de sexo no cinema, quando bem feitas e com sentido para a história. Mas não precisávamos do intenso e extenso "momento pornô" de Nite Owl e Silk Espectre. Parece uma forçada para atrair adolescentes hormonizados ao cinema. A mesma bobagem feita em "300". A HQ é bem mais sutil e inteligente.

Quarto momento de horror: O tratamento dado a Ozymandias. Não estou falando da "adaptação" do que realizou o personagem (francamente, prefiro o original que aplica mais o princípio do quebra-cabeça do "nó górdio" resolvido por Alexandre, o grande, principal inspiração de Ozymandias que sequer foi citado no filme!), mas , em momento algum Ozymandias explica claramente seus motivos como fez na HQ, não fica clara sua genialidade ou seus princípios, ele parece um tolo desesperado e arrependido. Sentimentos que nunca o afetaram, ao menos, não como ocorrem aos outros. O único a quem ele se lamenta (não bem isso, apenas expressa tristeza e busca compreensão) é com o Dr. Manhattan, sendo que o respeita. No filme ele lamenta a todos e aquela cena com Nite Owl espancando-o é simplesmente absurda e contrária ao personagem. Uma bobagem.

Normalmente, eu prefiro registrar aqui os bons filmes que devem ser apreciados, mas, de uns tempos para cá, resolvi que falar sobre estes desastres também é válido. É claro que aqueles que não leram a HQ, ou que não sejam tão exigentes quanto à habilidade do diretor, a trilha sonora etc. podem até se divertir, mas acreditem: ficou muito aquém do que Watchmen merecia.

You Tube:

http://www.youtube.com/watch?v=PHmmf5S-Vuk

sexta-feira

Ancient Opinions Upon Psychic Bodies by H.P. Blavatsky

originally published in The Theosophist, Vol 1by The Theosophical Society, Adyar, Chennai [Madras]. India 600 020and reprinted from “Theosophical Siftings” Volume 1

[Page 15] It must be confessed that modern Spiritualism falls very short of the ideas formerly suggested by the sublime designation which it has assumed. Chiefly intent upon recognising and putting forward the phenomenal proofs of a future existence, it concerns itself little with speculations on the distinction between matter and spirit, and rather prides itself on having demolished Materialism without the aid of metaphysics. Perhaps a Platonist might say that the recognition of a future existence is consistent with a very practical and even dogmatic materialism, but it is rather to be feared that such a materialism as this would not greatly disturb the spiritual or intellectual repose of our modern phenomenalists. [ "I am afraid”, says Thomas Taylor, in his Introduction to the Phaedo, “there are scarcely any at the present day who know that it is one thing for the soul to be separated from the body, and another for the body to be separated from the soul, and that the former is by no means a necessary consequence of the latter”] Given the consciousness, with its sensibilities safely housed in the psychic body, which demonstrably survives the physical carcass, and we are like men saved from shipwreck, who are for the moment thankful and content, not giving thought whether they are landed on a hospitable shore, or a barren rock, or on an island of cannibals. It is not, of course, intended that this "hand to mouth" immortality is sufficient for the many thoughtful minds whose activity gives life and progress to the movement, but that it affords a relief which most people feel when in an age of doubt they make the discovery that they are undoubtedly to live again. To the question, "How are the dead raised up, and with what body do they come?" modern Spiritualism, with its empirical methods, is not adequate to reply. Yet, long before Paul suggested it, it had the attention of the most celebrated schools of philosophy, whose speculations on the subject, however little they may seem to be verified, ought not to be without interest to us, who, after all, are still in the infancy of a Spiritualist revival. It would not be necessary to premise, but for the frequency with which the phrase occurs, that the “spiritual body” is a contradiction in terms. The office of body is to relate spirit to an objective world. By platonic writers it is usually termed okhema — "vehicle". It is the medium of [Page 16] action and also of sensibility. In this philosophy the conception of soul was not simply, as with us, the immaterial subject of consciousness. How warily the interpreter has to tread here, every one knows who has dipped even superficially into the controversies among the Platonists themselves. All admit the distinction between the rational and the irrational part or principle, the latter including, first, the sensibility, and, secondly, the plastic, or that power which in obedience to its sympathies enables the soul to attach itself to, and to organize into a suitable body, those substances of the universe to which it is most congruous. It is more difficult to determine whether Plato or his principal followers recognized in the rational soul or nous a distinct and separable entity — that which is sometimes discriminated as “the Spirit”. Dr. Henry More, no mean authority, repudiates this interpretation. "There can be nothing more monstrous", he says, "than to make two souls in man, the one sensitive, the other rational, really distinct from one another, and to give the name of Astral Spirit to the former; when there is in man no astral spirit save the plastic of the soul itself, which is always inseparable from the rational. Nor upon any other account can it be called astral, but as it is liable to that corporeal temperament which proceeds from the stars, or rather from any material causes in general, as not being yet sufficiently united with the divine body — that vehicle of divine virtue or power". So he maintains that the Kabalistic three souls — Nephesh, Ruach, Neshama — originate in a misunderstanding of the true Platonic doctrine, which is that of a threefold “vital congruity”. These correspond to the three degrees of bodily existence, or to the three vehicles, the terrestrial, the aerial, and the ethereal. The latter is the augoeides — the luciform vehicle of the purified soul whose irrational part has been brought under complete subjection to the rational. The aerial is that in which the great majority of mankind find themselves at the dissolution of the terrestrial body, and in which the incomplete process of purification has to be undergone during long ages of preparation for the soul's return to its primitive etherial state. For it must be remembered that the pre-existence of souls is a distinguishing tenet of this philosophy, as of the Kabala. The soul has "sunk into matter". From its highest original state the revolt of its irrational nature has awakened and developed successively its vital congruities with the regions below passing, by means of its Plastic, first into the aerial and afterwards into the terrestrial condition. Each of these regions teems also with an appropriate population which never passes, like the human soul, from one to the other — "gods”, “demons”, and, "animals”. [The allusion here is to those beings of the several kingdoms of the elements which we Theosophists, following after the Kabalists, have called the “Elementals” ] As to the duration, "the shortest of all is that of the terrestrial vehicle. In the aerial, the soul may inhabit, as they define, many ages, and in the ethereal forever". Speaking [Page 17] of the second body, Henry More says: "The soul's astral vehicle is of that tenuity that itself can as easily pass the smallest pores of the body as the light does glass, or the lightning the scabbard of a sword without tearing or scorching of it". And again: "I shall make bold to assert that the soul may live in an aerial vehicle as well as in the ethereal, and that there are very few that arrive to that high happiness as to acquire a celestial vehicle immediately upon their quitting the terrestrial one, that heavenly chariot necessarily carrying us in triumph to the greatest happiness the soul of man is capable of, which would arrive to all men indifferently, good or bad, if the parting with this earthly body would suddenly mount us into the heavenly, when by a just Nemesis the souls of men that are not heroically virtuous will find themselves restrained within the compass of this caliginous air, as both reason itself suggests, and the Platonists have unanimously determined". Thus, also, the most thorough-going and probably the most deeply versed in the doctrines of the master among modern Platonists, Thomas Taylor (Introduction, Phaedo). "After this our divine philosopher informs that the pure soul will after death return to pure and eternal natures; but that the impure soul, in consequence of being imbued with terrene affections, will be drawn down to a kindred nature, and be invested with a gross vehicle capable of being seen by the corporeal eye. [This is the Hindu theory of nearly every one of the Aryan philosophies] For while a propensity to body remains in the soul, it causes her to attract a certain vehicle to herself, either of an aerial nature or composed from the vapours and spirit of her terrestrial body, or which is recently collected from the surrounding air; for, according to the arcana of the Platonic philosophy, between an etherial body which is simple and immaterial, and is the eternal connate vehicle of the soul, and a terrene body which is material and composite, and of short duration, there is an aerial body which is material indeed, but simple and of a more extended duration; and in this body the unpurified soul dwells for a long while after its exit from hence, till this pneumatic vehicle being dissolved, it is again invested with a composite body; while, on the contrary, the purified soul immediately ascends to the celestial regions with its ethereal vehicle alone."Always it is the disposition of the soul that determines the quality of its body. "However the soul be affected", says Porphyry (translated by Cudworth), "so does it always find a body suitable and agreeable to its present disposition, and therefore to the purged soul does naturally accrue a body that comes next to immateriality, that is, an ethereal one". And the same author: "The soul is never quite naked of all body, but has always some body or other joined with it, suitable and agreeable to its present disposition (either a purer or impurer one). But that at its first quitting this gross earthly body, the spirituous body which accompanieth it (as its vehicle) must needs go away fouled and incrassated with the vapours and steams thereof, till the soul afterwards by degrees purifying itself, this becometh at length a dry [Page 18] splendour, which hath no misty obscurity nor casteth any shadow". Here, it will be seen, we lose sight of the specific difference of the two future vehicles: the ethereal is regarded as a sublimation of the aerial This, however, is opposed to the general consensus of Plato's commentators. Sometimes the ethereal body, or augoeides, is appropriated to the rational soul, or spirit, which must then be considered as a distinct entity, separable from the lower soul. Philoponus, a Christian writer, says "that the rational soul, as to its energy, is separable from all body; but the irrational part, or life thereof, is separable only from this gross body, and not from all body whatsoever, but hath, after death, a spirituous or airy body, in which it acteth — this I say, is a true opinion which shall afterwards be proved by us . . . . The irrational life of the soul hath not all its being in this gross earthly body, but remaineth after the soul's departure out of it, having for its vehicle and subject the spirituous body, which itself is also compounded out of the four elements, but receiveth its denomination from the predominant part, to wit, air, as this gross body of ours is called earthy from what is most predominant therein" (Cudworth, Intell. Syst.). From the same source we extract the following: "Wherefore these ancients say that impure souls, after their departure out of this body, wander here up and down for a certain space in their spirituous, vaporous and airy body, appearing about sepulchers and haunting their former habitation. For which cause there is great reason that we should take care of living well, as also of abstaining from a fouler and grosser diet; these ancients telling us likewise that this spirituous body of ours, being fouled and incrassated by evil diet, is apt to render the soul in this life also more obnoxious to the disturbances of passion. They further add that there is something of the plantal or plastic life, also exercised by the soul, in those spirituous or airy bodies after death; they being nourished, too, though not after the same manner as those gross earthy bodies of ours are here, but by vapours, and that not by parts or organs, but throughout the whole of them (as sponges), they imbibing everywhere those vapours. For which cause those who are wise will in this life also take care of using a thinner and dryer diet, that so that spirituous body (which we have also at this present time within our proper body) may not be clogged and incrassed, but attenuated. Over and above which, those ancients made use of catharms, or purgations, to the same end and purpose also. For as this earthy body is washed by water, so is that spirituous body cleansed by cathartic vapours — some of these vapours being nutritive, others purgative. Moreover, these ancients further declared concerning this spirituous body that it was not organized, but did the whole of it in every part exercise all the functions of sense, the soul hearing, seeing, and perceiving all sensibles by it everywhere. For which cause Aristotle himself affirmeth in his Metaphysics that there is properly but one sense and one sensory. He by this one sensory meaneth the spirit, in subtle airy body, in which the sensitive power doth all of it, through the [Page 19] whole, immediately apprehend all variety of sensibles. And if it be demanded to how it comes to pass that this spirit becomes organized in sepulchers, and most commonly of human form, but sometimes in the forms of other animals, to this these ancients replied that their appearing so frequently in human form proceeded from their being incrassated with evil diet, and then, as it were, stamped upon with the form of this exterior ambient body in which they are, as crystal is formed and coloured like to those things which it is fastened in, or reflects the image of them. And their having sometimes other different forms proceedeth from the phantastic power of the soul itself, which can at pleasure transform the spirituous body into any shape. For being airy, when it is condensed and fixed, it becometh visible, and again invisible and vanishing out of sight when it is expanded and rarified". (Proem in Aristotle, “De Anima”.) And Cudworth says, "Though those spirits or ghosts had certain supple bodies which they could so far condense as to make them sometimes visible to men, yet is it reasonable enough to think that they could not constipate or fix them into such a firmness, grossness, and solidity as that of flesh and bone as to continue therein, or at least not without such difficulty and pain as would hinder them from attempting the same. Notwithstanding which it is not denied that they may possibly sometimes make use of other solid bodies, moving and acting them, as in that famous story of Phlegon's, when the body vanished not as other ghosts used to do, but was left a dead carcase behind". In all these speculations the Anima Mundi plays a conspicuous part. It is the source and principle of all animal souls, including the irrational soul of man. But in man, who would otherwise be merely analogous to other terrestrial animals, this soul participates in a higher principle, which tends to raise and convert it to itself. To comprehend the nature of this union, or hypostasis, it would be necessary to have mastered the whole of Plato's philosophy as comprised in the “Parmenides” and the “Timaeus” ; and he would dogmatize rashly who without this arduous preparation should claim Plato as the champion of an unconditional immortality. Certainly in the "Phaedo", the dialogue popularly supposed to contain all Plato's teaching on the subject, the immortality allotted to the impure soul is of a very questionable character, and we should rather infer from the account there given that the human personality, at all events, is lost by successive immersions “into matter”. The following passage from Plutarch will at least demonstrate the antiquity of notions which have recently been mistaken for fanciful novelties: " Every soul hath some portion of nous — reason, — a man cannot be a man without it; but as much of each soul as is mixed with flesh and appetite is changed, and through pain and pleasure becomes irrational. Every soul does not mix herself after one sort: some plunge themselves into the body, and so in this life their whole frame is corrupted by appetite and passion; others are mixed as to some part, but the purer part still remains without the body. It is not drawn down into the body [Page 20] but it swims above, and touches the extremest part of the man's head; it is like a cord to hold up and direct the subsiding part of the soul, as long as it proves obedient and is not overcome by the appetites or the flesh. The part that is plunged into the body is called the soul; but the incorruptible part is called the nous, and the vulgar think it is within them, as they likewise imagine the image reflected from a glass to be in that glass. But the more intelligent, who know it to be without, call it a Daemon". And in that learned work, “Isis Unveiled”, we have two Christian authorities, Irenaeus and Origen, cited for a like distinction between spirit and soul in such a manner as to show that the former must necessarily be regarded as separable from the latter. In the distinction itself there is of course no novelty for the most moderately well-informed. It is insisted upon in many modern works, among which maybe mentioned Heard's “Tricotomy of Man” and Green's “Spiritual Philosophy” ; the latter being an exposition of Coleridge's opinion on this and cognate subjects. But the difficulty of regarding the two principles as separable in fact as well as in logic arises from the sense, if it is not the illusion, of personal identity. That we are partible, and that one part only is immortal, the non-metaphysical mind rejects with the indignation which is always encountered by a proposition which is at once distasteful and unintelligible. Yet, perhaps, it is not a greater difficulty (if, indeed, it is not the very same) than that hard saying which troubled Nicodemus and which yet has been the key-note of the mystical religious consciousness ever since. This, however, is too extensive and deep a question to be treated in this article, which has for its object chiefly to call attention to the distinctions introduced by ancient thought into the conceptions of body as the instrument or "vehicle" of soul. That there is a correspondence between the spiritual condition of man and the medium of his objective activity every spiritualist will admit to be probable, and it may well be that some light is thrown on future states by the possibility or the manner of spirit-communication with this one.

[Page 15] É preciso confessar que o espiritismo moderno está muito longe das idéias anteriormente sugerida pela designação sublime que assumiu. Principalmente preocupado em reconhecer e apresentar as provas fenomenal de uma existência futura, ela se preocupa pouco com as especulações sobre a distinção entre matéria e espírito, e sim se orgulha de ter demolido Materialismo sem o auxílio da metafísica. Talvez um platónico-se dizer que o reconhecimento de uma existência futura é consistente com um materialismo muito prático e mesmo dogmático, mas é melhor ser temido que tal materialismo como esta não seria muito espiritual ou perturbar o repouso intelectual da nossa fenomenólogos modernos. [ "Eu tenho medo", diz Thomas Taylor, em sua Introdução ao Fédon, "não há mal nenhum nos dias de hoje que sabemos que é uma coisa para que a alma é separada do corpo, e outro para o corpo ser separado da alma, e que o primeiro é de nenhuma maneira uma conseqüência necessária do último "] Dada a consciência, com a sua sensibilidade com segurança alojados no corpo psíquico, que comprovadamente sobrevive à física da carcaça, e nós somos como os homens salvos naufrágio, que são para o momento grato e contente, não dando pensamento sejam eles desembarcaram em uma terra hospitaleira, ou uma rocha estéril, ou numa ilha de canibais. Não se trata, evidentemente, pretende que esta "mão para boca" imortalidade é suficiente para que muitas mentes pensativo cuja atividade dá vida e progresso para o movimento, mas que proporciona um alívio que a maioria das pessoas se sente quando em uma idade de dúvida eles fazem a descoberta de que eles são, sem dúvida, a viver de novo. À pergunta: "Como é que os mortos ressuscitam, e com que corpo vêm?" espiritualismo moderno, com seus métodos empíricos, não é adequada para responder. entanto, muito antes de Paul sugeriu ele, que tinha a atenção das escolas mais célebres da filosofia , cujas especulações sobre o assunto, porém pouco que possa parecer a ser verificado, não deveria ser, sem interesse para nós, que, afinal, estão ainda na infância de um renascimento espírita. Não seria necessário a premissa, mas para a frequência com que ocorre a frase, que o corpo espiritual "é uma contradição em termos. O gabinete do corpo é relacionar espírito para um mundo objetivo. By escritores platônico é geralmente denominado okhema -" veículo ". É o meio de [Page 16], a acção e também da sensibilidade. Nesta filosofia o conceito de alma não era simplesmente, como entre nós, o assunto imaterial da consciência. cautelosamente Como intérprete tem que pisar aqui, cada um sabe o que tem de cruzamento, mesmo que superficialmente em as controvérsias entre os próprios platônicos. Todos admitem a distinção entre o racional eo irracional parte ou em princípio, incluindo este último, em primeiro lugar, a sensibilidade e, por outro, o plástico ou o poder que em obediência a suas simpatias permite que a alma juntar-se a, e organizar-se em uma instância adequada, essas substâncias do universo ao qual ele é mais congruente. É mais difícil determinar se Platão e seus seguidores principal reconhecido na alma racional ou uma entidade nous distintas e separadas - que que é por vezes discriminados como "o Espírito". Dr. Henry More, nenhuma autoridade significa, repudia essa interpretação. "Não pode ser nada mais monstruoso", diz ele, "do que fazer duas almas no homem, a um sensível, o outro racional, realmente distintas uma da outra, e para dar o nome de Astral Espírito para o primeiro; quando há no homem nenhum espírito astral salvar o plástico da própria alma, que é sempre inseparável do racional. Nem em qualquer outra conta que pode ser chamado de astral, mas como ele corre o risco de que o temperamento corporal que procede das estrelas, ou melhor, de qualquer material faz com que, em geral, como não sendo ainda suficientemente unido com o corpo divino - o veículo do divino força ou poder ". Então, ele sustenta que o cabalístico três almas - Nephesh, Ruach, Neshama - originários de um mal-entendido sobre a doutrina platónica verdadeiro, que é a de um triplo congruência" vital ". Estes correspondem aos três graus de existência corporal , ou para os três veículos, a terrestre, a antena, eo etéreo. Este último é o Augoeides - o veículo luciform da alma purificada cuja parte irracional tem estado sob a sujeição completa ao racional. A antena é aquela em que o grande maioria da humanidade encontra-se na dissolução do corpo terrestre e em que o processo incompleto de purificação deve ser submetido durante longos períodos de preparação para o retorno da alma ao seu estado primitivo etéreo. Pois deve ser lembrado que o pré - existência de almas é um princípio de distinção desta filosofia, a partir da Cabala. A alma tem "afundado em questão". Desde o seu mais elevado estado de origem da revolta da sua natureza irracional, tem despertado e desenvolvido sucessivamente seus congruities vital com as regiões abaixo de passagem, por meio de sua plástica, em primeiro lugar na antena e, posteriormente, na condição terrestre. Cada uma dessas regiões teems também com uma população adequada que nunca passa, como a alma humana, de um para o outro - "deuses", "demônios", e, "animais". [A alusão aqui é para aqueles seres dos reinos vários dos elementos que nós teosofistas, seguindo depois os cabalistas, tem chamado a Elementals "] Quanto à duração," o menor de todos é o da do veículo terrestre. Na antena, a alma pode habitar, como eles definem, muitas idades, e no etéreo para sempre "Speaking. [Page 17] do segundo corpo, Henry Mais diz:" veículo astral A alma é de que a tenuidade que por si só pode como facilmente passar o menor poros do corpo, como a luz é de vidro, ou o raio da bainha de uma espada sem rasgar ou escaldante do mesmo ". E ainda:" Farei ousado afirmar que a alma possa viver em um veículo aéreo como assim como no etéreo, e que há muito poucos que chegam a essa felicidade alto como para adquirir um veículo celestial imediatamente após a sua parada a um terrestre que celeste carruagem, necessariamente, levando-nos em triunfo para a maior felicidade da alma do homem é capaz de que iria chegar a todos os homens, indiferentemente, bom ou ruim, se a separação com este corpo terreno de repente mount-nos para o céu, quando apenas por um Nemesis as almas dos homens que não são heroicamente virtuoso encontra-se contido dentro do compasso deste ar Caliginous, tanto como a própria razão sugere, e os platônicos, por unanimidade, determinou. "Assim, também, o mais completo curso e, provavelmente, o mais profundamente versado nas doutrinas do mestre entre os platónicos moderno, Thomas Taylor (Introdução, Fédon ). "Após este filósofo divino nossa informa que a alma pura irá retornar após a morte de naturezas puro e eterna, mas que a alma impura, em conseqüência de estar imbuído de afeições terrenas, será levantado a uma natureza parentela, e serão investidos com um bruto capaz de ser visto pelo olho corpóreo. [Esta é a teoria hindu de quase todas as filosofias arianas] Por enquanto uma propensão para o corpo permanece na alma, faz com que ela para atrair um determinado veículo para si mesma, quer de natureza aérea ou composto a partir de vapores e espírito de seu corpo terrestre, ou que se recentemente coletados a partir do ar circundante, pois, de acordo com os arcanos da filosofia platônica, entre um corpo etéreo, que é simples e imaterial, e é o veículo connate eterna da alma, e um corpo que Terrene é material e composto, e de curta duração, não há um corpo aéreo que é material de fato, mas simples e com uma duração mais prolongada, e neste corpo impuro habita a alma por um longo tempo após a sua saída daqui, até este pneumático veículo a ser dissolvido, é investido novamente com um corpo composto, enquanto que, pelo contrário, a alma purificada imediatamente sobe às regiões celestiais com o seu veículo etéreo sozinho. "sempre é a disposição da alma que determina a qualidade do seu corpo . "No entanto, a alma ser afetados", diz Porfírio (traduzido por Cudworth), "de modo que sempre encontrar uma instância adequada e agradável a sua disposição em apreço, e, portanto, para a alma purgada faz naturalmente acumular um corpo que chega próximo a imaterialidade, isto é, um um etéreo ". E o mesmo autor:" A alma nunca é completamente despido de todo o corpo, mas tem sempre algum órgão ou outro se juntou com ele, adequado e agradável para a sua disponibilidade actual (ou um ou mais puro impurer um) . Mas que, na sua primeira parada este corpo bruto terrena, o corpo espirituosas que accompanieth-lo (como o seu veículo) preciso ir longe contaminada e incrassated com os vapores e vapores º, até a alma depois por graus de purificação em si, este se torna em um comprimento esplendor seca [Page 18], que não tem nem obscuridade neblina expulsa qualquer sombra ". Aqui, ele será visto, perdemos de vista a diferença específica dos dois veículos do futuro: o ethereal é considerado como uma sublimação da antena Isto, no entanto, é contrário ao consenso geral de comentadores de Platão. Às vezes, o corpo etéreo, ou Augoeides, é apropriada para a alma racional ou espírito, que deve então ser considerada como uma entidade distinta, separados da alma inferior. Philoponus, um cristão escritor, diz "que a alma racional, como a sua energia, é separável do corpo todo, mas a parte irracional, ou a vida dela, é separável apenas deste corpo denso, e não de todo o corpo qualquer, mas tem, após a morte, um corpo espirituosas ou arejado, em que ele age de - digo isto, é uma verdadeira opinião que deve depois ser provada por nós. . . . A vida irracional da alma não tem todo o seu ser neste corpo bruto terrena, mas resta depois da partida da alma para fora dela, tendo para o seu veículo e sob o corpo espirituosas, o que em si também é composto dos quatro elementos, mas recebe sua denominação a partir da parte predominante, a saber, o ar, como este corpo bruto de nossa terra é chamado de o que é mais predominante nele "(Cudworth, Intell. Syst.). Da mesma fonte extraímos o seguinte:" Por que esses antigos dizer que as almas impuras, depois de sua saída do corpo, vaguear aqui para cima e para baixo por um certo espaço em seu corpo espirituosas, vaporoso e arejado, aparecendo sobre sepulturas e assombrando sua morada anterior. Pelo que não há grande motivo que devemos ter o cuidado de viver bem, como também de abster-se de uma dieta mais suja e grosseira, estes antigos dizendo-nos também que este corpo espirituosas da nossa, sendo contaminada e incrassated pela dieta mal, está apto a render a alma nesta vida ainda mais desagradável para os distúrbios da paixão. Eles acrescentam ainda que há alguma coisa da vida plantal ou plástico, também exercida pela alma, nos órgãos da espirituosas ou arejados após a morte, pois eles sendo alimentada, também, embora não da mesma maneira como os corpos brutos da terra, a nossa está aqui , mas por meio de vapores, e não por partes ou órgãos, mas ao longo de todo-los (como esponjas), eles absorver toda a parte os vapores. Pelo que aqueles que são sábios será nesta vida também tomar cuidado de utilizar uma dieta mais fino e cabelo, que assim que o corpo espirituosas (que também temos no tempo presente dentro do nosso próprio corpo) não podem ser obstruídos e incrassed, mas atenuada . Para além de que, os antigos fizeram uso de catharms, ou purgações, com a mesma finalidade e propósito também. Porque, como este corpo terrestre é banhada por água, por isso é que o corpo espirituosas limpos por vapores catártico - alguns destes vapores ser nutritivo, outros purgativo. Além disso, estes antigos declarou ainda sobre este corpo espirituosas que não era organizado, mas não a totalidade do que em toda a parte exercer todas as funções dos sentidos, a audição da alma, ver e perceber todas as sensibles por ela em toda parte. Pelo que o próprio Aristóteles affirmeth na sua Metafísica que não há propriamente, mas um sentido e um sensorial. Ele por isso um cuide sensorial do espírito, no corpo sutil e arejado, em que o poder sensível doth all of it, through the [Page 19] inteiro, imediatamente apreendem variedade todos sensibles. E se for exigida a forma como se trata de passar este espírito que se organiza em sepulcros, e mais comumente de forma humana, mas às vezes sob a forma de outros animais, este respondeu que esses antigos seus aparecendo com tanta freqüência em forma humana procedeu de serem incrassated com dieta mal e, em seguida, por assim dizer, carimbado em cima com a forma do corpo exterior ambiente em que estão, como o cristal é formado e coloridas, como aquelas coisas que ela está presa, ou reflete a imagem de lhes. E terem, por vezes, outras formas diferentes procede do poder phantastic da própria alma, que pode transformar no prazer do corpo espirituosas em qualquer forma. Por ser arejado, quando é condensado e fixo, ele se torna visível e invisível e desaparecendo novamente fora de vista quando é expandido e rarefeito ". (Proem em Aristóteles," De Anima ".) Cudworth E diz:" Embora esses espíritos ou fantasmas que certos organismos flexível que poderia até condensar a torná-los visíveis aos homens, às vezes, ainda é bastante razoável pensar que eles não poderiam constipar ou corrigi-los em um tal firmeza, grosseria, e solidez como o de carne e óssea para continuar nele, ou pelo menos não sem dificuldades, tais como dor e que os impedem de tentar o mesmo. Não obstante o que não é negado que eles podem, eventualmente, por vezes, fazer uso de outros corpos sólidos, movimento e qualidade delas, como na famosa história de que Flegonte, quando o corpo não desapareceu como fantasmas utilizadas para fazer, mas foi deixada para trás uma carcaça morta ". Em todas essas especulações, o Anima Mundi tem um papel conspícuo. É a fonte e princípio de todas as almas dos animais, incluindo a alma irracional do homem. Mas no homem, que de outra forma seria meramente análoga à dos outros animais terrestres, esta alma participa em um princípio superior, que tende a aumentar e convertê-lo para si. Para compreender a natureza desta união, ou hipóstase, seria necessário ter dominado toda a filosofia de Platão como incluído no Parmênides "e" Timeu " e ele dogmatizar precipitadamente que, sem essa preparação árdua devem reivindicar Platão como o campeão de uma imortalidade incondicional. Certamente, o "Fédon", o diálogo popularmente suposto conter todos os ensinamentos de Platão sobre o assunto, a imortalidade da alma atribuído ao impuro é de um caráter muito questionável, e que deve, antes, inferir a partir da conta que uma vez que a personalidade humana, em todos os eventos, é perdido por imersões sucessivas "em questão". A seguinte passagem de Plutarco, pelo menos, demonstrar a antiguidade das noções que têm recentemente sido confundido com novidades fantásticas: "Toda alma tem alguma parcela de nous - razão, - um homem não pode ser um homem sem ele, mas o máximo de cada alma, como é misturado com a carne eo apetite é mudado, e através da dor e do prazer torna-se irracional. Toda a alma não se mistura-se depois de uma espécie: alguns mergulham no corpo, e assim nesta vida seu quadro todo é corrompido pelo apetite e paixão, outros são misturados a alguma parte, mas a parte mais pura ainda permanece sem o corpo. Ela não é desenhada para dentro do corpo [Page 20], mas nada acima, e toca a parte mais extrema da cabeça do homem, ele é como um cordão para segurar e dirigir a subsidiar parte da alma, desde que prove obediente e não é superada pelos apetites ou a carne. A parte que está mergulhado o corpo é chamado de alma, mas a parte incorruptível é chamado de nous, eo vulgar acho que está dentro deles, como eles também de imaginar a imagem refletida de um vidro para a que o vidro. Mas o mais inteligente, que sabe que ele seja, sem chamá-lo de um Daemon. "E em que o trabalho aprendido," Isis Unveiled ", temos duas autoridades cristãs, Irineu e Orígenes, citado como uma distinção entre o espírito ea alma de tal uma forma de demonstrar que os primeiros devem necessariamente ser considerado como separável do último. Na própria distinção não é, evidentemente, nenhuma novidade para os mais moderadamente bem informado. É insistiu em muitos trabalhos modernos, entre os quais talvez mencionado Heard "tricotomia do homem" e filosofia Verde "espiritual", sendo este último uma exposição da opinião de Coleridge sobre este e os sujeitos cognato. Mas a dificuldade de encarar os dois princípios como separados de fato, bem como na lógica surge no sentido de, se não é a ilusão da identidade pessoal. Que somos divisível, e que uma parte só é imortal, a mente não-metafísico rejeita a indignação com o que sempre é encontrado por uma proposição que é ao mesmo tempo desagradável e ininteligível. Mas, talvez, não é uma dificuldade maior (caso não esteja, de fato, é o mesmo) que dura dizendo que Nicodemos incomodado e que ainda tem sido a nota-chave da consciência mística religiosa desde então. Isto, porém, é muito extensa e profundo de uma questão a ser tratada neste artigo, que tem por objeto sobretudo chamar a atenção para as diferenças introduzidas pelo pensamento antigo para as concepções do corpo como instrumento ou "veículo" da alma. Que existe uma correspondência entre a condição espiritual do homem e do meio de sua atividade objetiva todos os espíritas admitem ser provável, e pode muito bem ser que alguma luz é lançada sobre estados futuros com a possibilidade ou a forma de espírito de comunicação com esta.

[Page 15] É preciso confessar que o espiritismo moderno está muito longe das idéias anteriormente sugerida pela designação sublime que assumiu. Principalmente preocupado em reconhecer e apresentar as provas fenomenal de uma existência futura, ela se preocupa pouco com as especulações sobre a distinção entre matéria e espírito, e sim se orgulha de ter demolido Materialismo sem o auxílio da metafísica. Talvez um platónico-se dizer que o reconhecimento de uma existência futura é consistente com um materialismo muito prático e mesmo dogmático, mas é melhor ser temido que tal materialismo como esta não seria muito espiritual ou perturbar o repouso intelectual da nossa fenomenólogos modernos. [ "Eu tenho medo", diz Thomas Taylor, em sua Introdução ao Fédon, "não há mal nenhum nos dias de hoje que sabemos que é uma coisa para que a alma é separada do corpo, e outro para o corpo ser separado da alma, e que o primeiro é de nenhuma maneira uma conseqüência necessária do último "] Dada a consciência, com a sua sensibilidade com segurança alojados no corpo psíquico, que comprovadamente sobrevive à física da carcaça, e nós somos como os homens salvos naufrágio, que são para o momento grato e contente, não dando pensamento sejam eles desembarcaram em uma terra hospitaleira, ou uma rocha estéril, ou numa ilha de canibais. Não se trata, evidentemente, pretende que esta "mão para boca" imortalidade é suficiente para que muitas mentes pensativo cuja atividade dá vida e progresso para o movimento, mas que proporciona um alívio que a maioria das pessoas se sente quando em uma idade de dúvida eles fazem a descoberta de que eles são, sem dúvida, a viver de novo. À pergunta: "Como é que os mortos ressuscitam, e com que corpo vêm?" espiritualismo moderno, com seus métodos empíricos, não é adequada para responder. entanto, muito antes de Paul sugeriu ele, que tinha a atenção das escolas mais célebres da filosofia , cujas especulações sobre o assunto, porém pouco que possa parecer a ser verificado, não deveria ser, sem interesse para nós, que, afinal, estão ainda na infância de um renascimento espírita. Não seria necessário a premissa, mas para a frequência com que ocorre a frase, que o corpo espiritual "é uma contradição em termos. O gabinete do corpo é relacionar espírito para um mundo objetivo. By escritores platônico é geralmente denominado okhema -" veículo ". É o meio de [Page 16], a acção e também da sensibilidade. Nesta filosofia o conceito de alma não era simplesmente, como entre nós, o assunto imaterial da consciência. cautelosamente Como intérprete tem que pisar aqui, cada um sabe o que tem de cruzamento, mesmo que superficialmente em as controvérsias entre os próprios platônicos. Todos admitem a distinção entre o racional eo irracional parte ou em princípio, incluindo este último, em primeiro lugar, a sensibilidade e, por outro, o plástico ou o poder que em obediência a suas simpatias permite que a alma juntar-se a, e organizar-se em uma instância adequada, essas substâncias do universo ao qual ele é mais congruente. É mais difícil determinar se Platão e seus seguidores principal reconhecido na alma racional ou uma entidade nous distintas e separadas - que que é por vezes discriminados como "o Espírito". Dr. Henry More, nenhuma autoridade significa, repudia essa interpretação. "Não pode ser nada mais monstruoso", diz ele, "do que fazer duas almas no homem, a um sensível, o outro racional, realmente distintas uma da outra, e para dar o nome de Astral Espírito para o primeiro; quando há no homem nenhum espírito astral salvar o plástico da própria alma, que é sempre inseparável do racional. Nem em qualquer outra conta que pode ser chamado de astral, mas como ele corre o risco de que o temperamento corporal que procede das estrelas, ou melhor, de qualquer material faz com que, em geral, como não sendo ainda suficientemente unido com o corpo divino - o veículo do divino força ou poder ". Então, ele sustenta que o cabalístico três almas - Nephesh, Ruach, Neshama - originários de um mal-entendido sobre a doutrina platónica verdadeiro, que é a de um triplo congruência" vital ". Estes correspondem aos três graus de existência corporal , ou para os três veículos, a terrestre, a antena, eo etéreo. Este último é o Augoeides - o veículo luciform da alma purificada cuja parte irracional tem estado sob a sujeição completa ao racional. A antena é aquela em que o grande maioria da humanidade encontra-se na dissolução do corpo terrestre e em que o processo incompleto de purificação deve ser submetido durante longos períodos de preparação para o retorno da alma ao seu estado primitivo etéreo. Pois deve ser lembrado que o pré - existência de almas é um princípio de distinção desta filosofia, a partir da Cabala. A alma tem "afundado em questão". Desde o seu mais elevado estado de origem da revolta da sua natureza irracional, tem despertado e desenvolvido sucessivamente seus congruities vital com as regiões abaixo de passagem, por meio de sua plástica, em primeiro lugar na antena e, posteriormente, na condição terrestre. Cada uma dessas regiões teems também com uma população adequada que nunca passa, como a alma humana, de um para o outro - "deuses", "demônios", e, "animais". [A alusão aqui é para aqueles seres dos reinos vários dos elementos que nós teosofistas, seguindo depois os cabalistas, tem chamado a Elementals "] Quanto à duração," o menor de todos é o da do veículo terrestre. Na antena, a alma pode habitar, como eles definem, muitas idades, e no etéreo para sempre "Speaking. [Page 17] do segundo corpo, Henry Mais diz:" veículo astral A alma é de que a tenuidade que por si só pode como facilmente passar o menor poros do corpo, como a luz é de vidro, ou o raio da bainha de uma espada sem rasgar ou escaldante do mesmo ". E ainda:" Farei ousado afirmar que a alma possa viver em um veículo aéreo como assim como no etéreo, e que há muito poucos que chegam a essa felicidade alto como para adquirir um veículo celestial imediatamente após a sua parada a um terrestre que celeste carruagem, necessariamente, levando-nos em triunfo para a maior felicidade da alma do homem é capaz de que iria chegar a todos os homens, indiferentemente, bom ou ruim, se a separação com este corpo terreno de repente mount-nos para o céu, quando apenas por um Nemesis as almas dos homens que não são heroicamente virtuoso encontra-se contido dentro do compasso deste ar Caliginous, tanto como a própria razão sugere, e os platônicos, por unanimidade, determinou. "Assim, também, o mais completo curso e, provavelmente, o mais profundamente versado nas doutrinas do mestre entre os platónicos moderno, Thomas Taylor (Introdução, Fédon ). "Após este filósofo divino nossa informa que a alma pura irá retornar após a morte de naturezas puro e eterna, mas que a alma impura, em conseqüência de estar imbuído de afeições terrenas, será levantado a uma natureza parentela, e serão investidos com um bruto capaz de ser visto pelo olho corpóreo. [Esta é a teoria hindu de quase todas as filosofias arianas] Por enquanto uma propensão para o corpo permanece na alma, faz com que ela para atrair um determinado veículo para si mesma, quer de natureza aérea ou composto a partir de vapores e espírito de seu corpo terrestre, ou que se recentemente coletados a partir do ar circundante, pois, de acordo com os arcanos da filosofia platônica, entre um corpo etéreo, que é simples e imaterial, e é o veículo connate eterna da alma, e um corpo que Terrene é material e composto, e de curta duração, não há um corpo aéreo que é material de fato, mas simples e com uma duração mais prolongada, e neste corpo impuro habita a alma por um longo tempo após a sua saída daqui, até este pneumático veículo a ser dissolvido, é investido novamente com um corpo composto, enquanto que, pelo contrário, a alma purificada imediatamente sobe às regiões celestiais com o seu veículo etéreo sozinho. "sempre é a disposição da alma que determina a qualidade do seu corpo . "No entanto, a alma ser afetados", diz Porfírio (traduzido por Cudworth), "de modo que sempre encontrar uma instância adequada e agradável a sua disposição em apreço, e, portanto, para a alma purgada faz naturalmente acumular um corpo que chega próximo a imaterialidade, isto é, um um etéreo ". E o mesmo autor:" A alma nunca é completamente despido de todo o corpo, mas tem sempre algum órgão ou outro se juntou com ele, adequado e agradável para a sua disponibilidade actual (ou um ou mais puro impurer um) . Mas que, na sua primeira parada este corpo bruto terrena, o corpo espirituosas que accompanieth-lo (como o seu veículo) preciso ir longe contaminada e incrassated com os vapores e vapores º, até a alma depois por graus de purificação em si, este se torna em um comprimento esplendor seca [Page 18], que não tem nem obscuridade neblina expulsa qualquer sombra ". Aqui, ele será visto, perdemos de vista a diferença específica dos dois veículos do futuro: o ethereal é considerado como uma sublimação da antena Isto, no entanto, é contrário ao consenso geral de comentadores de Platão. Às vezes, o corpo etéreo, ou Augoeides, é apropriada para a alma racional ou espírito, que deve então ser considerada como uma entidade distinta, separados da alma inferior. Philoponus, um cristão escritor, diz "que a alma racional, como a sua energia, é separável do corpo todo, mas a parte irracional, ou a vida dela, é separável apenas deste corpo denso, e não de todo o corpo qualquer, mas tem, após a morte, um corpo espirituosas ou arejado, em que ele age de - digo isto, é uma verdadeira opinião que deve depois ser provada por nós. . . . A vida irracional da alma não tem todo o seu ser neste corpo bruto terrena, mas resta depois da partida da alma para fora dela, tendo para o seu veículo e sob o corpo espirituosas, o que em si também é composto dos quatro elementos, mas recebe sua denominação a partir da parte predominante, a saber, o ar, como este corpo bruto de nossa terra é chamado de o que é mais predominante nele "(Cudworth, Intell. Syst.). Da mesma fonte extraímos o seguinte:" Por que esses antigos dizer que as almas impuras, depois de sua saída do corpo, vaguear aqui para cima e para baixo por um certo espaço em seu corpo espirituosas, vaporoso e arejado, aparecendo sobre sepulturas e assombrando sua morada anterior. Pelo que não há grande motivo que devemos ter o cuidado de viver bem, como também de abster-se de uma dieta mais suja e grosseira, estes antigos dizendo-nos também que este corpo espirituosas da nossa, sendo contaminada e incrassated pela dieta mal, está apto a render a alma nesta vida ainda mais desagradável para os distúrbios da paixão. Eles acrescentam ainda que há alguma coisa da vida plantal ou plástico, também exercida pela alma, nos órgãos da espirituosas ou arejados após a morte, pois eles sendo alimentada, também, embora não da mesma maneira como os corpos brutos da terra, a nossa está aqui , mas por meio de vapores, e não por partes ou órgãos, mas ao longo de todo-los (como esponjas), eles absorver toda a parte os vapores. Pelo que aqueles que são sábios será nesta vida também tomar cuidado de utilizar uma dieta mais fino e cabelo, que assim que o corpo espirituosas (que também temos no tempo presente dentro do nosso próprio corpo) não podem ser obstruídos e incrassed, mas atenuada . Para além de que, os antigos fizeram uso de catharms, ou purgações, com a mesma finalidade e propósito também. Porque, como este corpo terrestre é banhada por água, por isso é que o corpo espirituosas limpos por vapores catártico - alguns destes vapores ser nutritivo, outros purgativo. Além disso, estes antigos declarou ainda sobre este corpo espirituosas que não era organizado, mas não a totalidade do que em toda a parte exercer todas as funções dos sentidos, a audição da alma, ver e perceber todas as sensibles por ela em toda parte. Pelo que o próprio Aristóteles affirmeth na sua Metafísica que não há propriamente, mas um sentido e um sensorial. Ele por isso um cuide sensorial do espírito, no corpo sutil e arejado, em que o poder sensível doth all of it, through the [Page 19] inteiro, imediatamente apreendem variedade todos sensibles. E se for exigida a forma como se trata de passar este espírito que se organiza em sepulcros, e mais comumente de forma humana, mas às vezes sob a forma de outros animais, este respondeu que esses antigos seus aparecendo com tanta freqüência em forma humana procedeu de serem incrassated com dieta mal e, em seguida, por assim dizer, carimbado em cima com a forma do corpo exterior ambiente em que estão, como o cristal é formado e coloridas, como aquelas coisas que ela está presa, ou reflete a imagem de lhes. E terem, por vezes, outras formas diferentes procede do poder phantastic da própria alma, que pode transformar no prazer do corpo espirituosas em qualquer forma. Por ser arejado, quando é condensado e fixo, ele se torna visível e invisível e desaparecendo novamente fora de vista quando é expandido e rarefeito ". (Proem em Aristóteles," De Anima ".) Cudworth E diz:" Embora esses espíritos ou fantasmas que certos organismos flexível que poderia até condensar a torná-los visíveis aos homens, às vezes, ainda é bastante razoável pensar que eles não poderiam constipar ou corrigi-los em um tal firmeza, grosseria, e solidez como o de carne e óssea para continuar nele, ou pelo menos não sem dificuldades, tais como dor e que os impedem de tentar o mesmo. Não obstante o que não é negado que eles podem, eventualmente, por vezes, fazer uso de outros corpos sólidos, movimento e qualidade delas, como na famosa história de que Flegonte, quando o corpo não desapareceu como fantasmas utilizadas para fazer, mas foi deixada para trás uma carcaça morta ". Em todas essas especulações, o Anima Mundi tem um papel conspícuo. É a fonte e princípio de todas as almas dos animais, incluindo a alma irracional do homem. Mas no homem, que de outra forma seria meramente análoga à dos outros animais terrestres, esta alma participa em um princípio superior, que tende a aumentar e convertê-lo para si. Para compreender a natureza desta união, ou hipóstase, seria necessário ter dominado toda a filosofia de Platão como incluído no Parmênides "e" Timeu " e ele dogmatizar precipitadamente que, sem essa preparação árdua devem reivindicar Platão como o campeão de uma imortalidade incondicional. Certamente, o "Fédon", o diálogo popularmente suposto conter todos os ensinamentos de Platão sobre o assunto, a imortalidade da alma atribuído ao impuro é de um caráter muito questionável, e que deve, antes, inferir a partir da conta que uma vez que a personalidade humana, em todos os eventos, é perdido por imersões sucessivas "em questão". A seguinte passagem de Plutarco, pelo menos, demonstrar a antiguidade das noções que têm recentemente sido confundido com novidades fantásticas: "Toda alma tem alguma parcela de nous - razão, - um homem não pode ser um homem sem ele, mas o máximo de cada alma, como é misturado com a carne eo apetite é mudado, e através da dor e do prazer torna-se irracional. Toda a alma não se mistura-se depois de uma espécie: alguns mergulham no corpo, e assim nesta vida seu quadro todo é corrompido pelo apetite e paixão, outros são misturados a alguma parte, mas a parte mais pura ainda permanece sem o corpo. Ela não é desenhada para dentro do corpo [Page 20], mas nada acima, e toca a parte mais extrema da cabeça do homem, ele é como um cordão para segurar e dirigir a subsidiar parte da alma, desde que prove obediente e não é superada pelos apetites ou a carne. A parte que está mergulhado o corpo é chamado de alma, mas a parte incorruptível é chamado de nous, eo vulgar acho que está dentro deles, como eles também de imaginar a imagem refletida de um vidro para a que o vidro. Mas o mais inteligente, que sabe que ele seja, sem chamá-lo de um Daemon. "E em que o trabalho aprendido," Isis Unveiled ", temos duas autoridades cristãs, Irineu e Orígenes, citado como uma distinção entre o espírito ea alma de tal uma forma de demonstrar que os primeiros devem necessariamente ser considerado como separável do último. Na própria distinção não é, evidentemente, nenhuma novidade para os mais moderadamente bem informado. É insistiu em muitos trabalhos modernos, entre os quais talvez mencionado Heard "tricotomia do homem" e filosofia Verde "espiritual", sendo este último uma exposição da opinião de Coleridge sobre este e os sujeitos cognato. Mas a dificuldade de encarar os dois princípios como separados de fato, bem como na lógica surge no sentido de, se não é a ilusão da identidade pessoal. Que somos divisível, e que uma parte só é imortal, a mente não-metafísico rejeita a indignação com o que sempre é encontrado por uma proposição que é ao mesmo tempo desagradável e ininteligível. Mas, talvez, não é uma dificuldade maior (caso não esteja, de fato, é o mesmo) que dura dizendo que Nicodemos incomodado e que ainda tem sido a nota-chave da consciência mística religiosa desde então. Isto, porém, é muito extensa e profundo de uma questão a ser tratada neste artigo, que tem por objeto sobretudo chamar a atenção para as diferenças introduzidas pelo pensamento antigo para as concepções do corpo como instrumento ou "veículo" da alma. Que existe uma correspondência entre a condição espiritual do homem e do meio de sua atividade objetiva todos os espíritas admitem ser provável, e pode muito bem ser que alguma luz é lançada sobre estados futuros com a possibilidade ou a forma de espírito de comunicação com esta.

quarta-feira

Goiaba e seu poder curativo

A goiaba tem grande valor nutritivo, principalmente pelo seu alto teor de vitamina C, importante no combate às infecções, hemorragias, fortalecimento dos ossos e dentes, cicatrização de cortes e queimaduras. Possui também vitamina A, boa à vista, conserva a saúde da pele e das mucosas e auxilia no crescimento e, vitamina B1, que ajuda na regularização do sistema nervoso e aparelho digestivo, tonificando, ainda, o músculo cardíaco. Aumenta a resistência orgânica. Contém ainda cálcio, fósforo, ferro, carboidratos e vitaminas PP.
Contém também sais minerais como Cálcio, Fósforo e Ferro que contribuem para a formação dos ossos, dentes e sangue.
É indicada para pessoas de todas as idades, podendo constar de qualquer tipo de dieta. Só deve ser evitada por aqueles que possuem aparelho digestivo delicado, ou que tenham problemas intestinais (diarréias, estomatites).
Promove o metabolismo das proteínas, e ajuda a previnir a acidez e fermentação dos carboidratos durante a digestão. Sob a forma de chá, é eficiente em gargarejos, nas infecções da boca e garganta, ou para lavagens de úlceras e irritações vaginais.
De preferência, a goiaba deve ser consumida ao natural, quando conserva todos os seus princípios nutritivos, principalmente a vitamina C.
Para conservar goiabas, o melhor é limpá-las e guardá-las na geladeira, pois se estragam com facilidade. Quando não são consumidas logo, começam a ficar passadas. Mesmo assim, servem para fazer deliciosos doces. Em boas condições, as goiabas se conservam por uma semana na geladeira.

segunda-feira

Tales de Mileto

Tales de Mileto (em grego Θαλής ο Μιλήσιος) foi o primeiro filósofo ocidental de que se tem notícia. Ele é o marco inicial da filosofia ocidental. De ascendência fenícia, nasceu em Mileto, antiga colônia grega, na Ásia Menor, atual Turquia, por volta de 624 ou 625 a.C. e faleceu aproximadamente em 556 ou 558 a.C.. Tales é apontado como um dos sete sábios da Grécia Antiga. Além disso, foi o fundador da Escola Jônica. Tales considerava a água como sendo a origem de todas as coisas. E seus seguidores, embora discordassem quanto à “substância primordial” (que constituía a essência do universo), concordavam com ele no que dizia respeito à existência de um “princípio único" para essa natureza primordial. Entre os principais discípulos de Tales de Mileto merecem destaque: Anaxímenes que dizia ser o "ar" a substância primária; e Anaximandro, para quem os mundos eram infinitos em sua perpétua inter-relação. No Naturalismo esboçou o que podemos citar como os primeiros passos do pensamento Teórico evolucionista: "O mundo evoluiu da água por processos naturais", aproximadamente 2460 anos antes de Charles Darwin. Sendo seguido por Empédocles de Agrigento na mesma linha de pensamento evolutivo: "Sobrevive aquele que está mais bem capacitado". Tales foi o primeiro a explicar o eclipse solar, ao verificar que a Lua é iluminada por esse astro. Segundo Heródoto, ele teria previsto um eclipse solar em 585 a.C. Segundo Aristóteles, tal feito marca o momento em que começa a filosofia. Os astrônomos modernos calculam que esse eclipse se apresentou em 28 de Maio do ano mencionado por Heródoto. Se Tales aparece como o iniciador da filosofia, é porque seu esforço em buscar o princípio único da explicação do mundo não só constituiu o ideal da filosofia como também forneceu impulso para o próprio desenvolvimento dela. A tendência do filósofo em buscar a verdade da vida na natureza o levou também a algumas experiências com magnetismo que naquele tempo só existiam como curiosa atração por objetos de ferro por um tipo de rocha meteórica achado na cidade de Magnésia, de onde o nome deriva. A Cosmologia Os fenícios – através de sua mitologia – consideravam os elementos da Natureza (o Sol, a Terra, o Céu, o Oceano, as Montanhas,etc.) como forças autônomas, honrando-os como deuses, elevados pela fantasia a seres ativos, móveis, conscientes e dotados de sentimentos, vontades e desejos. Estes deuses constituíam-se na fonte e na essência de todas as coisas do universo. Tales foi um dos primeiros pensadores a alterar esses conceitos observando mais atentamente os fenômenos da natureza. A Phisis. O ponto de partida da teoria especulativa de Tales – como também de todos os demais filósofos da escola Jônica – foi a verificação da permanente transformação das coisas umas nas outras e sua intuição básica é de que todas as coisas são uma só coisa fundamental, ou um só princípio (arché). Esse esforço investigativo de Tales no sentido de descobrir uma unidade, que seria a causa de todas as coisas, representa uma mudança de comportamento na atitude do homem perante o cosmos, pois abandona as explicações religiosas até então vigentes e busca, através da razão e da observação, um novo sentido para o universo. Quando Tales disse que todas as coisas estão cheias de deuses, ou que o magnetismo se deve à existência de “almas” dentro de certos minerais, ele não estava invocando as palavras Deus e Alma, no sentido religioso como as conhecemos atualmente, mas sim adivinhando intuitivamente a presença de fenômenos naturais inerentes à própria matéria. Contos Plutarco disse que Tales certa vez olhando para o céu, tropeçou e caiu, sendo repreendido por alguém como lunático: analisava o tempo para descobrir se haveria uma seca, o que o fez ganhar muito dinheiro. Outros dizem que tendo caído, desapareceu num buraco. Usando seu conhecimento astronômico e meteorológico (provavelmente herdado dos babilônios), Tales previu uma excelente colheita de azeitonas com um ano de antecedência. Sendo um homem prático, conseguiu dinheiro para alugar todas as prensas de azeite de oliva da região e, quando chegou o verão, os produtores de azeite tiveram que pagar a ele pelo uso das prensas, o que o levou a ganhar uma grande fortuna com esse negócio. Quando perguntaram a Tales o que era difícil, ele respondeu: “Conhecer a si próprio”. Quando lhe perguntaram o que era fácil, ele respondeu: “Dar conselhos”.